Ilha de Boipeba (BA): tesouros naturais espalhados por praias desabitadas

Ilha de Boipeba (BA): tesouros naturais espalhados por praias desabitadas

Atualizado: Segunda-feira, 1 Junho de 2009 as 12

Praias selvagens, manguezais intocados, povoados de pau-a-pique, piscinas naturais no meio do mar. Prepare-se. Chegou a hora de descobrir os segredos de uma das ilhas mais lindas e mais preservadas do Brasil: a ilha de Boipeba.

Um tesouro encravado no Arquipélago de Tinharé, entre o oceano e o Rio do Inferno, ao lado de um dos pólos turísticos mais concorridos do país, Morro de São Paulo.

Ao contrário do vizinho ilustre, sempre repleto de turistas, Boipeba mantém a beleza original graças a uma política de preservação rigorosa. Desde 1992, a ilha é Área de Proteção Ambiental, patrimônio natural conservado com todo o cuidado pelos seus habitantes.

Boipeba, hoje, é um refúgio para quem quer escapar do estresse das grandes cidades ou da badalação desenfreada dos balneários turísticos cada vez mais congestionados.

Cachoeira da Pancada Grande: localizada na cidade de Ituberá, entre Torrinhas e Ilhéus. São quase 80 metros de queda livre e água refrescante, com direito a piscinas de água doce e transparente.

Principais atrações

Cova da Onça: vilarejo de pescadores, localizado na ponta sudoeste da ilha de Boipeba‚ em frente da Barra do Carvalho (município de Nilo Peçanha, e as praias de Pratigí (município de Ituberá), no continente. Procurada por sua fartura para caça submarina. Quase sem infra-estrutura turística, com águas propícias para banho em todos os períodos de marés. Nas marés baixas, surgem no mar bancos de areia, muito procuradas no verão e dá acesso à praia da Ponta dos Castelhanos (2 km ao norte).

Manguezais: os manguezais constituem-se de um verdadeiro berçário da vida marinha e a ilha possui uma das maiores reservas de mangue do Brasil. São realizados vários passeios de barco entre a vegetação retorcida dos mangues: uma ótima maneira de saber um pouco mais sobre essa riqueza.

Piscinas Naturais: existem várias piscinas naturais espalhadas pela ilha. As mais procuradas são as da Praia de Moreré, por sua transparência e beleza.

Ponta dos Castelhanos: lugar deserto e pouco acessível, na ponta sudeste da ilha de Boipeba, sem infra-estrutura turística. Seu único acesso por terra é a pé (quando a maré está baixa) ou de barco. É uma área repleta de recifes. O nome data do famoso naufrágio do barco espanhol 'Madre de Diós' em 1534, acontecimento que inspirou muitas lendas, como uma ligação como a fundação da primeira igreja de Salvador, N.S. da Graça. Devido aos diversos naufrágios que ali ocorreram desde então, o lugar tornou-se, para mergulhadores mais experientes, uma espécie de santuário submarino.

Praias: além de exuberantes, as praias de Boipeba são perfeitas para fazer caminhadas. Como também as de Tassimirim, Cueiras, Moreré, Bainema e Cova da Onça são as mais procuradas, mas a ilha oferece diversas opções para quem quer relaxar e curtir a natureza.

Velha Boipeba: localizada ao norte da ilha, voltada pelo Rio do Inferno, que separa Boipeba da ilha de Tinharé. Fundada em 1565, é uma das mais velhas vilas do país, com uma rica história colonial. Servia como refúgio para os colonos da região enteira durante as guerras com os índios Aimoré e Gueren. Possui pousadas de todos os tipos, um supermercado e um posto telefônico.

Vale lembrar

Culinária: não deixe de experimentar o camarão gigante, frito na hora e recém chegado do mar‚ na praia de Moreré. Imperdível e único.

Cuidados: não esquecer de levar filtro solar, calçados leves e confortáveis, que possam ser molhados, eles são fundamentais em qualquer caminhada.

Proteja Boipeba: siga à risca o velho lema dos excursionistas: ''Não tire nada além de fotos, não deixe nada além de pegadas, não mate nada além de tempo''.

veja também