Caparaó (MG): a exuberância da Mata Atlântica e belas cachoeiras

Caparaó (MG): a exuberância da Mata Atlântica e belas cachoeiras

Atualizado: Segunda-feira, 25 Maio de 2009 as 12

O Parque Nacional do Caparaó, localizado entre os estados do Espírito Santo e Minas Gerais, possui 26.000 hectares de área, sendo 75% desta área no estado do Espírito Santo e foi criado em 1961.

Tem como maior atração o Pico da Bandeira, o 3º mais alto do país, com 2.889 metros de altitude. A exuberância da vegetação de Mata Atlântica e campos de altitude, além do clima da região, localizada na Serra do Caparaó, atrai anualmente vários turistas em busca de aventura e maior contato com esta natureza tão preservada. É um verdadeiro refúgio para algumas espécies da fauna brasileira, sobreviventes da ação predatória do homem, como: quatis, gambás, tatus, caxinguelês, pacas, cuícas e espécies em extinção como o mono-carvoeiro.  

Principais atrações

Tronqueira: a estrada para Tronqueira sobe a Serra do Caparaó costeando o lado mineiro e proporcionando um visual espetacular. Ao chegar, o visitante se deslumbra com a vegetação do local e a temperatura que cai consideravelmente. As maiores atrações são o mirante de onde é possível se avistar com clareza as cidades vizinhas e as inúmeras cachoeiras próximas à Tronqueira. É o principal acampamento do Parque Nacional do Caparaó, contando com completa infra-estrutura de camping e estacionamento. Em certas horas do dia, alguns animais silvestres vêm curiosos ao camping, como quatis, siriemas e aves-do-paraíso.

Terreirão: acampamento-base situado na exata metade da trilha que leva ao Pico da Bandeira, a 2370 metros de altitude. Local estratégico para os montanhistas, o Terreirão é uma pequena planície bem no meio de várias montanhas, sendo um ótimo local para descanso dos grupos que caminham em direção aos Picos da Bandeira e do Cristal. É no Terreirão que se encontra a famosa Casa de Pedra, abrigo rudimentar de pedras construído pelos zeladores do parque há muitos anos atrás. Conta a história que o Terreirão serviu de esconderijo para os guerrilheiros opositores do regime militar brasileiro, na década de 60, tendo sido eles os verdadeiros construtores da casa. Ela hoje constitui ponto de abrigo noturno para os caminhantes, pois as temperaturas no Terreirão à noite caem a 0ºC com facilidade. Além disso, a proximidade com a nascente do Rio José Pedro garante água para os montanhistas, sendo a última fonte de água da trilha; a partir daí, só se encontram pequenas fontes brotando do chão.  

Cachoeira Bonita: a maior cachoeira do parque, com 80 m de queda d’água, é um dos pontos mais visitados pelos turistas. Caminhando pela trilha, chega-se a um mirante, de onde pode se ter noção do tamanho imenso da cachoeira. Avista-se bem embaixo o lago que a queda d’água forma. Não muito longe, estão as gigantes piscinas naturais, algumas chegando a 20m de comprimento e de profundidade desconhecida. A Cachoeira Bonita reserva ainda uma outra opção, para os amantes do rapel. Sua cascata, que é composta de dois degraus, possui estrutura natural favorável à fixação de cordas e grampos, podendo ser descida pelo meio de sua queda d’água.

Vale Encantado: o Vale Encantado é uma região do Vale do Rio José Pedro, que recebe este nome devido à beleza de suas cachoeiras. Próximo do acampamento da Tronqueira, é um dos locais mais frequentados pelos turistas devido à grande quantidade de piscinas naturais do local.

Vale Verde: o local faz jus ao nome. Situado em uma região de altitude baixa em relação às demais do parque (1.200m), o Vale Verde na verdade é o Vale do Rio Caparaó, que nasce no sopé do Pico da Bandeira. De natureza exuberante, a mata é bastante densa e as cachoeiras muito volumosas, formando inúmeras piscinas naturais e paisagens maravilhosas. Abriga um acampamento situado à apenas 600 m da entrada do parque, que é o mais visitado pelos turistas devido ao seu fácil acesso. É dotado de áreas de camping, sanitários, estacionamento e áreas para piquenique.

Pico do Cristal: o 5º pico mais alto do Brasil, é vizinho ao Pico da Bandeira e tem esse nome devido às formações cristalinas de quartzo que se encontram ao longo da montanha. Do alto do Pico do Cristal, avista-se imponente o Pico da Bandeira, com seu característico abismo do lado dianteiro e do lado traseiro a suave parte da escalada.

Pico da Bandeira: atração principal do Parque Nacional do Caparaó, é o 3º mais alto do Brasil, com 2.889 m de altitude, ficando atrás do Pico da Neblina e do Pico 31 de Março. Do topo do pico, é possível se avistar várias cidades vizinhas do parque e, no inverno, o litoral da costa capixaba. O nome "Bandeira" vem do fato de que em 1859 o então Imperador D. Pedro II ordenou que fosse hasteada uma bandeira do Império para marcar o ponto mais alto do Brasil, como se acreditava na época. Essa idéia persistiu até a época do Governo Militar, quando foram erguidos um cruzeiro e uma torre de sinalização, para indicar a montanha mais alta do Brasil.

  Vale lembrar

Energia Elétrica: não há energia elétrica ou lanchonetes dentro do Parque Nacional do Caparaó. Você estará acampado da forma mais isolada possível! Portanto, leve consigo todo o equipamento de que for necessitar, como lanternas, lampiões, fogões e comida, além de medicamentos que possa precisar. 

Natureza: colabore com os guias florestais do Ibama e com a natureza, evitando acender fogueiras ou deixar lixo para trás. Inúmeras lixeiras estão distribuídas ao longo do Parque Nacional do Caparaó. Procure também deixar a flora e a fauna da região do mesmo modo, ou melhor, que as encontrou.

Nascer do sol: caso seja possível, suba a trilha do Pico da Bandeira à noite, saindo da Tronqueira por volta das 0:00 h. Assim, chegará ao topo do Pico da Bandeira aproximadamente às 5:30 h, de onde se pode presenciar o nascer do sol. Espetáculo inesquecível!

Trilhas: tome extremo cuidado ao andar por trilhas e cachoeiras da região. Em caso de acidente, o socorro pode demorar a chegar. Não se arrisque nas cachoeiras mais altas e pedras muito íngremes e escorregadias. Apenas encare as trilhas mais longas (principalmente a do Pico da Bandeira) com um guia experiente ao lado.

Bagagem: leve apenas o necessário, evitando excesso de peso. São recomendados agasalhos e calçados próprios para a prática do montanhismo.

veja também