Restauração na torre inclinada de Pisa termina após 20 anos

Restauração na torre inclinada de Pisa termina após 20 anos

Atualizado: Quarta-feira, 27 Abril de 2011 as 9:48

Após 20 anos de restauração e estabilização da torre inclinada de Pisa, o monumento italiano enfim está livre de andaimes.

Veja galeria de fotos da torre inclinada de Pisa

A torre, uma das principais atrações da Itália, já pôde se mostrar completa para os visitantes da Páscoa. A gigante de mármore "está segura para os anos por vir", disseram oficiais.   No entanto, mesmo durante a última rodada de obras, visitantes ainda eram capazes de subir até o topo do monumento, de 56 metros.

Isso foi tanto para manter turistas felizes, como para custear a manutenção das obras, cujo valor chegou a mais de US$ 9 milhões. Cerca de 1 milhão de visitantes por ano passam pela torre.

Após uma visita do chefe de obras públicas da Itália, Francesco Karrer, especialistas disseram que a torre estava "mais segura do que nunca", e que não mostrava sinais de inclinar mais.

Karrer mostrou também sensores instalados que monitoram sua condição.

A última fase da restauração, de oito anos, buscou remover sal marinho, excrementos de pombos e pichação ou marcas de mãos dos turistas.

A torre fica a cerca de 12 quilômetros das praias do Mediterrâneo; com isso, o monumento é frequentemente golpeado por tempestades vindas da costa.

HISTÓRICO

A torre foi salva de tombar com esforços de engenharia de uma década nos anos de 1990, reabrindo para o público em dezembro de 2001.

O início da construção da torre foi em 1174, segundo a tradição. Sua construção teria sido por desejo de uma aristocrata local, que teria deixado 60 moedas para a cidade.

Quando três andares da torre tinham sido construídos, ela já começou a inclinar para um dos lados. A construção terminou apenas em 1350, quando sua inclinação era cerca de metade do que é hoje --apesar de engenheiros e arquitetos tentarem evitar a inclinação.

O monumento foi declarado Patrimônio Mundial pela Unesco (órgão cultural das Nações Unidas) em 1987.

Em um check-up de 2005, especialistas afirmaram que estaria segura para os próximos 300 anos.    

veja também