Residência oficial de férias do governador do Rio será aberta à visitação

Residência oficial de férias do governador do Rio será aberta à visitação

Atualizado: Terça-feira, 2 Fevereiro de 2010 as 12

Sede da residência oficial de veraneio do governador do Rio, a ilha do Brocoió, na baía de Guanabara, já foi usada para aprisionar índios, curar a estafa de uma primeira-dama da China e o estresse da ex-governadora Rosinha Garotinho.

Após 80 anos de história, dez deles sem obras, o local será reformado e abrirá à visitação. A mansão, tombada pelo Inepac (Instituto Estadual do Patrimônio Cultural), foi projetada pelo arquiteto francês Joseph Gire, do Copacabana Palace.

Uma obra emergencial, de R$ 755 mil, já foi concluída para impermeabilizar o telhado, trocar as instalações elétricas e hidráulicas. A segunda etapa, ainda sem custo definido, pretende restaurar as características originais da mansão e do jardim.

A Casa Civil, responsável pela ilha, quer abrir o local para visitação aos finais de semana a partir de 2011 --durante a semana, a entrada será restrita a estudantes.

Os jardins em estilo francês estão com mato alto. A praia, assim como todas da baía de Guanabara, poluída. Na casa de barcos, a vegetação cresce ameaçando o telhado. Mesmo após a reforma inicial, há infiltrações.

A 300 metros da ilha de Paquetá, a Brocoió pertenceu ao empresário Octávio Guinle entre 1930 e 1944, quando foi comprada por Cr$ 6 milhões (algo como R$ 500 mil, se corrigidos os valores pelo dólar, sem descontar a inflação) pelo Distrito Federal, à época o Rio.

A mansão, que se tornou residência oficial de veraneio, tem fachada em estilo normando, com telhados muito inclinados e mansardas (janelas no meio do telhado). A decoração tem inspiração art-déco e árabe.

O local já foi usado como presídio de índios e área de quarentena de escravos nos séculos 17 e 18. Antes de 1930, a ilha, de 200 mil m2 de área, era duas ilhotas. O trecho que as dividia foi aterrada para urbanizar a área.

O governador Sérgio Cabral nunca se hospedou na casa. Já Anthony e Rosinha Garotinho, à frente do Estado entre 1999 e 2006, esteve algumas vezes no local.

Por Italo Nogueira

veja também