A escalada nos cataventos

A escalada nos cataventos

Atualizado: Terça-feira, 9 Março de 2010 as 12

Com a humanidade consumindo cada vez mais os derivados de petróleo a produção de energia alternativa aos hidrocarbonetos caminha a passos largos para a formação de uma matriz energética mais diversificada e ambientalmente mais limpa.

Opções atuais e os estudos para possibilidades futuras de produção e acumulação de energia já fazem parte do dia a dia do consumidor e do leitor atento.

Veículos híbridos ou 100% elétricos, células fotovoltaicas, células de combustível, energia geotérmica, talassomotriz, energia eólica e a busca quixotesca do moto contínuo e da improvável fusão a frio. Verne, Kubrick e Asimov entre tantos outros ficariam extasiados vendo suas criações literárias e cinematográficas aplicadas em veículos, lares, laboratórios mundo afora.

Energia do vento

Dentro deste contexto de inovação resolvemos integrar nossa experiência em atividades verticais com pelo menos uma destas tecnologias já em evidência. A óbvia verticalidade dos aerogeradores foi amor a primeira vista. Além do negócio que poderia ser gerado oferecendo manutenção para estas turbinas também consideramos seriamente a natureza da produção da energia elétrica na modalidade eólica e a estética dos magníficos conjuntos destas poderosas máquinas.

Não creio que empresarialmente declinássemos de um trabalho em altura em uma refinaria tradicional, mas o fascínio e o atrativo deste trabalho aliado a nossa história pessoal de montanhistas e ambientalistas norteou muitos dos nossos interesses comerciais neste setor.

Com o ineditismo desta atividade no Brasil, literalmente, todos os procedimentos para colocar uma equipe para desenvolver com segurança as diversas atividades de manutenção em um aerogerador evoluíram do papel para a prática em campo em questão de dias. Finalmente, uma técnica que nunca tinha sido colocada em pratica no Brasil teve lugar no Ceará em meados de 2009.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também