Ilha de Paquetá (RJ) permanece ''parada no tempo''

Ilha de Paquetá (RJ) permanece ''parada no tempo''

Atualizado: Sexta-feira, 13 Março de 2009 as 12

A poucos alguns minutos da cidade do Rio de Janeiro, bem no coração da Baía de Guanabara está um distrito que parece uma cidade parada no tempo em plena Cidade Maravilhosa, Paquetá é um presente para os cariocas. Ilha tropical que atrai turistas nacionais e estrangeiros, é um lugar privilegiado para namorar, passear e se divertir. Tudo isso tendo a natureza nativa como pano de fundo.

Essas são algumas da vantagens que fazem de Paquetá uma região especial, a começar pela própria viagem à ilha: barcas, catamarãs e aerobarcos transportam os visitantes pela Baía de Guanabara numa rota agradável e embalada pela brisa marinha.

Atracando no local, o visitante descobre que a ilha proíbe o tráfego de veículos para permitir que bicicletas e charretes se locomovam em suas ruas revestidas de saibro e coloridas pelos flamboyants. Com apenas, 10. 9 km2 de ruas, a ilha está livre do barulho e da poluição.

O contato com a natureza marca a visita ao local. Paquetá abriga um dos poucos exemplares brasileiros do baobá com 20 árvores originaria da África, que ficou conhecido pelos moradores como “Maria Gorda”. Outra árvore típica é o Flamboyant, sendo que algumas plantas datam de 100 anos.

O nome da ilha é de origem Tupi e significa ''muitas conchas'', que podem ser encontradas em profusão nas praias de águas calmas e convidativas. Imperdíveis também são os passeios que levam à Pedra da Moreninha e ao Parque Darke de Mattos. Recentemente, o parque foi totalmente revitalizado a partir de uma obra de reurbanização feita pela Prefeitura do Rio. Ao final da tarde, nada melhor do que passear de barcos-pedalinhos assistindo ao pôr-do-sol. O mirante também deve figurar no roteiro do visitante. Ele fica no Morro da Cruz, que descortina um panorama parcial da ilha.

Desde 1883, Paquetá faz parte do município do Rio de Janeiro. Das ruas de saibro pode-se observar vários estilos arquitetônicos, inclusive o Solar que hospedou D. João VI e a casa que foi propriedade de José Bonifácio de Andrada e Silva, o patriarca da independência.

Clima & Geografia

A Ilha tem a forma aproximada de um 8. Sua área total é em torno de 1,2 Km2 com aproximadamente 8 km de perímetro. Sua mais longa extensão é da Ponta do Lameirão à Ponta da Imbuca, com 2316 m e a menor na Ladeira do Vicente, com aproximadamente 100 m. São 9 morros, sendo o Morro do Vigário o mais elevado, com 69 metros.   

Como chegar

A Ilha de Paquetá dista aproximadamente 15 km da Praça XV, no Centro da Cidade do Rio de Janeiro, sendo a principal ilha do arquipélago de Paquetá, situada ao nordeste da Baía de Guanabara. 

O Tempo previsto de viagem é de aprox. 70 minutos. A travessia é feita pela companhia BARCAS / SA nos seguintes ramais: Rio x Paquetá (2ª a 6ª feira), Paquetá x Rio (2ª a 6ª feira), Rio x Paquetá (sábados, domingos e feriados), Paquetá x Rio (sábados, domingos e feriados) - Veja horários no site: http://www.barcas-sa.com.br .

Atrações Turísticas

Como o próprio nome indica Paquetá muitas pacas, em tupi-guarani, a Ilha sempre foi local de abrigo para pequenos mamíferos. Os gambás e as diversas espécies de morcegos são ainda encontradas em abundância, até hoje.

Em conjunto com outras Ilhas do Arquipélago e com a área do Manguezal de Guapimirim, formam um rico viveiro de aves silvestres, marinhas e migratórias.

Ainda que em menor quantidade pode-se encontrar nas praias, cavalos marinhos, estrelas do mar, ouriços, mariscos e caramujos. Nas pedras, pequenas ostras, mexilhões e cracas. Sempre existiu extensa variedade de peixes estimulada inicialmente pelos manguezais e pelos matacões.

A vegetação de Mata Atlântica nativa, ainda exuberante, com a colonização e formação das chácaras foi sendo acrescida de várias árvores frutíferas, palmeiras, os românticos flamboyants e mesmo o nosso raro baobá, a Maria Gorda.  

veja também