Arcos da Lapa são redescobertos em restauração no Rio

Arcos da Lapa são redescobertos em restauração no Rio

Atualizado: Quarta-feira, 30 Março de 2011 as 11:32

Os arcos da Lapa, no centro do Rio, nasceram como aqueduto, mas passaram a sustentar a passagem de bondes. Tornados ponto turístico, sofreram com a depredação. Mas somente após 261 anos descobriu-se de que é feita a construção.

A primeira etapa da restauração, concluída ontem, fez a análise estrutural e a recomposição da alvenaria e da pintura original. Foi feito também o primeiro cadastro arquitetônico dos arcos, elaborando plantas em diferentes ângulos.

"Ninguém sabia qual era o material construtivo dos arcos. Olhando, parece que ele é todo regular, mas não é. É algo orgânico. Tem várias curvas pequenas. Todo esse detalhamento foi feito", disse Marcos Soares, coordenador do trabalho, executado pela empresa CEP 28. O serviço foi fiscalizado pelo Iphan.

Além do detalhamento das curvas, concluiu-se que a estrutura original é composta de pedra, areia e cal.

As manutenções feitas ao longo dos anos, porém, não respeitaram as características iniciais, e até cimento foi utilizado para recompor a obra. A restauração recuperou o formato original com argamassa de cal.

As obras levaram dez meses e custaram R$ 1,2 milhão, captados pela Lei Rouanet. No total foram usadas 12 toneladas de argamassa de cal e 4 toneladas de cal.

O Carnaval, porém, mostrou que o trabalho não termina. Durante a passagem de blocos, foliões voltaram a urinar no monumento e a pichá-lo. Para Soares, o maior desafio é a manutenção.

O primeiro nome da construção, erguida em 1750, foi Aqueduto Carioca, já que era usado para escoar água do rio homônimo para a cidade. Desde 1896, é usado como via para a passagem do bonde de Santa Teresa.

veja também