Classe econômica oferece maiores riscos de contaminação pela nova gripe

Classe econômica oferece maiores riscos de contaminação pela nova gripe

Atualizado: Terça-feira, 12 Janeiro de 2010 as 12

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, apontam que fazer longas viagens na classe econômica não é apenas incômodo. O potencial de transmissão da nova gripe entre passageiros dessa classe nos aviões também é maior.

Mesmo que os passageiros permaneçam sentados durante o voo, a proximidade entre eles faz com que estejam expostos a maiores riscos do que os passageiros da primeira classe. Mais, quanto mais demorada for a viagem, maior é o número de pessoas que podem se contaminar.

Na primeira classe, em uma viagem de cinco horas, a probabilidade de contaminações ao final do voo é de zero a um passageiro. Para uma viagem de onze horas a probabilidade sobe para de um a três passageiros. E chega a de dois a cinco quando a viagem tem duração de 17 horas.

Risco maior

Para os mesmos tempos de voo na classe econômica os resultados são bem diferentes. Em uma viagem de cinco horas, a probabilidade é de duas a cinco contaminações.

Quando o voo é de onze horas, o esperado é que entre cinco e dez passageiros se contaminem. A probabilidade cresce muito quando o voo considerado tem duração de 17 horas. Nesse caso, de acordo com o estudo, entre 7 e 17 pessoas podem chegar a seus destinos com a nova gripe.

A única probabilidade de a primeira classe oferecer mais riscos aos viajantes é quando ela está lotada e a classe econômica tem menos de 30% de suas poltronas ocupadas. Isso para um voo de 17 horas.

Os autores da pesquisa apontam que acompanhar os viajantes da classe econômica após o voo pode ser uma importante medida para reduzir as contaminações pela nova gripe.

veja também