Para se apaixonar por Bali.

Para se apaixonar por Bali.

Atualizado: Segunda-feira, 9 Maio de 2011 as 9:24

Bali é três vezes e meia maior que a cidade de São Paulo, tem pouco mais de três milhões de habitantes e recebe dois milhões de turistas por ano. Como ficou isolada muito tempo, desenvolveu uma cultura própria, de forte influência indiana. É um enclave hinduísta no maior país muçulmano do planeta, a Indonésia. Em vez de Alá, eles veneram Shiva. Em vez do Corão, seus habitantes preferem o Ramayana ou o Mahabharata.

Chamada de a "ilha dos deuses", Bali tem milhares templos. Dentre eles, destaca-se o Tanah Lot. Localizado sobre uma pedra à beira-mar, ele fica cercado pela água na maré alta. O local místico tem o pôr-do-sol mais bonito da ilha. Outro templo bastante visitado, Uluwatu, no alto de uma falésia é habitado por centenas de macacos.   Cultura, trekking, relaxamento ou surfe? Bali atende a todos os gostos. De vez em quando, uma erupção vulcânica ou um terremoto estremece a ilha. Para o balinês, isso é rotina. Para o turista, algo a mais para contar em casa Caminhadas em Bali

A ilha oferece muitas possibilidades de caminhadas, das fáceis, como observar e fotografar pássaros, borboletas e plantas, às mais radicais, como a escalada do monte Agung, morada de todos os deuses. Dentre as mais comuns, estão visitas a crateras de vulcões, travessias de arrozais que sobem pelas montanhas, com direito a cruzar lagos vulcânicos, incursões às florestas onde ainda existem tigres selvagens, passeios sem rumo pelas praias ou por trilhas sem nome que revelam os costumes de um povo sorridente e amigo.

Uma das caminhadas mais interessantes fica na região de Ubud, vilarejo de artistas, artesãos e povo hospitaleiro, cercado de matas tropicais. Várias empresas oferecem pacotes com aventuras do tamanho de sua forma física e financeira. Custam em torno de US$70,00 por dia. A escalada do vulcão Batur, ainda ativo, sai por US$ 150,00.   Surfe e Mergulho em Bali

Bali tem algumas das melhores ondas do mundo, tanto para iniciantes quanto para profissionais. Os destinos mais populares são as praias de Kuta, onde o surfe às vezes se transforma em perigoso desafio para os menos treinados; Uluwatu, na ponta sul da ilha, com acesso a pé ou de bicicleta; e a famosa Nusa Dua, o ponto mais chique da ilha, com muitos hotéis e resorts luxuosos acima de US$ 200,00 a diária. O equipamento pode ser alugado em Kuta, onde também há escolas para a prática do esporte.   Para uma experiência barata e inesquecível, explore com snorkel os recifes da região de Nusa Dua. A diversidade da fauna marinha impressiona. Polvos, moreias, ermitões, caravelas, anêmonas e peixes de diversas cores e matizes fazem a alegria do mergulhador. Para scuba, os pontos mais desafiadores ficam ao sul de Bali em Nusa Penida, Nusa Ceningan e Nusa Lembongan. Um alerta: por causa das fortes correntes, o mergulho autônomo deve ser feito por pessoas com prática, acompanhadas de guias. O aluguel do equipamento custa em torno de US$ 150,00 por dia. Nos sites da web citados anteriormente também se obtêm maiores informações.

O Teatro, a Dança e a Música

O ponto alto da cultura local é o teatro tradicional balinês. Ele provoca estranheza e arrepios nos ocidentais. Cheio de monstros e heróis, apresenta um confronto entre o bem e o mal que não tem vencedor.

As peças são acompanhadas de música e dança que seduzem pelo exotismo dos sons e pela graça dos movimentos da cabeça e das mãos dos atores. A melodia é tocada por uma orquestra gamelão com dezenas de músicos e seus xilofones, tambores, címbalos, pratos e gongos. Os sons às vezes lembram ruído de bambu-gigante partindo-se ao meio. Noutras, parecem gritos de um bando de macacos furiosos. Na maior parte das vezes, reproduzem sinos, suaves como os requebros que as atrizes fazem com o corpo durante todo o espetáculo. A música atonal tem nomes esquisitos como barong, kekak, polog, bumbung, angklung e legong. Não tente descobrir a diferença entre eles. Só ouvidos muito treinados conseguem.       Como ir: Não há voos diretos do Brasil para a Indonésia. Até Jakarta, em baixa estação, com a Lufthansa, passando por Frankfurt, paga-se a partir de R$4.592,00. Com a KLM, com escala em Amsterdam, custa a partir de R$4.395,00. Com a Turkish Airlines, parando em Istambul, sai a partir de R$3.584,00. O voo de Jakarta a Denpasar pela Garuda sai em torno de R$350,00 ida e volta.   Quando ir e visto:

Bali pode ser visitada o ano inteiro. A estação das chuvas acontece entre novembro e fevereiro. Os preços ficam maiores entre o Natal e o réveillon e entre julho e agosto. Depois dos ataques terroristas, o governo da Indonésia tomou medidas severas de segurança e exige visto de todos os visitantes. Para permanência inferior a trinta dias, o visto pode ser tirado no aeroporto de entrada ou através da embaixada, em Brasília. Maiores informações se encontram na página www.embaixadadaindonesia.org .   Onde ficar: Em Bali existem acomodações para todos os bolsos e gostos, desde os luxuosos hotéis e resorts de Nusa Dua, acima de US$ 200 a diária de casal, até os mais simples, abaixo de US$ 10 em Kuta ou Ubud. Para relaxar, os hotéis mais caros têm spa, com direito a massagens orientais, banhos de pérola e ofurô. Na baixa estação, um hotel em Kuta, o Kuta Pari Bungalows pode cobrar até US$5 a noite.   Passeios: Confira as opções nas agências: www.balisunrisetours.com ; www.balistarisland.com ; www.budgetbali.com .   Dica: Em alguns locais de Bali, cartões de crédito não são aceitos. Leve dólares e troque-os em Denpasar.  

veja também