Mochilão: dicas para você viajar bem e gastar pouco

Mochilão: dicas para você viajar bem e gastar pouco

Atualizado: Terça-feira, 1 Março de 2011 as 3:43

Colocar uma mochila nas costas e sair por aí, desbravando o mundo. Uma viagem assim é o sonho de muitas pessoas - não pense que são só os jovens que se atrevem neste tipo de aventura - e também uma excelente oportunidade de conhecer lugares, pessoas, culturas e costumes diferentes sem gastar tanto.

Mas, para evitar que o seu mochilão se torne uma “roubada”, é importante se atentar para algumas questões importantes, começando pelo planejamento da viagem, item fundamental para não ter surpresas desagradáveis.

De acordo com o jornalista e radialista Edu Sona, que apresenta o programa Mochileiro40tao na JustTV, a principal dica para fazer uma viagem deste tipo sem transtornos é planejar bastante. “É importante você ter os planos A, B e C para emergências. Você pode fazer uma viagem super econômica - mas passar por alguns desconfortos - ou selecionar melhor criando alguns critérios como escolha de hostel (albergue), tipo de viagens (trem ou avião) etc.”, afirma o aventureiro, que criou o programa com objetivo de dar dicas de viagem e economia para as pessoas mais velhas.

O fotógrafo Marcelo Victor, idealizador do site “Brasil de Mochila”, tem a mesma opinião. “Hoje em dia, com acesso à internet, fica tudo mais fácil. Você tem como planejar tudo antes, pesquisar preços, reservar a sua hospedagem”, diz.

Victor criou o site em 2003, depois de uma viagem de mochila para Machu Pichu, no Peru. "Não tinha tanta informação na época. Resolvi viajar e fazer uma espécie de diário de bordo, postando diariamente as informações da minha viagem na página", conta.

Acomodações

Segundo Victor, o ideal é pesquisar bastante para ficar em acomodações melhores e gastar menos. “Hoje em dia tem hotel até mais barato do que hostel”, afirma.

Sona lembra que, muitas vezes, o hostel barato pode ser um problema. “No pique de querer economizar, você acaba ficando mal localizado - e gasta mais com metrôs e ônibus - ou é obrigado a dormir em verdadeiros depósitos de seres humanos. O bom é pesquisar, ver as cotações e comentários de quem já passou por lá e olhar bem o mapa da região antes de fechar a hospedagem”, ensina.

Outra opção diferente, mas bastante interessante, é o CouchSurfing (algo como "surfar no sofá"). A ideia do projeto é unir pessoas dispostas a receber turistas em casa e viajar da mesma maneira, sem custos de hospedagem.

Mas, os usuários deste serviço recomendam que quem optar pelo CouchSurfing deve estar disposto a conhecer pessoas novas e não apenas ter um lugar para dormir, já que a interação e a troca de informações e culturas são os principais objetivos do programa.

Transportes

Em relação aos transportes, a dica também é pesquisar bastante e procurar por ofertas entre as companhias aéreas. Na Europa, existem empresas “low cost” (baixo custo), como a Ryanair e a EasyJet, que oferecem passagens muito em conta. Um bilhete para viajar entre Barcelona e Londres, por exemplo, pode sair por 10 euros (às vezes até menos), se comprado com antecedência.

Mas para pagar menos, é preciso viajar apenas com uma bagagem de mão e ela deve ter o peso e medidas estipulados pela companhia aérea. Se ultrapassar o limite, o preço pode ficar salgado.

Além disso, essas empresas geralmente operam em aeroportos distantes dos centros das grandes cidades. “Você pode comprar passagens muito baratas pelas companhias low costs, mas, com a dor de cabeça da burocracia e a distância de alguns aeroportos, às vezes, compensa ir de trem”, diz Sona.

Para quem optar pelo transporte ferroviário, é interessante entrar no site da empresa e também procurar por ofertas e pelos bilhetes que valem por vários dias e dão direito a visitar um número específico de países.

“Muitas vezes viajar a noite sai mais barato. Então, é bom pesquisar nos sites os horários das empresas e aproveitar as promoções noturnas”, diz Marcelo Victor, do “Brasil de Mochila”.

Alimentação

Uma dica valiosa para se alimentar bem e não gastar muito é fugir dos lugares mais badalados e frequentados por turistas. “É legal você conversar com a população local e perguntar onde ficam os restaurantes que eles costumam comer. Assim, você também conhece como são realmente os hábitos do lugar”, afirma Victor.

Experiente, Edu Sona concorda. “Há muitas opções, como fazer o seu próprio jantar ou comer barato em restaurantes fora dos pontos turísticos ou grandes centros. O bom é que tem mercado em todos os lados. De fome você não morre”, brinca.

Segurança

Para evitar que sua viagem se torne um pesadelo, você também precisa se atentar para cuidados básicos com a segurança. O mochileiro40tao aconselha levar uma parte do dinheiro em “cash” e a outra dividida entre cartões de débito internacionais e de crédito. “O ideal é levar até 2 cartões de crédito para evitar surpresas”, aconselha.

Pelas ruas, Sona afirma que todo o cuidado é pouco. “Lembre-se de que bandido existe em todos os lugares, até mesmo no primeiro mundo. O turista, muitas vezes, esquece disso e desfila com dinheiro, equipamentos gigantescos”, afirma. “Nos hostels, guarde o que você puder no cofre ou no seu armário”, finaliza.

veja também