Bahia e Argentina estão entre opções mais baratas para viajar no réveillon

Bahia e Argentina estão entre opções mais baratas para viajar no réveillon

Atualizado: Quarta-feira, 2 Dezembro de 2009 as 12

Falta pouco para chegar 2010, mas quem ainda não definiu a viagem para o réveillon pode conseguir pacotes para a virada do ano. Os turistas de última hora vão encontrar menos opções e preços mais altos. No entanto, ainda há algumas "pechinchas", e, na maioria dos casos, os valores podem ser parcelados.

No litoral brasileiro, o destino disponível mais citado pelas agências ouvidas pelo G1 é a Bahia, principalmente Salvador. Já para quem pretende carimbar o passaporte, a Argentina está entre as opções mais baratas. Ainda é possível brindar embaixo da Torre Eiffel, mas, para isso, é preciso desembolsar ao menos US$ 1.441. Quem estiver disposto a pagar mais poderá passar o Ano Novo em Nova York, Miami, Dubai ou África do Sul.

Em muitas agências, as vendas de pacotes estão em contagem regressiva. O presidente da Decolar, Alípio Camanzano, alerta: "Em uma semana, não vai mais ter coisa boa, com promoção e preço bom. Sempre vai ter aquele que vai para o Rio de Janeiro e vai pagar R$ 3 mil, vai para Nova York por R$ 8 mil. Mas para quem queria pagar R$ 1,5 mil, R$ 2 mil não vai ter mais [pacotes] porque as pessoas estão se movimentando e comprando tudo o que tem", diz.

Mendoza e Nordeste

Para Camanzano, os melhores pacotes, no momento, são para Mendoza, na Argentina, Fortaleza, Salvador e Porto de Galinhas, em Pernambuco. Ele explica que essas opções estão mais baratas porque são em quartos duplos ou triplos.

Quem quiser degustar os vinhos de Mendoza, por exemplo, paga US$ 1.375 por passagem aérea e cinco noites de hospedagem em quarto duplo. Para Fortaleza, Salvador e Porto de Galinhas, os pacotes são de sete noites, em quartos triplos. Para a capital do Ceará, o pacote custa R$ 2.107 por pessoa. Pelo mesmo período, a viagem para Salvador sai por R$ 2.030. Pular ondinhas em Porto de Galinhas custa R$ 3.718.

A TAM Viagens ainda possui pacotes para Fernando de Noronha. São sete noites, passagem aérea de ida e volta e traslado a partir de R$ 3.890, com saída no dia 26 de dezembro. O pacote para Paris é vendido a partir de US$ 1.799 (seis noites), com saída no dia 29 de dezembro, e o pacote para Miami (cinco noites) custa US$ 2.323.  

De avião, navio ou ônibus

Na CVC, o pacote para Porto Seguro é vendido a partir de R$ 1.738. Para Ilhéus, há opções a partir de R$ 1.288. Quem quiser fugir das praias pode passar oito dias em Gramado por R$ 2.278. Já o consumidor que preferir viajar de ônibus pode visitar as cidades históricas mineiras. O pacote de cinco dias custa a partir de R$ 848 e pode ser parcelado em até dez vezes.

Teve uma procura muito grande de resorts no Nordeste. O internacional vendeu com muita antecedência. Quem comprou em agosto e setembro pagou 20% a menos, principalmente em pacotes para resorts

Na operadora, ainda há opções para Buenos Aires (a partir de US$ 948, por quatro noites) e para destinos mais caros, como Dubai (a partir de US$ 4.778, por sete noites) e África do Sul (a partir de US$ 3.568, por sete noites). O pacote de seis noites em Nova York sai por US$ 2.588, com saída em 28 de dezembro, e por 1.448 euros para Paris (seis noites), com saída no dia 25 de dezembro.

Na Agaxtur, o pacote para Buenos Aires é vendido a partir de US$ 502 (três noites). Quem quiser viajar para Santiago, no Chile, paga ao menos US$ 965. É possível ainda visitar Dubai (a partir de US$ 3.902), Ilha da Madeira (a partir de US$ 1.838) e Paris (a partir de US$ 1.441).

A Costa Cruzeiros tem opções a partir de US$ 1.289 por pessoa saindo do Rio de Janeiro, passando por Ilhabela, Punta del Este, Buenos Aires e Angra dos Reis.

'Melhor custo-benefício'

Para a gerente de produtos nacionais da Intravel, Marina Paiva, o melhor "custo-benefício" em viagem para o litoral brasileiro é Salvador. O pacote, com voo saindo de São Paulo, sete noites de hospedagem com café da manhã e traslado, inclui ainda ingresso para a festa da virada com a cantora Ivete Sangalo = tudo a partir de R$ 1.310.

"Você consegue ir para um destino do Nordeste e pegar uma festa de réveillon agitada. Acho que, pelo custo-benefício, para quem não quer gastar muito, é a melhor opção", diz.

Na Luxtravel, a venda de pacotes para o réveillon está quase acabando. Adivinha para onde são os últimos lugares? "Tenho um voo pra Recife, outro pra Fortaleza e um para Salvador embarcando dia 26 e 27", diz Flávio Louro, diretor-geral da empresa.

Segundo ele, cada voo ainda tinha cerca de dez lugares na tarde desta terça-feira, 1º de dezembro. "Teve uma procura muito grande de resorts no Nordeste. O internacional vendeu com muita antecedência. (...) Quem comprou em agosto e setembro pagou 20% a menos, principalmente em pacotes para resorts", explica.

Mudar de opção ou esperar?

Quem não encontrou pacotes para onde pretendia passar o réveillon tem duas saídas: mudar de opção ou esperar. "Hoje não tem nada confirmando de imediato, já está tudo praticamente lotado. Estamos tendo até lista de espera para o carnaval", diz Carlos Torralbo, gerente de relacionamento da Flytour.

Segundo ele, o mercado não esperava um aquecimento tão grande das vendas devido à crise mundial e aos casos de gripe A.

"O que vai acontecer agora: vão fechar todos os pacotes que têm, verificar o rescaldo e aí vão começar a colocar alguns lugares extras. Por exemplo, um hotel está com disponibilidade e aí conversa com a companhia área pra ver se faz alguma coisa [colocar um voo extra para a cidade, por exemplo]. É tudo questão de analisar se vale a pena ou não", conta.  

Rescaldo

Para o consumidor, no entanto, a estratégia de esperar e ver o que vai sobrar pode ser arriscada e acabar em frustração, avisa Jarbas Correa Júnior, diretor comercial da Agaxtur.

"Quando o cliente nos diz, por exemplo, que gostaria de passar o réveillon em Nova York, já temos a percepção de que, se abrir, vai ser um lugar ou dois em um voo devido a um cancelamento de última hora. Então, preferimos não criar essa expectativa do que deixar o cliente com aquela angústia e ele acabar ficando sem viajar."

Segundo Correa Júnior, as possibilidades de voos extras são para destinos curtos, como Buenos Aires. "Não adianta pensar em destinos longos. Por exemplo, os Estados Unidos tiveram uma repercussão excepcional, com réveillon na Disney e em Nova York, mas nós não temos tempo e as aeronaves não têm autonomia de espaço para voar até Miami e Orlando, retornar e assumir sua rota normal no Brasil."

veja também