Aracati (CE) é lugar certo para quem gosta de história e cultura

Aracati (CE) é lugar certo para quem gosta de história e cultura

Atualizado: Segunda-feira, 16 Fevereiro de 2009 as 12

Quem gosta de estar cercado por história, envolvido em um local que tem muito para contar e desvendar, Aracati é o lugar certo. A cidade é um município museu tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, com a intenção de preservar o casario antigo, as igrejas, as praças e outros monumentos de relevância histórica, como a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, datada de 1785, a Igreja Nosso Senhor do Bonfim, de 1774, antiga catedral da cidade, e também o sobrado do Barão de Aracati, que hoje, funciona como o Museu Jaguaribano, um local que conta ao visitante sobre o tempo áureo desta terra tão distinta.

Aracati também reserva belezas naturais que fascinam a começar pelas belas e internacionalmente conhecidas praias de Majorlândia e Canoa Quebrada. Além destas, destaca-se ainda o rio Jaguaribe que passa ao lado da cidade, formando um cenário de belezas encantadoras.

História & Cultura

A ocupação de Aracati teve início com o funcionamento das Oficinas ou Chaqueadas do Ceará, que foram responsáveis por possibilitar a competitividade da pecuária no Estado, tendo em vista os privilégios da Zona da Mata pernambucana com a cultura canavieira.

possibilidade de abate e conservação da carne, através do charque, foi a principal responsável pela ocupação e desenvolvimento das terras do Ceará. Por volta de 1740 já existiam Oficinas em Aracati, inicialmente no pequeno arraial de São José dos Barcos, depois elevada à categoria de Vila com o nome de Santa Cruz do Aracati, hoje cidade do Aracati.O comércio de carne e couro atraía abastados senhores de locais diversos, Aracati manteve-se por longo tempo como localidade de maior influência de formação econômica, social e política do povo cearense.

Originalmente deu-se a um forte o nome de São Lourenço. Erguido, no dia 10 de agosto de 1603 às margens do rio Jaguaribe, no correr das batalhas de Pero Coelho de Souza contra os franceses que haviam invadido o Maranhão, na foz do Jaguaribe, a sua permanência deu a origem do povoado, São José do Porto dos Barcos. Com o crescimento do povoado, no local em 1714 foi erguida uma capela, e em 1743 foi instalado um juizo e tabelião local.

Já no fins do século XVIII Aracati se transformara, juntamente com as vilas de São Bernardo das Russas e Icó, na praça de negócios mais desenvolvida do Ceará. Em 10 de fevereiro de 1748 foi elevada a categoria de vila, no mesmo ano foi erguido um pelourinho e empossada a Câmara. Em 1770 foram erguidas a Casa da Câmara e a Cadeia, na rua do Comércio, antiga rua das Flores. 

Em 1779 Aracati contava com cerca de 2 mil pessoas, cinco ruas e muitos sobrados e mais de setenta lojas. Em 1829 foi apresentada na Assembléia Geral do Ceará uma proposta que pretendia transferir a sede do Governo da Capitania para a Vila de Aracati, mas foi rejeitada. Em 1842 a Vila foi elevada a condição de cidade, pela Lei Provincial 244.

Em 1814, durante a Confederação do Equador, a vila de Aracati tornou-se palco de um dos acontecimentos marcantes da história do Nordeste Brasileiro, Tristão Gonçalves chefiou tropas rebeldes que atacaram e arruinaram a localidade, permanecendo no local por uma semana. Aracati sofreu com as inundações do rio Jaguaribe, hoje controladas com a construção de um dique.

Foi reconstruída ao lado direito e de costas para o rio Jaguaribe para que os ventos levassem para longe os odores dos locais de abate do gado, esta conformação urbana permanece até os dias de hoje, resultando em uma falta de integração da cidade com o rio responsável por seu surgimento.

Como chegar

De Carro:

Pela CE-040 ou BR-116 partindo de Fortaleza.

veja também