Praia de Mundaú, no Ceará, tem piscinas naturais e passeios náuticos; conheça

Praia de Mundaú, tem piscinas naturais e passeios náuticos

Atualizado: Terça-feira, 13 Março de 2012 as 10:46

Repleto de praias paradisíacas, o litoral do Ceará guarda uma jóia ainda pouco freqüentada, mesmo nos períodos de verão e sol intensos. Situada no município de Trairi, a cerca de 150 quilômetros de Fortaleza, a pacata Mundaú, que já foi habitada pelos índios Tapuias dos Potiguaras, é uma das praias mais belas do Nordeste e é considerada um dos principais destinos de refúgio do Ceará.

Com o acesso fácil, feito a partir de Fortaleza pela CE-085, a pequena localidade, citada como cenário pelo escritor cearense José de Alencar, no romance “Iracema”, e que teria sido avistada pelo navegador Américo Vespúcio em 1501, reúne diversos atrativos que vão desde a realização de trilhas na Mata Atlântica até os passeios de catamarã pelo mar e pelos manguezais com direito a banhos e mergulhos no rio Mundaú e nas águas salgadas. As dunas também compõem o cenário de um lugar quase perfeito.

Logo de cara, os visitantes que chegam pela primeira vez na região se deparam com uma belíssima visão proporcionada pelo exótico trecho de dez quilômetros entre o entroncamento que dá acesso às praias de Flexeiras e Mundaú. É que a rodovia também funciona como um divisor: de um lado ficam as dunas de areia amarelada e do outro fica a praia de areias claras e mar que hora está verde e hora está azul.

Ao entrar em Mundaú, é fácil perceber que o local ainda conserva características marcantes, como o ambiente rústico de uma vila de pescadores, misturado ao requinte e despojo das charmosas pousadas situadas à beira-mar.

Apesar de urbanizada, com ruas de calçamento e lugares estruturados como as praças do Mirante e de São Miguel, a vila mantém seus ares bucólicos ideais para os que buscam tranqüilidade e para os casais apaixonados. Em algumas pousadas, é possível fazer refeições como o almoço e o café da manhã ao som suave do barulho do mar.

À noite, a praia, na maior parte de sua extensão, conta apenas com a iluminação de tochas, ou mesmo natural em dias de lua cheia.

Passeios "obrigatórios" para curtir o lugar

Seja de bugue ou de barco, os passeios são ideais para conhecer melhor a região. No giro de bugue pelas dunas, não há muito espaço para a emoção, muito comum em outros destinos do Nordeste, mas sim para a contemplação, principalmente da vista panorâmica que se tem da pequena vila e do conjunto formado pelas construções, coqueirais, dunas, rio e mar.

Do alto de um paredão de mais de 20 metros, também é possível visualizar a divisão entre o rio e o mar feita pelas faixas de areia que parecem ter sido desenhadas a mão. O passeio tem duração de uma hora e custa R$ 60, em média, para um casal. O pacote dá direito a paradas para banhos refrescantes e também para fotografias. Além disso, os motoristas também atuam como contadores dos fatos recentes ocorridos no local como os desaparecimentos de casas, postes, coqueiros e até estradas, provocados pelas constantes mudanças de localização das dunas, causadas pelo vento.

Por do sol visto do catamarã

Os passeios náuticos, que ocorrem duas vezes ao dia (no início da manhã, às 8h30 e no fim da tarde, às 16h), também causam furor naqueles que visitam a pequena Mundaú. Além das bebidas e tira-gostos comercializados a bordo, o tour oferece um lindo por do sol e paisagens encantadoras, nesses dois casos, sem nenhum custo adicional.

São duas opções cujo preço é o mesmo: R$ 20 por pessoa e por vez. Uma é a navegação feita por um trecho de quatro quilômetros do Rio Mundaú, que divide os municípios de Trairi e Itapipoca. O outro ocorre quando a maré está baixa e proporciona mergulhos nas piscinas naturais da Praia de Mundaú.

O passeio mais interessante é o fluvial, em que - em uma hora e meia - é possível ver paisagens como a disposição das dunas e do próprio rio, assim como uma vasta área de manguezal repleta de pássaros como garças e crustáceos como camarões e caranguejos, que são vistos quando a maré está baixa. No caminho, também se encontra um dos principais cartões postais de Mundaú, que são os coqueiros quadrigêmeos do lado oposto do rio.

A primeira parada se dá numa fazenda particular de criação de camarões que são vendidos para o exterior. A segunda é para um revigorante mergulho nas águas do Rio Mundaú e também para a prática do “esquibunda”. Antes de a embarcação atracar, os pequenos nativos se encaminham para o alto das dunas e iniciam uma exibição gratuita do atrativo. Por apenas um real, é possível descer na prancha feita de madeira e preparada com parafina que diminui o atrito entre o equipamento e a areia. Além das habilidades “esquibundísticas”, os adolescentes também arriscam algumas acrobacias como saltos mortais de cima da Ponte do Mirante e também na beira do rio.

Na volta do passeio, os turistas podem visitar alguns pequenos boxes situados no Mirante, que também funciona como um pequeno terminal de embarque e desembarque. Lá é possível encontrar peças de artesanato local e confecções feitas em renda de bilro, tradicionais do Ceará. Os visitantes ainda têm a oportunidade de ver como funciona a produção das toalhas, vestidos, blusas e shorts, cujos preços variam de R$ 10 a R$ 100. Outro ponto que atrai a atenção de muitos turistas na localidade é o Farol de Mundaú, de onde pode ter uma vista panorâmica da praia.

Nos restaurantes, os pratos mais comuns são os feitos à base de pescados e frutos do mar como camarão e lagosta. A principal opção é o restaurante O Juraci (Av Beira Mar, S/N, em frente ao Polo de Lazer, tel: (85) 3351-9108) que funciona para almoço e jantar. Algumas pousadas também contam com serviço de bar e restaurante.

Durante a noite, o silêncio impera na vila e barulho mesmo só das ondas do mar e da natureza. Em noite de lua cheia, com o mar platinado, os estabelecimentos comerciais colocam mesas e cadeiras na praia e acendem fogueiras para tornar o ambiente bastante romântico e aconchegante.
 
Como chegar

Saia de Fortaleza pela Rodovia Estruturante (CE-085) e siga até a sede do município de Trairi. De lá, pegue o entroncamento no sentido Orla e dobre à esquerda pela estrada que margeia o mar. A outra opção é a BR 222, através da saída oeste da capital cearense.

veja também