Ao visitar Londres, descubra a cidade da realeza britânica

Ao visitar Londres, descubra a cidade da realeza britânica

Atualizado: Segunda-feira, 2 Maio de 2011 as 1:43

Nesta sexta-feira (29) as atenções mundiais estarão voltadas para o Reino Unido, quando acontecerá o casamento entre o príncipe William e Kate Middleton. Londres está pronta para a grande festa, com as ruas enfeitadas e os mais diferentes objetos relacionados à boda, de réplicas do anel a camisinhas, à venda nas ruas.

O destaque acontece devido à importância que a família real ainda exerce sobre país, apesar de não possuírem poder político de decisão. Toda a pompa e circunstância que envolve os ritos e o glamour da realeza atraem muitos turistas, o que faz com que o sistema não enfraqueça.   Grande parte dos pontos turísticos da cidade é dedicada ou tem alguma relação com a família real. O palácio de Buckingham, a abadia de Westminster e a torre de Londres são apenas alguns dos destaques.

Quem visita a cidade acaba conhecendo um pouco da história mundial, já que a Inglaterra esteve envolvida em grandes acontecimentos, e se vê cercado pela realeza. Ao preparar a viagem, é imprescindível conhecer um pouco das tradições reais.

Os principais   guias de viagem   oferecem um grande material de conhecimento para entender a relevância da monarquia, além de ajudarem o turista a preparar-se para a maratona de visitas a estes locais da realeza.

A abadia de Westminster, local onde será realizada a cerimônia, é conhecida por sua imponência e por guardar os túmulos de britânicos ilustres. Nos últimos anos ela ganhou destaque por ser cenário de "O Código da Vinci", no qual o protagonista utiliza o túmulo de Isaac Newton para decifrar um dos mistérios. Situada ao lado do Big Ben e das casas do Parlamente, a abadia está no cartão postal mais famoso da cidade.

Abadia de Westminster

Monges beneditinos ocuparam este local pantanoso às margens do Tâmisa a partir da metade do século 10º, mas Eduardo, o Confessor, começou o edifício atual (Igreja Colegiada de São Pedro em Westminster) por volta de 1050. Como morreu uma semana após sua consagração, em 6 de janeiro de 1066, ele foi o primeiro monarca a ser enterrado no local. Quase um ano depois, Guilherme, o Conquistador, foi coroado aqui, confirmando o estatuto real da igreja, que viu a coroação de todos os reis ingleses posteriores, com exceção de Eduardo 5º e Eduardo 8º.

Eduardo, o Confessor, foi canonizado mais tarde, e Henrique 3º iniciou uma reforma em grande escala em 1245 para fazer um santuário adequado à veneração do rei santo. A igreja atual, muito influenciada pelas catedrais góticas francesas de Amiens e Reims, foi o resultado. Em 1503 a Lady Chapel, na extremidade oeste, foi reconstruída por Henrique 7º, que deu seu nome à capela, que é o ponto alto da arquitetura da igreja. A fachada oeste só terminou em 1745, quando foram construídas as duas torres com projeto de Nicholas Hawksmoor.

A abadia forma o lado sul da Parliament Square. Entra-se pelo transepto norte, por uma das três grandes portas sob a enorme rosácea, cujo desenho se repete nas lajotas do piso do cabido. Lá dentro, vire à esquerda para dar uma volta no sentido horário pela igreja e pelos claustros, passando por uma série de capelas com inúmeros túmulos e monumentos, antes de sair pela porta oeste.

  O Hyde Park, um dos parques mais famosos da cidade, abriga diversas atrações turísticas. Há estátuas, monumentos e jardins dedicados à grandes nomes da família real. É possível seguir pedras no chão para fazer caminhadas que levam às principais paradas. Uma delas é o memorial de Diana, princesa de Gales e mãe de Willian. Trata-se de uma grande fonte em homenagem àquela que foi protagonista do último grande evento do mesmo porte.  

veja também