Copa 2014 é tema de reunião na Rodada de Negócios da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil

Copa 2014 é tema de reunião na Rodada de Negócios da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil

Atualizado: Terça-feira, 22 Setembro de 2009 as 12

O ministro do turismo, Luiz Barretto, participou, na tarde da última segunda-feira, 21 de setembro, do evento ''Copa 2014 - Rodada de Negócios'', promovido pela Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil, em parceria com a Rede Globo de Televisão. O seminário reuniu empresários e autoridades da área econômica e esportiva para debater projetos de infraestrutura para o mundial de futebol.

Barretto iniciou o discurso citando as importantes demonstrações de solidez que o país deu ao mundo ao enfrentar a crise com medidas que evitaram, por exemplo, o aumento da taxa de desemprego. ''O Brasil está fortemente preparado para 2014'', declarou o ministro.

Ele também citou a importância de o presidente Lula ter criado o Ministério do Turismo (MTur) em 2003, impulsionando o crescimento do setor. ''Passamos de um orçamento de pouco mais de R$ 300 milhões para quase R$ 3 bilhões, o que é muito significativo'', declarou Barretto.

Segundo o ministro, a Copa de 2014 acelerará importantes investimentos no país na área de infraestrutura. O Ministério, que hoje conta com R$ 1 bilhão do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para o Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo, deverá ampliar em mais R$ 1 bilhão o orçamento para obras que garantam o sucesso do mundial.

Barretto também citou o grupo de trabalho junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que está discutindo a criação de uma linha de crédito para a reforma do parque hoteleiro.

''Estamos estudando prazos e garantias que permitam às pequenas e médias empresas receber financiamento. Também há a análise de uma linha para compra e reforma de hotéis. Queremos trabalhar de maneira a não ter elefantes brancos que não se sustentem depois da Copa'', declarou o ministro.

Além do presidente da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil, Manuel Tavares de Almeida Filho, participaram da mesa de abertura o ministro do Esporte, Orlando Silva, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, a diretora-geral da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Clementina Garrido, o presidente do Banco Espírito Santo e Vice-Presidente da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil, Ricardo Espírito Santo, o Diretor de Comunicação e Relações Institucionais da Vivo, Marcelo Alonso, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira, o senador Romeu Tuma, o embaixador de Portugal, João Salgueiro, o vice-presidente da Federação das Indústrias de São Paulo, Juan Queiroz, e o presidente da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (ABDIB), Paulo Godoy.

Este último tratou do diagnóstico realizado pela ABDIB, com o uso de software de coleta de informações, que mapeou projetos de infraestrutura atualmente realizados no Brasil, os que permanecem no papel, aqueles que já têm documentos adiantados como relatórios de impacto ambiental, etc.

O resultado do trabalho de mapeamento foi um documento de seis mil páginas enviado ao governo federal, a prefeitos das cidades interessadas e, ainda, uma versão simplificada, direcionada à população. ''Temos tempo, condições técnicas e empresariais para realizar uma grande Copa do Mundo. E temos, como sempre, um grande time de futebol'', declarou o representante da ABDIB.

Ricardo Teixeira lembrou que Portugal, com a experiência da Euro 2004, tem muito a contribuir com os preparativos para a Copa do Mundo e 2014. Citando o ''poderoso impacto social e econômico'' do evento, ele enumerou princípios que estão sendo levados em conta pela CBF. ''A Copa do Mundo colocará o Brasil no centro do palco, por isso não podemos errar. Muitas nações almejam sediar a Copa do Mundo, mas poucas podem alcançar o objetivo. Não se pode perder tempo com falsas polêmicas e discussões estéreis''. Para o presidente da CBF, aqueles que cumprirem prazos e compromissos assumidos serão os que sairão vitoriosos, premiados pelo mérito.

O ministro Orlando Silva citou o legado que a Copa 2014 deixará para os brasileiros, principalmente a rede de última geração de estádios de futebol. E citou o comprometimento do ministro do Turismo, que assim como ele também vê a Copa como importante momento de promoção do país. ''Projetaremos uma nova imagem de Brasil para fora, mas também para dentro. O Brasil está consolidando-se no mundo como um ator muito importante'', finalizou Barretto. Hoje (22/9), a palestra foi do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

veja também