Pesquisa global revela aumento na disposição para viajar

Pesquisa global revela aumento na disposição para viajar

Atualizado: Sexta-feira, 24 Abril de 2009 as 12

Uma série de estudos globais conduzidos pela CNN para entender a percepção e o comportamento de compra dos espectadores/internautas em uma determinada categoria de mercados, os OCS (Online Consumer Surveys ou Pesquisas Online de Consumo) se focaram este ano no tema "Viagem e Turismo". E o principal dado obtido na pesquisa foi a revelação de que, em comparação ao mesmo período do ano passado, um número maior de diretores de empresas e formadores de opinião no meio corporativo estão dispostos a viajar por prazer nos próximos 12 meses.

A OCS "Viagem e Turismo" é a oitava desta série de pesquisas - conduzidas em todos os websites da CNN International. A amostra foi formada por mais de 5.000 participantes de todo o mundo, que responderam entre os meses de novembro e dezembro de 2008.

 "O que é interessante sobre estes resultados é que eles sugerem que a indústria de Viagem & Turismo é um dos setores mais resistentes em se tratando de crise econômica", diz Gretchen Colon, vice-presidente sênior de vendas publicitárias da TBS Latin America, que complementa: "Embora haja alguma dúvida sobre como os participantes possam financiar suas viagens ao longo dos próximos doze meses, eles não manifestaram interesse em cancelar no meio do caminho e, na verdade, metade da elite dos negócios não mudarão seus planos. E o mais importante é que não se trata de algo a respeito do preço - a marca importa, assim como a diversidade que o destino da viagem tem a oferecer".

Os entrevistados que afirmaram ter intenção de realizar apenas uma ou duas viagens de lazer neste ano aumentou de 40% para 54%. Destes, 40% estão realizando ajustes devido às pressões financeiras, reduzindo o número de viagens (19%), mudando seus destinos (12%) ou uma combinação de ambos (9%). O gasto médio por viagem, de acordo com a pesquisa, é de R$ 8.330.

Dos entrevistados, 40% afirmam que seus planos de lazer não serão afetados pela recessão. A maior parte das pessoas que deram esta resposta ocupam cargos de gerência sênior, têm altos rendimentos e vivem na Europa.

veja também