Reforma no Aeroporto de Guarulhos é motivo de preocupação

Reforma no Aeroporto de Guarulhos é motivo de preocupação

Atualizado: Quinta-feira, 30 Setembro de 2010 as 1:49

A troca de e-mails entre as lideranças da rede de agenciamento e operações turísticas tem sido prática comum. No final da semana passada, mais precisamente nos dias 19 e 24 de setembro, Eduardo Nascimento, presidente do Sindetur-SP, consultou a presidência da Abav Nacional, Abav-SP, Abracorp, Aviesp e Braztoa, entre outros empresários do setor, sobre o interesse dos mesmos em realizar uma reunião com a Diretoria da Infraero, com objetivo de esclarecer e evitar os inevitáveis impactos negativos resultantes da interdição de uma pista do aeroporto de Guarulhos, para reforma, a ser efetivada logo após o próximo feriado de Carnaval até outubro de 2011.

De acordo com o presidente do Sindetur-SP, a adoção da medida "Na prática, representará redução de até 50% nas operações de GRU. Não somente o turismo, mas toda a indústria e comércio de São Paulo serão afetados com esta atitude", alerta e diz: "Penso que temos de fazer algo".

Na pauta:

Qual será o prejuízo para o destino São Paulo com os eventos já contratados? Como ficarão as empresas que dependem dos vôos charters, agora proibidos, para a sua sobrevivência? Qual será o impacto da medida sobre o preço dos bilhetes aéreos? O provável aumento de preços pode vir a compensar as perdas? Haverá isonomia de condições comerciais aos canais de distribuição? Qual seria a compensação para a perda de receitas? O que as empresas aéreas farão a respeito?

A troca de e-mails entre as lideranças da rede de agenciamento e operações turísticas tem sido prática comum. No final da semana passada, mais precisamente nos dias 19 e 24 de setembro, Eduardo Nascimento, presidente do Sindetur-SP, consultou a presidência da Abav Nacional, Abav-SP, Abracorp, Aviesp e Braztoa, entre outros empresários do setor, sobre o interesse dos mesmos em realizar uma reunião com a Diretoria da Infraero, com objetivo de esclarecer e evitar os inevitáveis impactos negativos resultantes da interdição de uma pista do aeroporto de Guarulhos, para reforma, a ser efetivada logo após o próximo feriado de Carnaval até outubro de 2011.

De acordo com o presidente do Sindetur-SP, a adoção da medida "Na prática, representará redução de até 50% nas operações de GRU. Não somente o turismo, mas toda a indústria e comércio de São Paulo serão afetados com esta atitude", alerta e diz: "Penso que temos de fazer algo".

Na pauta:

Qual será o prejuízo para o destino São Paulo com os eventos já contratados? Como ficarão as empresas que dependem dos vôos charters, agora proibidos, para a sua sobrevivência? Qual será o impacto da medida sobre o preço dos bilhetes aéreos? O provável aumento de preços pode vir a compensar as perdas? Haverá isonomia de condições comerciais aos canais de distribuição? Qual seria a compensação para a perda de receitas? O que as empresas aéreas farão a respeito?

A troca de e-mails entre as lideranças da rede de agenciamento e operações turísticas tem sido prática comum. No final da semana passada, mais precisamente nos dias 19 e 24 de setembro, Eduardo Nascimento, presidente do Sindetur-SP, consultou a presidência da Abav Nacional, Abav-SP, Abracorp, Aviesp e Braztoa, entre outros empresários do setor, sobre o interesse dos mesmos em realizar uma reunião com a Diretoria da Infraero, com objetivo de esclarecer e evitar os inevitáveis impactos negativos resultantes da interdição de uma pista do aeroporto de Guarulhos, para reforma, a ser efetivada logo após o próximo feriado de Carnaval até outubro de 2011.

De acordo com o presidente do Sindetur-SP, a adoção da medida "Na prática, representará redução de até 50% nas operações de GRU. Não somente o turismo, mas toda a indústria e comércio de São Paulo serão afetados com esta atitude", alerta e diz: "Penso que temos de fazer algo".

Na pauta:

Qual será o prejuízo para o destino São Paulo com os eventos já contratados? Como ficarão as empresas que dependem dos vôos charters, agora proibidos, para a sua sobrevivência? Qual será o impacto da medida sobre o preço dos bilhetes aéreos? O provável aumento de preços pode vir a compensar as perdas? Haverá isonomia de condições comerciais aos canais de distribuição? Qual seria a compensação para a perda de receitas? O que as empresas aéreas farão a respeito?

A troca de e-mails entre as lideranças da rede de agenciamento e operações turísticas tem sido prática comum. No final da semana passada, mais precisamente nos dias 19 e 24 de setembro, Eduardo Nascimento, presidente do Sindetur-SP, consultou a presidência da Abav Nacional, Abav-SP, Abracorp, Aviesp e Braztoa, entre outros empresários do setor, sobre o interesse dos mesmos em realizar uma reunião com a Diretoria da Infraero, com objetivo de esclarecer e evitar os inevitáveis impactos negativos resultantes da interdição de uma pista do aeroporto de Guarulhos, para reforma, a ser efetivada logo após o próximo feriado de Carnaval até outubro de 2011.

De acordo com o presidente do Sindetur-SP, a adoção da medida "Na prática, representará redução de até 50% nas operações de GRU. Não somente o turismo, mas toda a indústria e comércio de São Paulo serão afetados com esta atitude", alerta e diz: "Penso que temos de fazer algo".

Na pauta:

Qual será o prejuízo para o destino São Paulo com os eventos já contratados? Como ficarão as empresas que dependem dos vôos charters, agora proibidos, para a sua sobrevivência? Qual será o impacto da medida sobre o preço dos bilhetes aéreos? O provável aumento de preços pode vir a compensar as perdas? Haverá isonomia de condições comerciais aos canais de distribuição? Qual seria a compensação para a perda de receitas? O que as empresas aéreas farão a respeito?

veja também