Conheça o Arizona além do Grand Canyon

Conheça o Arizona além do Grand Canyon

Atualizado: Quinta-feira, 15 Abril de 2010 as 12

O Grand Canyon é tido como uma das sete maravilhas do planeta, mas o Colorado também divide outras formas naturais esculpidas na paisagem com o sul de Utah e o Arizona.

Visitar o Grand Canyon, no entanto, dificilmente é uma experiência solitária, pois o parque nacional recebe 5 milhões de visitantes por ano. Mas existem formas para fugir do movimento da margem sul.

Uma é conhecer o lado oposto, a margem norte. Apesar das margens distarem 13 quilômetros em linha reta, a viagem por estrada percorre 350 quilômetros --e dura sete horas.

A margem norte é mais alta e a mais fria. Ela recebe só 10% dos visitantes do parque, mas a vista a partir dela é igualmente incrível. Ao contrário da margem sul, a norte fecha nos meses mais frios do inverno.

Quem planeja ir à margem sul de qualquer forma, e ainda assim busca um pouco de sossego, há um mirante mantido em segredo pela administração do parque: o Shoshone Point. Para chegar lá, caminha-se 1.500 metros desde a estrada que margeia o desfiladeiro.

Esse mirante é usado para cerimônias de casamento e eventos reservados, quando se pede ao visitante que respeite a privacidade e não tome a trilha caso haja muitos carros estacionados na discreta entrada.

Se o caminho estiver livre, há a possibilidade de observar o cair da tarde sozinho.

Seguir as principais trilhas cânion abaixo (e depois acima!) seja a pé ou de burro, é uma alternativa para quem tem bom preparo físico. As temperaturas no verão beiram o insuportável e o desnível do topo ao fundo é um perigoso obstáculo para os visitantes sedentários.

Como as hospedagens próximas ao cânion são poucas e mais caras, a dica é usar a cidadezinha de William, por onde se cruza um trecho remanescente da Rota 66, como base.

A região do Grand Canyon tem ainda outras áreas visitáveis. Entre elas, o mirante de Toroweep --um dos mais espetaculares, tem acesso difícil, por longas estradas de terra--; o Skywalk, passarela transparente construída há pouco; e, acima de todas, as cachoeiras de Havasupai, um éden em terras indígenas num afluente do Colorado, onde só se chega a pé ou de helicóptero.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também