Pucón exige fôlego dos viajantes que visitam a Região das Araucanías, no Chile

Pucón exige fôlego dos viajantes que visitam a Região das Araucanías, no Chile

Atualizado: Sábado, 6 Fevereiro de 2010 as 12

No title Uma visita a Pucón, cidade chilena localizada em uma área de transição entre araucárias e o chuvoso bosque valdiviano, não só faz bem para os olhos, mas também para todo o resto do corpo.

A intensa programação começa às margens do Lago Villarrica, ainda em área urbana, e vai aumentando o nível de adrenalina da viagem de acordo com a disposição dos viajantes que escolhem um dos destinos turísticos mais novos do Chile, a 785 km de Santiago.

Caminhadas em dois parques nacionais, descidas em botes por corredeiras de nível 4, quedas livres nas águas agitadas dos Saltos de Marimán, pistas nevadas para a prática de esqui e snowboard, e uma forte escalada ao topo do vulcão símbolo da região, com quase três mil metros de altura e dono de uma cratera vulcânica que não se cansa de trabalhar até hoje. Haja fôlego para dar conta de tantas opções radicais.

Mas para os corpos cansados, a paisagem natural do destino reserva também águas quentes que correm entre rochas e alimentam piscinas das diversas termas espalhadas nos arredores de um dos centros turísticos chilenos mais importantes.

Não é mesmo fácil acompanhar a velocidade de Pucón. Não só pelo ritmo alucinante dos principais atrativos, mas também pela rapidez com que os serviços se renovam, anualmente. Engana-se quem acredita que Pucón funciona apenas durante os meses de verão.

O cenário natural da região das Araucanías, a 570 km de Santiago, tem uma superfície de mais de 30 mil km² e é formada por uma geografia abundante em araucárias, lagos e montanhas. Esse setor turístico compreende centros urbanos famosos como Lican Ray, Villarrica e Pucón.

Essa última, cujas origens começam com o assentamento de militares no local, no final do século 19, surgiu como opção turística, na década de 1940, com a inauguração do clássico Gran Hotel Pucón. Porém, só assumiu a forma atual, em 2004, quando agências de turismo se instalaram na região para explorar atrativos como o vulcão Villarrica, as águas termas abundantes e as atividades em águas brancas, como os rios locais. E não parou até hoje.

No entanto, a variedade e a concorrência acirrada entre agências de turismo ainda não conseguiram evitar um dos principais obstáculos para os bolsos mais apertados: os altos preços praticados, sobretudo, nos hotéis e restaurantes das ruas centrais da cidade que acabam afastando os visitantes menos dispostos a pagar até três vezes mais por serviços básicos como transporte.

Talvez seja por isso que a vizinha Villarrica começa a aproveitar a brecha e anda abocanhando viajantes que procuram opções com preços justos. O roteiro também inclui belas imagens do lago e do vulcão que deram nome à cidade, e ainda é capaz de surpreender com novos cenários como os encontrados em Lincan Ray, balneário localizado na cidade de mesmo nome, a 25 km dali.

Tranquila ou radical, superfaturada ou não, a região das araucárias é, naturalmente, para todos.

veja também