Com 50 anos, parque da Tijuca oferece circuito de atrações

Com 50 anos, parque da Tijuca oferece circuito de atrações

Atualizado: Segunda-feira, 4 Julho de 2011 as 10:21

O parque da Tijuca comemora 50 anos de fundação na próxima quarta-feira (6), celebração que chama ainda mais atenção para o parque nacional mais visitado do país. Lá, o turista é recebido por uma espécie de circuito com diversas atrações.

O visitante (motorizado ou de bicicleta) pode começar seu passeio pelo setor Serra da Carioca, o mais próximo de outros destinos da zona sul do Rio e vizinho da lagoa Rodrigo de Freitas.

Esse é o maior dos três setores do parque abertos à visitação, que também dá acesso ao Cristo Redentor, sobre o morro do Corcovado.

No mirante Dona Marta, é possível ver a estátua de frente -ali existe também um heliponto. Logo adiante, saindo do local pela estrada, há acesso ao Cristo, que completa 80 anos em 12 de outubro.

Seguindo a estradinha, o turista passa por paineiras e pelos mirantes do Andaime Pequeno e da Bela Vista, onde podem ser vistas a mata sobre morros e a cidade.   CASCATINHA

Depois de um trecho urbano fora do parque, o turista chega ao portão do setor Floresta da Tijuca.

Lá dentro, logo vai encontrar a cascatinha Taunay. Seu nome homenageia o pintor Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830), membro da missão artística francesa. Veio ao Brasil em 1816 e chegou a morar junto ao local.

Hoje, há ali uma placa da companhia estadual de águas e esgotos que avisa: "Proibido tomar banho - água de consumo humano".

Em seguida, o visitante pode apreciar a capela Mayrink, famosa por ter sido palco do casamento da cantora Elis Regina. As missas na capela cor-de-rosa são celebradas no primeiro domingo de cada mês. Ela abre das 14h às 16h para visitação diária.

A capela leva o nome do seu último dono antes da desapropriação, em 1897, do terreno onde está localizada --originalmente, uma fazenda.

A próxima parada é o centro de visitantes. O nome soa burocrático, mas o local guarda uma criativa exposição, inaugurada em julho de 2010 --um ano antes de o centro completar dez anos.

Há ali uma maquete interativa do parque, em que luzes se acendem para indicar cada atração, conforme o visitante pressiona botões.

Não deixe de reparar, na entrada do local, em uma estátua em homenagem aos escravos que trabalharam no replantio da floresta.

Depois do ponto de onde sai a trilha ao pico da Tijuca, o setor Floresta termina com o lago das Fadas e o açude da Solidão, cujo nome lembra o barão do Bom Retiro (1818-1886), que chorava a morte do filho na Guerra do Paraguai (1864-1870).     MESA E PAGODE

Retorne ao setor Serra da Carioca pela estrada da Vista Chinesa, onde bambus se curvam sobre o visitante. Sua ladeira é aproveitada para competições radicais, como de skate e de bicicleta. Entre duas palmeiras, conheça a mesa do Imperador. De pedra, servia para refeições da família real, em um ponto de onde se vê uma bela paisagem do Rio.

Mas não se demore tanto aí: logo adiante, está o mirante Vista Chinesa, que merece um bom tempo de contemplação. De lá, avista-se o Cristo, o Pão de Açúcar, a baía de Guanabara, a lagoa Rodrigo de Freitas, Ipanema e o morro dos Dois Irmãos.

Como homenagem aos imigrantes chineses, há lá um pagode, estrutura de inspiração religiosa que lembra um coreto. Ele apareceu na animação "Rio": foi onde o casal de araras do filme subiu para dormir após a fuga.

O terceiro setor, onde há a Rampa de Voo Livre, é famoso por ser o ponto dos amantes de asa-delta. Na trilha da Pedra Bonita, a subida é mais leve, mas cansativa, e pode levar 45 minutos. A Pedra da Gávea exige muito mais preparo físico. É onde está um rosto esculpido provavelmente por formação natural.    

veja também