Greve na Infraero traz prejuízo ao transporte de cargas em Viracopos

Greve na Infraero traz prejuízo ao transporte de cargas em Viracopos

Atualizado: Sexta-feira, 21 Outubro de 2011 as 9:33

O Sina (Sindicato Nacional dos Aeroportuários) pressiona o governo federal por uma nova proposta, reivindicando estabilidade por pelo menos dez anos após a concessão dos aeroportos de Viracopos, Cumbica, em Guarulhos (SP), e Brasília. O governo oferece 12 meses.

A percepção de Francisco Lemos, presidente do Sina, é que o movimento termine hoje, conforme previsto. Já o secretário geral, Célio Alberto, ameaça ampliar a paralisação além das 48 horas programadas inicialmente e para outros aeroportos, como o de Manaus. A categoria realiza uma assembleia às 10h, em São Paulo, para decidir os rumos da greve.

De acordo com Alberto, praticamente todos os funcionários do transporte de cargas em Campinas estão parados. A Infraero admite que o embarque e desembarque estão comprometidos, mas não informou qual a adesão dos trabalhadores ao movimento.

PASSAGEIROS

Para os passageiros, os voos seguem normalmente em Viracopos. Dos 31 domésticos previstos para o período entre 0h e 9h, apenas dois foram cancelados e ainda não foram registrados atrasos acima de 30 minutos. Apenas uma partida internacional estava programada e nada foi alterado pela paralisação.

No aeroporto de Guarulhos, de um total de 66 voos domésticos previstos para esse intervalo, foram registrados apenas cinco cancelamentos e dois com atraso. Considerando os 25 voos internacionais programados, houve um cancelamento e dois com atraso nesse período.

Em Brasília, dos 27 voos domésticos previstos, houve quatro cancelamentos e três atrasos. Já as duas partidas internacionais programadas não tiveram alteração.

A meta dos aeroportuários não é criar transtorno para os usuários, mas focar no atraso na liberação de cargas.

EDITAL

Os aeroportuários não aceitam negociar temas pela via da consulta pública já aberta. Querem fazer parte do grupo que confecciona a modelagem que estará no edital. No início da tarde de ontem (20), o sindicato disse que havia tido indicações de que receberia alguma proposta para anunciar aos trabalhadores parados nos três aeroportos. A situação mudou no final do dia.

"Estão nos oferecendo uma reunião na próxima quarta-feira (26), mas sem qualquer garantia de que vamos ter uma proposta que atenda as nossas reivindicações. Não quero ir lá novamente só para tomar café e beber água", disse Lemos.

A questão do Sina agora é de credibilidade. Ao convocar a categoria para uma mobilização, o sindicato assumiu um compromisso de obter uma proposta que seja considerada um avanço, algo que os grevistas não viram até o momento.

Lemos afirma que o sindicato pode se sentir forçado a radicalizar a greve e isso pode resultar em caos para a vida dos usuários de aeroportos nesta sexta-feira, com interrupções de serviços que funcionaram ontem graças ao plano de contingência montado pela Infraero e as companhias aéreas. A greve moderada na quinta-feira, portanto, pode sofrer um revés.

veja também