Os viajantes do programa Viaja Mais Melhor Idade ficam hospedados em Colônias de Férias vinculadas a entidades de classe

Veja algumas opções de viagem para terceira idade

Atualizado: Terça-feira, 24 Julho de 2012 as 9:59

Segundo o IBGE existem 20 milhões de pessoas com idade acima de 60 anos no Brasil. Esse público representa 10,5% da população e, mesmo não fazendo mais parte da classe trabalhadora, os idosos movimentam a economia do País.


Um dos segmentos que mais ganham com esse público é o setor do turismo. Foi pensando em atender esse público que a Secretaria do Turismo do Estado de São Paulo criou o Programa Melhor Viagem, que proporciona a inclusão turística dos idosos e movimenta a economia das cidades na baixa temporada.


O Melhor Viagem atende 200 idosos por semana, divididos em grupos de 50 pessoas, com viagens para o interior e o litoral de São Paulo. Para participar do programa é preciso fazer o cadastro de grupos de idosos no site http://www.turismo.sp.gov.br/inscricao.html.


Os viajantes do programa ficam hospedados em Colônias de Férias vinculadas a entidades de classe. As viagens têm duração de cinco dias, de segunda a sexta-feira.
O governo do Estado de São Paulo é responsável pelos pagamentos de todas as diárias, que incluem pensão completa – café da manhã, almoço e jantar.


Operadoras de turismo
Já para quem procura mais opções de roteiros, algumas empresas oferecem programas completos de viagem para o público idoso.
A Cinthe-tur, por exemplo, oferece pacotes de turismo com preços que podem variar de R$ 660 a R$ 2.248 nos roteiros nacionais.
Uma viagem para Campos do Jordão com três diárias, meia pensão em quarto duplo, pode sair por R$ 665. Para quem prefere os roteiros internacionais, a empresa oferece destinos como Canadá, Nova York e Polônia com preços entre US$ 859 a US$ 4.350.


Intercâmbio
Quem pensa que intercâmbio é coisa para jovens, está muito enganado. De acordo com o diretor da IE Intercâmbio, Marcelo Albuquerque, o intercâmbio tem valor cultural maior que uma viagem tradicional e por este motivo o público da terceira idade está cada vez mais procurando este tipo de programa.
“Nos programas de intercâmbio as pessoas se conhecem e têm atividades agregadas, geralmente típicas do local, como o tango na Argentina, uma degustação de vinhos na Itália ou até mesmo curso de culinária”, explica Albuquerque.
Por não ter uma necessidade de enriquecer o currículo, este público procura aprender outras línguas menos comuns, como o italiano, francês ou alemão, por exemplo.


Valores
Os preços podem variar de acordo com o que o cliente procura. Um pacote de 15 dias para destinos da América do Sul, por exemplo, pode custar em média R$ 5 mil, com acomodação e passagem.
Segundo Marcelo, a IE vende em média mil intercâmbios por ano para pessoas com idade acima dos 50 anos e geralmente aposentados. Segundo ele, esse público já representa 5% da carteira de clientes e em 2008 não chegava a 2%.

veja também