Confira roteiro para conhecer Berlim de bicicleta

Confira roteiro para conhecer Berlim de bicicleta

Atualizado: Segunda-feira, 15 Março de 2010 as 12

Metrópole onde vivem 4,5 milhões de pessoas, Berlim é plana e, como Paris e Amsterdã, o aluguel de bicicletas por lá é comum. Se o frio deixar, tire o dia para pedalar, pagando pelo aluguel 12 euros por dia (24 horas). A Alemanha é o país europeu com a mais ciclovias -e Berlim, em frenética revitalização urbana, não foge à regra. Pesquise informações e mapas de ruas ("strasse") nos sites Visite a Alemanha, Information Berlin e Berlin Tourist Information.

Qualquer que seja sua rota ciclística ou pedonal, não deixe de ver o Portão de Brandemburgo (1795) e, ao lado, o Parlamento/Reichstag, revitalizado com a adição de cúpula projetada pelo inglês Normam Foster, 74.

Deixando o portão, siga a Eberstrasse até o Memorial do Holocausto. São 2.711 blocos de concreto de várias alturas, que formam um labirinto alusivo ao terror do extermínio de seis milhões de judeus na Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Saindo do centro de informações, siga pela Gertrud-Kolmarstrasse uns 200 m até ver o painel na calçada, à esquerda na rua, a planta do bunker onde o ditador nazista Adolf Hitler (1889-1945) passou os últimos dias de sua vida, até cometer suicídio. Não há nada a ser visitado, só a placa, mas o local suscita no passeante a reflexão sobre o horror das guerras. Vire à esquerda na Vosstrasse e à direita na Wilhelmstrasse.

Bem próximo ao painel está a mostra "Topografia do Terror". É no quarteirão onde há um pedaço do que restou do muro de Berlim que, construído em 1961, ruiu há 20 anos, em 9 de novembro de 2010, quando a cidade foi reunificada.

A exposição, a céu aberto, é apavorante. A história do Holocausto é contada por meio de painéis. Parte dos prédios erguidos na área foi destruída na Segunda Guerra -e o que restou do sítio imposto pelo exército russo no final do conflito mundial foi demolido. Hoje, o quarteirão é um terreno plano, de terra batida. Há um prédio que está sendo construído para ser um centro de documentos.

Depois, dali, siga até pela Zimmerstrasse até a Friedrichstrasse e logo vai ver o museu Mauer, no Checkpoint Charlie -fica a menos de 700 metros da "Topografia do Terror". Outro ponto histórico de Berlim de dar arrepio pela carga história que carrega. Na área havia um posto de controle -ou ponto de checagem- entre os lados da cidade dividida pelos soviéticos. No museu, histórias das tentativas -muitas sem sucesso- de cruzar a barreira para o lado ocidental, desde a sua criação, em 1961, até a sua queda, em 1989.

Ao sair do Checkpoint Charlie, continue no sentido sul pela Friedrichstrasse. Vire à esquerda na ETA Hoffmann Promenade e, chegando a Lindenstrasse, entre no Museu Judaico, projeto de Daniel Liebskind, 63, filho de judeus poloneses sobreviventes do Holocausto que se naturalizou norte-americano em 1965, mas vive em Berlim desde 1989. Já de fora dá para sentir a carga histórica. A fachada tem janelas diminutas e a estrutura é metálica. Dentro, veja Torre do Holocausto. É impossível não sentir o sufoco. A sala de 25 m de altura simboliza as câmaras de gás onde judeus foram exterminados. No alto, uma fresta deixa pouca luz entrar, e só é possível ouvir o barulho de fora, sem nada ver.

Mesmo no Museu Judaico, há uma árvore de plástico onde os visitantes podem colocar papéis com os desejos. Continuando na exposição, há espaços que vão contando a história dos judeus-alemães antes dos horrores do Holocausto promovido na era nazi-fascista.

Novos caminhos

Para desvelar outros períodos dessa metrópole marcada pela história, vá à praça Potsdamer e ao centro de entretenimento pós-moderno Sony Center, onde há mostras dedicadas à TV, lojas, cinema Imax é bons restaurantes típicos. E, se tiver fome de ver antiguidades inimagináveis, reserve horas para o museu Pergamon, com objetos e ruínas gregas, romanas, islâmicas e a própria estrutura original, de 120 d.C., do portão de Mileto, cidade romana da Ásia Menor.

Museu judaico

Lindenstrabe, 9-14; domingo a terça, das 11h às 17h45; quinta (11h-20h); sexta (11h-16h); sábado (11h-17h45); fecha às quartas; 5

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também