Conheça a Ilha de Páscoa antes que ela suma do mapa

Conheça a Ilha de Páscoa antes que ela suma do mapa

Atualizado: Sexta-feira, 28 Maio de 2010 as 3:45

Ali não há jornais todo dia, só quando chegam os voos do Chile, distante 3.700 quilômetros, duas ou três vezes por semana. Não há semáforos, nem engarrafamentos de trânsito, nem rodízio de carros, nem assaltos. A Ilha de Páscoa é também território livre de contaminação do ar. O nome originário da ilha, em idioma Rapa Nui, é Te Pito o Te Henua, e significa nada mais nem nada menos que "Umbigo do Mundo". De fato, os locais não gostam da palavra pasquense. Eles preferem o termo Rapa Nui e o usam para designar sua língua, a ilha, a si próprios, e a praticamente tudo o que envolve sua cultura. Falam da comida rapanui, da beleza rapanui, da terra rapanui ou deles mesmos, os rapanui.

Fala-se da energia e dos mistérios guardados neste triângulo de 23 quilômetros de comprimento na base, por 15 e 16 quilômetros de lado. Toda Rapa Nui cabe na metade da Ilha Bela. Grupos de místicos chegam até aqui para carregar as baterias, e a região inspirou dúzias de livros, filmes e até seitas religiosas.O primeiro a falar dos mistérios e da energia mística da cultura Rapa Nui foi o aventureiro e navegante norueguês Thor Heyerdalh, já falecido, no seu livro Aku Aku. Para descobrir as energias da ilha basta ir até o sitio de Te Pito Kura com uma bússola: no local há uma pedra quase redonda com mais de meio metro de diâmetro, que possui um magnetismo tão poderoso que a bússola simplesmente perde o rumo e gira sem norte. Outros pontos de energia, ou mana em língua rapanui são o ahu ou altar cerimonial dos sete moai de Akivi, a pedra oval de Tepito Kura, a caverna de Te Pahu, e um ponto específico no monte Terevaka, o mais alto da ilha.

Houve também teorias que defenderam a presença de extraterrestres na ilha num passado não tão distante. Isso explicaria a construção e o traslado das enormes figuras de pedra que há espalhadas por toda a ilha, os misteriosos moai. De fato, eles impressionam. Como, por quê e para quê foram erigidas essas 887 figuras? E como uma mole de pedra que pode pesar 80 toneladas e mais, percorreu distâncias de até 20 quilômetros sem sofrer nenhum atrito aparente?

O vulcão Rano Raraku foi o canteiro de obras onde os antigos Rapa Nui realizaram seu trabalho megalítico. De suas paredes saíram as figuras previamente esculpidas, e isso se percebe não só pelos espaços vazios mas principalmente pelos moai que ainda dormem em suas encostas. Talvez o visitante não fique tão impressionado ao passar ao lado do que há na trilha, mas é bom saber que eles estão enterrados e só vemos sua cabeça. Se quiser ter a visão real de uma figura inteira, há dois que devem ser visitados. O primeiro é um que está do lado direito do vulcão, ainda sem ser arrancado da rocha. O outro, e mais famoso, é o gigante que dorme na encosta leste a poucos metros do anterior, caminhando à esquerda. Tem 23 metros de comprimento, e seu peso é estimado em 400 toneladas.

Os moai estão geralmente instalados em plataformas de pedra, e esse conjunto arquitetônico leva o nome de ahu. Há dois que merecem uma visita. O maior de todos é o ahu Tongariki, com 15 estátuas, no setor leste da ilha. Ele foi recentemente reconstruído com muito trabalho e a ajuda inestimável de um guindaste poderosíssimo. As figuras tombaram depois de que um tsunami, ocorrido o 22 de maio de 1960, passara pela ilha com ondas de 12 metros. Ele foi produzido pelo maior terremoto-maremoto que houve no Chile, considerado a maior cataclismo na história recente da Terra. Vendo hoje essas imensas estatuas em pé, dá para imaginar o poder da onda que varreu o lugar nesse dia de maio. Outro ahu interessante é o de Akivi, com cabalísticos sete moai. Dizem que ele possui muita energia e, além desse lado místico-energético, é o único que tem as figuras olhando para o mar.

Depois de se maravilhar com as figuras de pedra, é bom descobrir os outros atrativos da ilha. A cratera do vulcão Rano Kau é o lugar mais impressionante, com seu 1,5 quilômetro de diâmetro e seus 200 metros de profundidade. No fundo há centos de lagoas de água doce. No extremo sudoeste da cratera e numa estreitíssima planície se encontra a aldeia cerimonial de Orongo. Conta-se que Thor Heyerdalh descobriu em Orongo um observatório solar, que marca com precisão os equinócios de inverno e verão.

Merecem uma visita as praias de Anakena ou Ovahe, as únicas de Rapa Nui. A primeira é maior, com areia fina e branca, águas tranquilas, cristalinas e ligeiramente mornas. A pequena baia está protegida por coqueiros e há uma área de piquenique, com mesas e banheiros. É um bom lugar para passar a tarde e, mesmo em alta temporada, a praia nunca fica cheia. Já Ovahe deve ser visitada bem cedinho de manhã, porque o sol bate bem até meio-dia. Depois, a alta parede de rocha vermelha que protege suas costas faz sombra e a pequena prainha perde grande parte de seu encanto. Suas areias são cor de rosa e não é aconselhável tomar banho alem das ondas, por causa da forte ressaca e das muitas rochas ocultas embaixo d´agua. Ovahe vale pelo seu visual.

Um outro ponto para não se perder é a paisagem em 360 graus do Pacifico que permite o monte Terevaka, o mais alto da ilha. Tem-se a impressão de perceber a curvatura da Terra. Chega-se num jeep 4x4: o caminho é tortuoso , mas vale a pena ir até lá. Dentro dos passeios obrigatórios está o por do sol visto desde o ahu Tahai, perto do povoado de Hanga Roa.

Agência Andrés Bruzzone Comunicação

veja também