Movimento em aeroportos brasileiros registra aumento de 14%

Movimento em aeroportos brasileiros registra aumento de 14%

Atualizado: Terça-feira, 20 Dezembro de 2011 as 9:47

O número é 64% maior do que o registrado em 2007, ano em que o país viveu seu caos aéreo.

A infraestrutura em grandes aeroportos como Cumbica, por exemplo, não mudou muito. O novo terminal de passageiros não ficou pronto --só será entregue no fim de janeiro. O prazo foi estendido por causa de um desabamento na obra, que deixou dois feridos no último dia 2.

Já o estacionamento segue precário. Motoristas chegam a parar até sobre os canteiros de grama quando falta vaga.

Com o constante aumento da demanda --13,6% neste fim de ano em comparação com 2010--, a Aeronáutica autorizou a diminuição da distância entre um avião e outro na hora da aterrissagem de 10 milhas náuticas (18,5 km) para 5 milhas (9,2 km).

O movimento de pousos e decolagens deve aumentar ainda mais ao longo do ano, já que a tendência da Aeronáutica é reduzir gradativamente esse distanciamento entre as aeronaves para até 3 milhas náuticas (5,5 km).

Editoria de Arte/Folhapress

MILHÕES

Segundo a Infraero (estatal que administra aeroportos), serão 16,6 milhões de passageiros em dezembro, contra 14,6 milhões no mesmo mês de 2010. Em 2007, foram 10,1 milhões em dezembro.

A Aeronáutica disse à Folha que a diminuição da distância entre as aeronaves já é aplicada em Cumbica, em Guarulhos (Grande SP), mas deve começar a valer em breve em outros aeroportos.

Segundo a Aeronáutica, a medida é usada na maioria dos aeroportos do mundo.

Especialistas ouvidos pela Folha dizem que o padrão de distância já foi aplicado antes no país e é seguro, desde que haja treinamento.

Lalo de Almeida/Folhapress Fila de passageiros para fazer o check in no aeroporto internacional de Cumbica, em Guarulhos (Grande SP)

DICAS NO CHECK-IN

Para evitar transtornos antes de embarcar, os passageiros devem optar pelos check-ins eletrônicos --pela internet ou nos totens de autoatendimento dos aeroportos.

Para conseguir um voo é preciso ser rápido. A Folha falou com centrais de companhias aéreas e constatou que vagas em voos para o Rio nos dias 22, 23 e 24 estão no fim.

veja também