Dubai: planejado para estarrecer os visitantes

Dubai: planejado para estarrecer os visitantes

Atualizado: Quarta-feira, 13 Outubro de 2010 as 1:41

Meca do consumo no Oriente Médio, Dubai é uma cidade-Estado planejada para estarrecer os visitantes. São tamanhos e formatos grandiosos, em hotéis e centros comerciais reluzentes, numa colagem de estilos e atrações que parece testar diariamente os limites da arquitetura voltada para o lazer.

O maior shopping do tórrido Oriente Médio abriga uma pista de esqui, a orla do golfo Pérsico ganha milionárias ilhas artificiais, o centro financeiro anuncia para breve a torre mais alta do mundo (a Burj Dubai) e tem ainda o projeto de um campo de golfe... coberto! Coberto e refrigerado, para usar com sol e chuva, inverno e verão.

Com tantas ousadias e todos os recursos que os petrodólares podem comprar, Dubai converteu-se recentemente no pólo turístico mais vistoso e futurista da ancestral cultura islâmica. Entre os turistas brasileiros, o crescimento foi de 106% em 2007, comparado com o ano anterior.

A maior parte da população de 1,5 milhão de habitantes é estrangeira, o que torna o inglês um idioma corrente, junto da língua árabe oficial. A imigração em massa de indianos e paquistaneses para os canteiros de obras que erguem a Dubai do futuro rendeu uma estatística curiosa: as mulheres são apenas 25% dos moradores. Mas elas chamam bastante a atenção dos ocidentais, sempre vestidas com longas roupas pretas (as abbayas) quando saem de casa, como mandam os costumes nos Emirados Árabes Unidos.

Uma decisão importante a ser tomada pelo viajante é quando ir, dadas as diferenças de temperatura e comportamento social previstas no calendário. No mês do Ramada, festa religiosa, os muçulmanos fazem jejum durante o dia, e a rotina de bares, restaurantes e passeios turísticos pode sofrer alterações radicais.

Os meses mais quentes do verão, julho e agosto, trazem prós e contras. Os preços dos pacotes caem porque os hotéis dão grandes descontos, a fim de atrair visitantes para uma temperatura insalubre que chega a máximas de 45ºC na cidade e beira os 50º no deserto. É também o período das férias escolares, de trânsito menos congestionado e de shoppings movimentados, com grandes liquidações.

Quem associa as férias a longas caminhadas —e Dubai tem muito para mostrar ao ar livre, em parques, praias de mar azul, centro histórico e arquitetura— deve deixar a viagem para os meses de outubro a abril, de calor suportável.

Em qualquer período, o hotel será sempre um tipo de oásis, uma câmara refrigerada para relaxar das compras ou continuar consumindo, em bares, restaurantes e serviços de spa. Existem os grandes resorts de praia, em Jumeirah e Dubai Marina, os hotéis nas áreas mais antigas de Dubai, que são Deira e Bur Dubai, e ainda os localizados no centro financeiro e futurista que é a Sheikh Zayed Road. Hotéis de redes internacionais oferecem traslados da manhã à noite para pontos turísticos como o Jumeirah Beach Park e o Mall of the Emirates: uma bela economia nos gastos com táxi e também uma forma segura de conhecer a cidade.

A história do povoamento multicultural de Dubai pulsa ao norte, nas margens do Creek, um canal aberto para o comércio de grandes navios nos anos 30 do século 20, quando a exploração de pérolas já declinava. Os dhows (embarcações) de madeira continuam lá, abarrotados de mantimentos e equipamentos eletrônicos que seguem para Irã, Paquistão ou Índia, terras natais de milhares de operários da construção civil de Dubai.

Cursos d'água têm o poder de embelezar as metrópoles, e o Creek cumpre esse papel de dia e especialmente à noite, quando os minaretes e anúncios coloridos das margens de Deira e Bur Dubai realçam as luzes sobre as águas, estejam elas na decoração das embarcações ou nas velas dos jantares flutuantes.

As distâncias são longas —dos souks (bazares) e museus do centro histórico até os modernos shoppings ao sul, por exemplo. Um passeio confortável, que dá a dimensão dos deslocamentos e suas distintas paisagens, é feito pelo Big Bus Tour, um ônibus de dois andares nos mesmos moldes do que fez fama em Londres.

São duas linhas: a vermelha percorre o centro antigo, nos dois lados do Creek, e a azul avança até o complexo de lazer Madinat Jumeirah e volta, deixando ver ícones como o hotel Burj Al Arab e os arranha-céus da Sheikh Zayed Road. O mesmo bilhete dá direito aos dois trajetos, durante 48 horas, com embarques e desembarques em qualquer ponto.

Antes da inauguração da torre mais alta, o Burj Al Arab se mantém como "o" símbolo da nova Dubai e um dos hotéis mais luxuosos e caros do mundo. Seu contorno abaulado lembra uma vela de barco impulsionada pelo vento, mas também pode representar a imagem simpática de uma mulher grávida, uma Arábia imponente, prenhe de investimentos.

As grifes internacionais de luxo estão por todos os lados, e é claro que num lugar desses há turistas e moradores comprando jóias com a naturalidade de um banhista escolhendo sorvete de casquinha. Mas não se intimide. Os shoppings são muitos e os produtos, livre de impostos, cabem em distintos orçamentos, sobretudo nas liquidações de inverno e verão.

E, querendo fugir das compras, vá para as dunas alaranjadas do deserto, a cerca de uma hora de Dubai. "A embriaguez sem álcool do Oriente vem do deserto, onde o vento quente e a areia quente excitam as pessoas, onde a vida é simples e sem problemas", na definição do escritor Kurban Said.

Em tempo: em Dubai, a embriaguez também vem do álcool, ou mesmo da vertigem dos bares no topo de arranha-céus.

veja também