Ministério lança estudo sobre destinos indutores do desenvolvimento do turismo

Ministério lança estudo sobre destinos indutores do desenvolvimento do turismo

Atualizado: Terça-feira, 8 Abril de 2008 as 12

O Ministério do Turismo apresentou na segunda-feira, 7 de abril, estudo elaborado em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), a fim de racionalizar esforços e recursos dos governos federal, estaduais e municipais no desenvolvimento do turismo regional.

O Estudo de Competitividade dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento - Relatório Brasil, segundo o ministério, identificou que no país as capitais e as não-capitais avaliadas estão em nível 3 de desenvolvimento, numa escala de 1 a 5: "Os temas avaliados referem-se a Infra-estrutura, Turismo, Políticas Públicas, Economia e Sustentabilidade. As capitais lideram com 58,7 pontos. Na média, o Brasil ficou com 52,7 pontos. As cidades que não são capitais ficaram com menor índice: 48,3. O estudo revelou que monitoramento e marketing foram os indicadores com menores notas."

Na avaliação da ministra Marta Suplicy, o trabalho "vai possibilitar a cada prefeito das cidades escolhidas ter o seu próprio diagnóstico do setor - e não se faz planejamento sem diagnóstico". Ela lembrou que "o Brasil tem milhares de lugares lindos, nós não podemos ficar pingando recursos em cada um desses lugares, daí termos de focar nesses 65 lugares escolhidos".

O estudo será enviado aos estados, a fim de orientá-los a preparar o material promocional. Em maio, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a FGV devolverá os resultados do estudo aos municípios pesquisados.

Dados divulgados pelo Ministério do Turismo apontam que de 2003 a 2007 foram investidos nos 65 destinos constantes do estudo R$ 332,4 milhões, dos quais R$ 148,9 milhões somente no ano passado. Na solenidade, a ministra informou que no ano passado foram executados 99% do orçamento, com a aplicação de R$ 1,7 bilhão. E que para este ano o orçamento aprovado é de R$ 2,66 bilhões - aumento de 47% em relação ao de 2007.

Postado por: Claudia Moraes  

veja também