África do Sul quer aproveitar a Copa para elevar seu potencial turístico

África do Sul quer aproveitar a Copa para elevar seu potencial turístico

Atualizado: Quarta-feira, 5 Maio de 2010 as 2:58

A Copa do Mundo servirá para melhorar a reputação da África do Sul como destino turístico de primeiro nível mundial, disse nesta quarta-feira o ministro de Turismo do país, Marthinus van Schalkwyk, através do portal de notícias do Governo sul-africano.

"Muito depois do apito final do último jogo, continuaremos colhendo recompensas dos investimentos neste torneio, que serviu como catalisador para um enorme desenvolvimento", disse o ministro.

A África do Sul espera quase um terço menos visitantes estrangeiros durante o Mundial em relação ao número previsto no início, em parte por culpa da crise econômica internacional, mas van Schalkwyk acredita que os turistas que visitarem o país atuarão em seus respectivos locais de origem como os melhores embaixadores do país africano.

O setor turístico sul-africano superou a tendência mundial em 2009, com um crescimento de 3,6% no número de visitantes estrangeiros, alcançando 9,9 milhões em comparação com os 9,6 do ano anterior. O turismo representou 7,4% do PIB do país.

Além disso, os turistas que visitaram a África do Sul em 2009 gastaram 7% mais que os de 2008, tendência que o Ministério do Turismo espera que continue em alta em 2010, em parte graças à Copa.

As principais contribuições estrangeiras para a boa saúde das contas do turismo sul-africano procedem de chineses e indianos, que, segundo dados da Fifa, não estão entre que demonstraram grande interesse pelo Mundial, já que suas seleções não participarão.

A África do Sul aproveitou a realização do torneio para melhorar suas infraestruturas, com renovação, entre outras coisas, de estradas, aeroportos e serviços básicos, o que servirá para aumentar também o turismo nacional nos próximos anos.

"Dada a volatilidade do mercado internacional, é fundamental que qualquer país promova uma indústria turística doméstica saudável", concluiu van Schalkwyk.

veja também