Conheça Bonito no MS

Conheça Bonito no MS

Atualizado: Sexta-feira, 10 Julho de 2009 as 12

Bonito seria uma pacata cidadezinha do interior se, em meados dos anos 70, o peão de uma fazenda não tivesse descoberto um buraco no chão. Dentro do buraco de 72 metros de profundidade - batizado de abismo Anhumas - havia um imenso lago de águas cristalinas tomado por estalactites. Aos poucos, o tal buraco, a encantadora gruta da Lagoa Azul, as cachoeiras e os rios incrivelmente transparentes e repletos de peixes coloridos ganharam fama e infra-estrutura turística, tornando a região, na década de 90, uma espécie de Disney ecológica. Cavernas e quedas d´água transformaram-se em pano de fundo para a prática do rapel; as matas foram cortadas por trilhas planejadas e circuitos de arvorismo; e os rios - verdadeiros aquários naturais graças ao calcário das rochas que contornam os leitos - viraram cenários para mergulhos autônomos e livres. E assim deverá continuar para sempre.

Exemplar no quesito turismo sustentável, Bonito faz bonito quando o assunto é preservação e exploração da natureza de maneira responsável. Por questões ambientais, os passeios que levam a cachoeiras, grutas, trilhas e nascentes são obrigatoriamente acompanhados por guias locais credenciados. Sem eles, é impossível curtir os atrativos - muitos recebem um número limitado de visitantes por dia e ficam dentro de propriedades particulares, sendo fundamental fazer reservas com antecedência nas agências da cidade. A rígida fiscalização proibiu, por exemplo, o rapel no Buraco das Araras - o interior da fenda é abrigo de aves diversas -, além de uma séria de outras atividades, como a pesca nos rios da região. Todo o esforço é válido para conservar as belezas que tanta fama garantem ao lugar.

E, por mais que a água seja fria, não há como se esquivar da flutuação, uma espécie de mergulho livre. Equipado com máscara, snorkel, roupas e botas de neoprene, basta soltar o corpo que a correnteza e a natureza se encarregam do resto: apresentar as magníficas e coloridas flora e fauna dos rios, que por tanto tempo ficaram isoladas pelo anonimato.

O que ver e fazer

Flutuação

Nadar nos rios da região é como mergulhar em um aquário, tamanha a visibilidade que alcança dezenas de metros. A sensação é garantida graças à composição puramente calcária das rochas onde nascem os rios. A correnteza suave, que não carrega barro ou terra, conduz os visitantes à flutuação sobre graúdos dourados, pintados e piraputangas. Basta colocar uma máscara e um snorkel para confirmar que Bonito é lindo até debaixo d´água. A atividade é praticada nos rios da Prata, Sucuri, Formoso e Baía Bonita (Aquário Natural).   

Gruta do Lago Azul O visual incrível da gruta reúne um lago cristalino de águas azuis com 90 metros de profundidade e 120 metros de largura; e rochas calcárias tomadas por estalactites e estalagmites. Para chegar até lá, vence-se com facilidade e emoção os quase 300 degraus de uma escadaria rústica. O tombamento como monumento natural, feito pelo Iphan em 1978, garantiu a preservação do principal cartão-postal de Bonito, que tem o número de visitantes diários rigorosamente controlado. A melhor época para visitação é entre dezembro e janeiro, pela manhã, quando o sol incide diretamente na entrada da gruta, tornando o azul da água ainda mais intenso.  

Rapel Um buraco no chão é a porta de entrada para o abismo Anhumas. São 72 metros de descida em meio a salões repletos de estalagmites de diversos tamanhos e formatos. Chegando no fundo, a dica é fazer snorkeling no imenso e transparente espelho d´água. A atividade é indicada para quem tem bom preparo físico - a volta é feita através da corda do rapel, exigindo força nas pernas. Não é preciso experiência, uma vez que há treinamento no dia anterior. Também na cachoeira da Boca da Onça tem emoção. A descida é feita em um paredão de 90 metros de rocha calcária que descortina vista para o rio e a mata nativa.

Mergulho Autônomo As grutas e as cavernas alagadas são os melhores pontos de mergulho em Bonito. O mais procurado é o abismo Anhumas, acessível depois do rapel de 72 metros. Lá embaixo, um imenso lago de águas cristalinas e 80 metros de profundidade abriga galerias e estalactites gigantes. Em Anhumas, a atividade autônoma é praticada apenas por credenciados - quem não tem experiência pode fazer snorkeling (semelhante à flutuação, usando máscara e snorkel). Já o batismo - mergulho de iniciantes - é realizado nos rios da Prata e Baía Formosa, também procurados por mergulhadores de carteirinha. Bonito é considerado o melhor lugar do Brasil para a prática da atividade em água doce.

Arvorismo A atividade é realizada na copa de árvores nativas como aroeira, bálsamo, ipê, figueira e peroba. O circuito de três quilômetros, repleto de obstáculos em meio a plataformas que chegam a 20 metros de altura, reúne tirolesa, ponte suspensa e falsa baiana.

Bóia cross A descida pelas corredeiras do rio Formosinho é feita em bóias individuais. Durante o percurso, de quase dois quilômetros, é possível observar os peixes e a flora da região.

Rafting no Rio Formoso O passeio de bote é uma boa pedida para quem gosta de adrenalina. São sete quilômetros de rafting, passando por cachoeiras e corredeiras, com paradas para banhos.

Trekking As caminhadas por trilhas pela mata nativa levam às dezenas de cachoeiras da região, como Boca da Onça, com 156 metros de queda. Ao longo dos percursos, a natureza exibe toda sua beleza e diversidade através da flora e da fauna - em meio às árvores observa-se bromélias, orquídeas, macacos, araras, tucanos... É também caminhando que se chega às nascentes dos rios onde é praticada a flutuação.

Balneário Municipal Freqüentado pelos moradores da região, o balneário é um bom local para mergulhar nas águas cristalinas do rio Formoso e nadar em meio aos coloridos peixes de diversos tamanhos. Mais próximo do Centro e com taxas em conta, oferece ainda quadra de vôlei de areia, campo de futebol de areia, lanchonete e aluguel de equipamento para mergulho.

Buraco das Araras Um mirante descortina vista panorâmica da gruta de 120 metros de profundidade e 160 metros de diâmetro. O interior, que teve o acesso interditado, é habitado por uma infinidade de araras vermelhas e papagaios. Das trilhas e do mirante é possível acompanhar o vôo das dezenas de aves coloridas.

Tempo e Quando ir A melhor época para apreciar a paisagem é no período de chuvas - entre dezembro e março -, quando a vegetação está verdinha, o nível dos rios mais alto e as cachoeiras, bastante caudalosas. No inverno, porém, apesar de os campos ficarem secos e as queimadas serem constantes, as águas ficam ainda mais claras, aumentando a visibilidade.

Na alta temporada (verão, julho e feriados) os preços praticados pelas pousadas, restaurantes e agências de turismo ficam bastante altos se comparados à baixa estação. Nos períodos mais concorridos, fazer reservas é fundamental para garantir lugar nos passeios - muitos atrativos têm número limitado de visitantes por dia.

Como Chegar De avião O aeroporto mais próximo é o de Campo Grande, a 310 quilômetros de Bonito

 De carro Partindo de Campo Grande, acesso pela BR-060, passando por Sidrolândia, Nioaque e Jardim

De ônibus As empresas Gontijo ( http://www.gontijo.com.br ), Motta ( http://www.motta.com.br ) e Andorinha ( http://www.andorinha.com ) têm ônibus partindo de diversas capitais do país com destino a Campo Grande. A viação Cruzeiro do Sul faz a linha Campo Grande-Bonito  

veja também