Buenos Aires é chique e continua muito barata

Buenos Aires é chique e continua muito barata

Atualizado: Terça-feira, 9 Fevereiro de 2010 as 12

Para muitos, Buenos Aires é a cidade mais europeia do Hemisfério Sul, em muito semelhante a capitais como Paris, Madri e Roma. Sua intensa vida cultural, a arquitetura belíssima e as excelentes opções de restaurantes e lazer fazem da capital argentina um destino preferido por muitos brasileiros que querem conhecer uma megalópole viva, culta e, principalmente, barata. Com efeito: pode-se descobrir os atrativos portenhos por pouco dinheiro.

Ultimamente, os preços das passagens de avião têm sido bem em conta. Nos meses de dezembro e janeiro, Gol e TAM estão vendendo passagens aéreas na faixa de R$ 500 (Gol ida e volta = 486,90) até R$ 1,1 mil (TAM ida e volta = 1.135,50). O parcelamento é praxe - vale conferir no site das companhias, ou na agência de viagens. Mas avião não é a única opção. Separada por cerca de 1,7 mil quilômetros de São Paulo, é possível chegar lá tranquilamente por ônibus. A empresa Pluma oferece pacotes a partir R$ 500 ida e volta. E vale lembrar que no quesito conforto, alguns ônibus estão em pé de igualdade com a classe executiva das aeronaves.

E se a passagem é em conta, a cidade ainda ajuda. A desvalorização do peso argentino para o real torna Buenos Aires uma cidade extremamente acessível: um real equivale a 2,1 pesos argentinos. Bons restaurantes podem ser encontrados por excelentes preços. Os táxis saem bem baratos e é possível fazer comprinhas com moderação. E vale lembrar que uma boa parte das atrações portenhas pode ser feita de graça.

Por exemplo: quem deseja conhecer o centro histórico e político da capital deve andar pelos arredores da Plaza de Mayo. Lá se encontra a Casa Rosada, sede do pode executivo do país, a Igreja, a Catedral Metropolitana de Buenos Aires, o edifício do Governo da cidade de Buenos Aires, e a casa central do Banco da Argentina, o Banco Nación. Isso ainda fica próximo do Cabildo, epicentro da Revolução de Maio de 1810. Sabe-se que os portenhos são politizados e gostam de se manifestar quando alguma coisa os desagrada, por isso não se surpreenda se, quando você for lá, estiver acontecendo alguma passeata ou manifestação.

Buenos Aires possui um excelente transporte público. Um dos mais antigos do mundo, o metrô cobre vários dos pontos de interesse da cidade, mas nada se compara a caminhar. A beleza da cidade é um convite para vivenciar o seu centro político-social. Da Praça de Maio, vá andando até o famoso Obelisco, que é considerado o ponto zero da cidade e também não deixe da visitar a grandiosidade do prédio do Congresso. Se desejar um pouco de sossego e natureza, Palermo oferece excelentes parques e jardins.

O Jardim Japonês é marca da forte presença da colônia oriental. Lá se encontram bonsais, belas plantas, flores e lagos artificiais com carpas vindas do Japão. Outra opção é o Parque 3 de Febrero, área verde planejada pelo paisagista francês Carlos Thays. Comporta esculturas, jardins e um fantástico espelho d'água. Além disso, em Palermo estão o Rosedal, o Jardim Zoológico e o Jardim Botânico. Todos eles oferecem caminhadas memoráveis.

Ainda sem gastar muito dinheiro, um passeio interessante é visitar as feiras da cidade. A mais turística é a que ocorre em San Telmo nos domingos. Esse boêmio bairro portenho recebe na Praça Dorrego diversas barraquinhas vendendo antiguidades, artistas buscando um troco e muito tango.

Só que se desejar sair do "oba-oba" turista, a Feira des Mataderos é a melhor pedida. Um pouco afastada do centro de Buenos Aires, chega-se a uma autêntica feira de gaúchos, os cowboys sul-americanos. Alegram-se com a zamba, dança típica da região, mas também há música folk argentina ao vivo e, claro, a típica cozinha argentina: excelentes churrascos, choripan e empanadas baratas. A Carrera de Sortija, ou Corrida pelo Anel, é uma atração à parte. Nela, os gaúchos em seus cavalos competem para acertar um pequeno anel que fica suspenso no ar. Aquele que conseguir obterá a consagração de toda a comunidade.

Buenos Aires, cidade de Jorge Luiz Borges, é famosa pelas livrarias. Próxima do cruzamento das famosas avenidas Santa Fé e Callao fica a El Ateneo, uma das mais bonitas do mundo. É um excelente espaço de refúgio: pode-se tranquilamente pedir um café e ficar lendo a vasta coleção de livros. E claro, não deixe de frequentar pelo menos uma casa da tango. Duas boas pedidas para sair do eixo "para gringo ver" é visitar o Café Ideal e Salon Canning. Além disso, o Teatro Colón, a principal referência latino-americana em operas líricas, é parada obrigatória.

Outro ponto chave da cidade é a bairro La Boca. Bairro onde se instalavam os imigrantes italianos, essa que foi uma área pobre de Buenos Aires, hoje abriga o Caminito, uma restauração que remonta o passado do bairro com casas construídas com chapas de metal e tábuas de madeira pintadas com muitas cores (originalmente, da tinta que sobrava dos barcos, que os trabalhadores pintavam no porto local), assim como havia nos tempos dos imigrantes. Além disso, para os fanáticos por futebol, uma vista a La Bombonera, estádio do mítico Boca Juniors é imperdível. Lá pode se conhecer a história deste time que disputa com o Milan o páreo do mais vitorioso do planeta.

Os últimos dois bairros a serem citados são Puerto Madero e a Recoleta. O primeiro corresponde à zona portuária reformada que hoje representa a parte moderna da cidade. Os restaurantes nas redondezas são considerados caros e chiques, mas é válido um passeio pela área dos diques. Já a Recoleta lembra muito Paris. Trata-se de um bairro elegante com muitos cafés e restaurantes. Uma boa pedida é visitar o cemitério do bairro, um dos mais bonitos do mundo. Em suas tumbas estão enterrados muitos membros da pretensa aristocracia portenha, junto com celebridades populares como Evita Perón e Carlos Gardel.

Por fim, não poderíamos deixar de passar pela gastronomia argentina. Alguns restaurantes possuem preços bem acessíveis, deliciosas refeições e ótimos preços de vinhos. Algumas dicas de restaurante de parilla são La Dorita (calle Humboldt, 1911 - Palermo Viejo), Chiquilin (esquina da calle Sarmiento com a Montevideo, no Centro) e Don Julio Rua (Guatemala 4691, Palermo Viejo). Porém, se desejar apenas um lance, as empanadas e o locro (uma feijoada branca) de El Sanjuanino (Posadas 1515, Recoleta). Se o estômago pedir pizza Las cuartetas (Calle Corrientes 838), La americana (Calle Callao com Calle Bartolomé Mitre) La Continental (Defensa 701, San Telmo) e, sobretudo, El Cuartito (Talcahuano entre Santa Fé e Marcelo T. de Alvear).

Agora, se quiser mesmo se divertir em Buenos Aires sem gastar um tostão, vai aí uma dica de ouro: com sua cara mais inocente e num portunhol carregado, pergunte a um portenho pela experiência de ter Maradona como técnico da Seleção. E prepare-se para ouvir uma longa lista de reclamações.

veja também