Loas Angeles, um passeio pela Calçada da Fama, na cidade das estrelas

Loas Angeles, um passeio pela Calçada da Fama, na cidade das estrelas

Atualizado: Sexta-feira, 8 Abril de 2011 as 11:26

Los Angeles respira cinema. Todos os dias em algum local há sempre uma filmagem, seja um longa-metragem, videoclipe ou um comercial. Mas nem só de cinema vive L.A., como é conhecida. Existem inúmeras opções de lazer como praias, museus, parques temáticos e shows, já que a indústria fonográfica também se concentra na cidade.

À primeira vista, quem chega em Los Angeles pode se sentir desorientado pela dimensão e pelo trânsito caótico. Ao contrário de Nova York, Los Angeles não possui muitos arranha-céus e se espalha por imensos 1.215 km2. O condado de Los Angeles possui 88 pequenos municípios, incluindo colônias de imigrantes de vários países como Thai Town (Tailandeses), El Pueblo (Mexicanos), Little Armenia, Koreatown, Chinatown, Little

Tokio e Little Ethiopia. Os moradores costumam dizer que é a única cidade do país em que se pode surfar e esquiar no mesmo dia, pois as montanhas ficam a três horas de distância da praia. Além disso, o sol brilha o ano todo e a temperatura no verão pode chegar a 40oC.

Quando se fala em Los Angeles, logo se pensa em cinema, celebridades e, claro, Hollywood. O bairro mais famoso da cidade decaiu depois que os grandes estúdios mudaram para lugares mais baratos e distantes. No entanto, nos últimos cinco anos, vem recuperando o glamour, graças à restauração de vários estabelecimentos.

Não deixe de passear na Calçada da Fama. Caminhando ao longo dela, é fácil encontrar outros ícones de Hollywood. O Kodak Theatre, onde é realizada a noite do Oscar, tem capacidade para 3.400 pessoas e fica dentro de um shopping center recém-construído na esquina da Hollywood Boulevard com a Highland Ave. Ao lado do shopping fica a maior atração do local – o Grauman’s Chinese Theater, inaugurado em 1927. Com 1.200 lugares e um telão de 40 m, o Teatro Chinês, na verdade, é um cinema onde acontecem a maioria das premières (pré-estréias de filme somente para a equipe e convidados). No pátio em frente ao teatro ficam as marcas das mãos e pés de atores consagrados como Harrison Ford, Tom Hanks e Meryl Streep.

Além das centenas de lojas de souvenirs e de grife, Hollywood, ao lado da Sunset Strip, também tem a melhor opção noturna da cidade. Lá, tudo fica aberto até mais tarde, apesar do “toque de recolher” – na Califórnia, a maioria dos bares fecha às 2h, pois é proibida a venda de álcool após esse horário.

A noite em L.A. é cheia de extravagância. Entre os bares, um dos mais inusitados é o Beauty Bar. Como o nome sugere, trata-se de um salão de beleza durante o dia que, à noite vira um bar com música dos anos 80 e, além de bebidas, também oferece as manicures.

Outra opção no mesmo estilo é o Star Shoes, um misto de loja de sapatos de grife com bar onde você bebe enquanto uma equipe de engraxates dá um trato nos seus sapatos.

Para dançar, o Sunset Room, o Club Ivar e o Club Las Palmas são pontos de encontro de gente famosa. Uma dica para o verão são os espetáculos no anfiteatro Hollywood Bowl. As apresentações, com preços bem acessíveis, variam de música clássica a rock’n'roll.

Sunset Boulevard

Uma das características de Los Angeles são as largas e longas avenidas que passam por vários bairros ou municípios e que mais parecem freeways, não fossem os semáforos.

A Sunset Boulevard, ou Rota do Sol, é a mais notória delas. Com 32 km de extensão, ela começa no centro de L.A., passa por dez bairros e chega até à praia em Pacific Palisades, entre Santa Mônica e Malibu.

Enquanto a Hollywood Boulevard simboliza o cinema, a Sunset (na parte de Hollywood e West Hollywood) representa a música. A loja de instrumentos Guitar Center, entre a La Brea e a Fairfax, criou a calçada do rock na qual Van Halen, Frank Zappa e Carlos Santana, entre outros, marcaram suas mãos no cimento. A Amoeba Records tem a maior seleção de discos e CDs de L.A. e muita gente costuma passar horas dentro dela. Próximo ao Guitar Center, o Toi é o restaurante favorito dos roqueiros pelo ambiente psicodélico.

Mais adiante, depois da Fairfax, em West Hollywood, fica a parte mais badalada: a Sunset Strip. Nesse trecho de 2,4 km, concentram-se restaurantes, bares, hotéis e casas de shows freqüentados pela elite. O clima é de muita sofisticação. Para quem gosta de música ao vivo, as opções são o House of Blues, Roxy, Whisky A Go Go e o Viper Room, que pertenceu ao ator Johnny Depp. O local ficou conhecido mundialmente em 1993, quando o ator River Phoenix morreu de overdose na calçada em frente. Entre os hotéis, um dos preferidos das estrelas de cinema é o castelo Chateau Marmont, construído em 1929.

Os bares mais requisitados são o Sky Bar (dentro do Mondrian Hotel), Miyagi’s, Chi (no topo do Hyatt Hotel) e o bar do Standard Hotel. O Sunset Plaza, que fica no meio da Sunset Strip, tem bons restaurantes e algumas lojas de grifes. A partir deste trecho até o Oceano Pacífico, a urbana e cinzenta Los Angeles abre espaço para uma paisagem mais esverdeada. Ao final da Sunset Strip, você entra em Beverly Hills seguido por Bel-Air. A avenida arborizada, com menos tráfego e as mansões ao redor mostram por que essa é a parte mais chique e cara da cidade. Na esquina da Sunset com a Rodeo Drive fica o Beverly Hills Hotel, mais conhecido como Palácio Rosa. O hotel foi construído em 1912, antes mesmo de Beverly Hills, que cresceu em volta da propriedade.

Continuando, a Sunset separa dois bairros. De um lado da rua fica Bel-Air, nas montanhas de Santa Mônica. Estritamente residencial e tão nobre quanto a vizinha Beverly Hills, foi onde o ex-presidente Ronald Reagan passou seus últimos anos. No outro lado da rua, está Westwood, sede da University of California (UCLA). Vale a pena dar um passeio pelo Campus para apreciar a arquitetura dos prédios e o Jardim das Esculturas, com mais de 70 obras de artistas como Rodin, Matisse e Miró.

O Lake Shrine, localizado no número 17.190 da Sunset, em Pacific Palisades, é a última parada antes de chegar à praia. O parque foi criado com o esforço do indiano Paramahansa Yogananda, que ajudou a difundir a prática da ioga na cultura ocidental. Em volta do lago artificial existem estátuas de divindades das principais religiões do mundo e parte das cinzas de Gandhi.

Entre os museus mais conceituados em Los Angeles estão o Museu de Arte Contemporânea (MOCA), no Centro; o Museu de Arte Moderna (LACMA), na Mid-Wilshire (arredores de Hollywood); e o Getty Museum, perto da freeway para San Diego.

O mais antigo e famoso píer da Califórnia é o de Santa Mônica, ativo desde 1908. Muitas vezes pode-se avistar golfinhos nadando próximo à ponta extrema. Além de um restaurante e algumas bancas de roupas e souvenirs, o que torna este lugar tão popular é o parque de diversões com montanha-russa, carrossel, carrinho bate-bate e uma roda-gigante da altura de um prédio de 11 andares. Durante o verão, acontecem shows ao vivo todas às quintas, de graça.

Santa Mônica e Venice são as áreas mais descontraídas de L.A., provavelmente por causa da proximidade da praia. Pela quantidade de restaurantes de comida natural, estúdios de ioga e pequenas galerias de arte, nota-se que os moradores dessa região são mais ecléticos e conscientes em relação ao bem-estar do corpo e da mente. Em vez de academias de ginástica lotadas, as pessoas por aqui preferem se exercitar no calçadão à beira-mar. Existem várias locadoras de bicicletas e patins in line para você se divertir ao melhor estilo californiano.

Se tiver disposição, aproveite para pedalar na pista que liga Santa Mônica a Venice Beach, que na verdade vai até o litoral sul da cidade. Junto à pista, está o Palisades Park, onde as famílias fazem piqueniques; uns deitam na grama para ler um livro e outros jogam capoeira.

Venice foi fundada em 1900 pelo empresário Abbott Kinney, que pretendia transformar a área numa Veneza americana. Ele construiu um sistema de canais e até “importou” gondoleiros da Itália. Mas o empreendimento não deu certo. Em 1927, grande parte dos canais foi aterrada.

Apesar da idéia não ter vingado, Venice é uma ótima opção de passeio, freqüentada por um público bem mais alternativo e excêntrico que a trupe da vizinha Santa Mônica. Caminhe pelo calçadão nos fins de semana (Venice Boardwalk) e você vai se sentir no meio de um show de variedades, de músicos a acrobatas.

Continue andando e logo à direita você verá quadras de basquete, tênis e Muscle Beach, uma academia de ginástica ao ar livre que até já foi freqüentada, nos anos 1970, pelo agora governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger. Muitas vezes, além dos artistas de rua, o calçadão também serve de palco para campeonatos de skate e bicicletas mountain bike. E no fim de tarde aos domingos, mais de 50 percussionistas se reúnem para uma roda de muito ritmo e suingue.

A Disneylândia, localizada em Anaheim, está a uma hora ao sul de Los Angeles. No próximo dia 5 de maio, a “pioneira” do império Disney completará 50 anos e, como era de se esperar, vai celebrar com uma grande festa. A parada dos personagens Disney, a decoração do castelo da Bela Adormecida e o Buzz Lightyear Astro Blasters são algumas das novidades preparadas para a comemoração do jubileu. O Disney’s California Adventure, ao lado da Disneylândia, também inaugurou um novo brinquedo, o Twilight Zone Tower of Terror, um hotel mal-assombrado e assustador.

Quem gosta de diversão radical deve ir ao Six Flags Magic Mountain, em Valência. Este parque tem pelo menos 19 montanhas-russas. A entrada custa US$ 48 e fica a uma hora ao norte de L.A na rodovia Interstate-5.

Agora, para conhecer de perto os cenários de muitos filmes de sucesso, vá aos estúdios da Universal. É a maior empresa de cinema e televisão do mundo, instalada em North Hollywood desde 1915. A primeira atração do parque temático foi o passeio de bonde (Backlot Tram Tour) pelos bastidores dos estúdios, com direito a explicação de como são desenvolvidos os cenários e os efeitos especiais. Depois disso, vários brinquedos inspirados em sucessos do cinema foram inaugurados, como o Exterminador do Futuro 2 e Parque dos Dinossauros. Os mais novos são a montanha-russa Vingança da Múmia e Van Helsing: Fortress Dracula, uma sala escura ambientada no século 19. O passaporte para um dia custa US$ 53 (ou US$ 43, se comprado pela internet).

Saindo de lá, aproveite para dar uma volta na Universal CityWalk, um dos maiores exemplos da cultura pop em Los Angeles. São 65 opções de lojas, restaurantes e entretenimento, como o Hard Rock Café, Harley Davidson e 19 salas de cinema, sendo uma delas exclusivamente para apresentações de filmes em 3D.

Para compras, há as opções da Rodeo Drive e suas lojas milionárias que apareceram no filme Uma Linda Mulher. Mas é na Melrose Avenue, entre a La Brea e a Fairfax, que você vai encontrar moda jovem com a cara de L.A.: alternativa e com muito estilo.

veja também