Roteiros de heli-esqui pelo mundo

Roteiros de heli-esqui pelo mundo

Atualizado: Sexta-feira, 28 Maio de 2010 as 2:15

Canadá, Colúmbia Britânica Montanhas Whistler e Blackcomb

A estação de esqui de Whistler, aos pés das montanhas Whistler e Blackcomb, possui uma das melhores temporadas do mundo. Com mais de 200 pistas e 2.862 hectares de terreno esquiável, é perfeita para os iniciantes e também para esquiadores experientes, que podem se aventurar no heli-esqui.

Quem leva: A Whistler Heli-skiing tem pacotes de um dia, que dão direito a seis corridas, a uma altura aproximada de 4.600 metros verticais. Custa US$1.150 por pessoa.  

Montanhas de Monashee

A província da Colúmbia Britânica, no Canadá, é uma das regiões mais populares para a prática de heli-esqui. As montanhas de Monashee não são o melhor local para iniciantes, mas possibilitam corridas emocionantes em florestas espaçadas para os mais experientes.

Quem leva: A tradicional agência de esportes de neve Canadian Mountain Holidays (CMH), fundada em 1982, tem pacotes de um dia e meio a dez dias. Roteiros de cinco dias, com alimentação, hospedagem, equipamentos de segurança e os deslocamentos de helicóptero custam a partir de US$5.250, em quarto duplo.

Estados Unidos, Alasca

Montanhas Chugach

No gélido Alasca, a aventura acontece nas montanhas de Chugach. As operadoras de heli-esqui têm base principalmente na cidade de Valdez, além de Cordova e Girwood. Em poucos minutos os helicópteros levam até o topo de inclinações acidentadas cobertas de neve macia. Apesar de não ter tantos resorts luxuosos como no Canadá ou na Europa, em se tratando de points de esqui, a região não fica atrás.

Quem leva: A operadora Valdez Heli-Camps tem grupos limitados de até quatro pessoas. O pacote de sete noites em acomodação dupla tem preços a partir de US$ 7.640, com garantia de pelo menos 30 das 36 corridas programadas. No pacote está incluído café da manhã e almoço, acomodação, guia, transfer do aeroporto e equipamentos de segurança.

Estados Unidos, Colorado Montanhas de San Juan

No estado das estações de esqui badaladas, como Aspen e Vail, milhares de esquiadores também buscam as montanhas altíssimas do Colorado para a prática do heli-esqui. Duas empresas desta modalidade esportiva, a Helitrax e a Silverton Mountain, levam os aventureiros para uma área de neve intocada na cadeia de San Juan, nas Montanhas Rochosas.

Quem leva: Regulamentada em 1982, a pioneira no serviço de heli-esqui no Colorado, Helitrax, leva os esquiadores por US$ 1.000 (por pessoa), o que dá direito a seis corridas. Sua base fica na estação de Telluride. O mesmo preço é cobrado pela Silverton Mountain, que oferece corridas individuais por US$159, boa alternativa para quem não quer desembolsar tanto. A hospedagem e ponto de saída são na cidade de Silverton

Chile

Valle Nevado

No coração da Cordilheira dos Andes, a maior estação de esqui da América Latina está a 60 quilômetros da capital Santiago, a 3.000 metros de altitude. Com mais de 9.000 hectares de área, Valle Nevado tem “apenas” 37 quilômetros de pistas, o que garante aos aventureiros um bom pedaço de áreas não demarcadas. O helicóptero deixa os esquiadores a até 4.200 metros de altura, em picos de neve em pó.

Quem leva: No Ski Resort Valle Nevado, um helicóptero leva os esquiadores até uma altura de 4.200 metros vertical. Os preços começam a partir de US$ 190, para uma única corrida em uma descida de 1.000 metros, no setor Tres Puntas.

A Point da Neve tem pacotes de uma semana para o Valle Nevado, com meia pensão, hospedagem, passagem aérea e transfers a partir de US$ 1.629. As saídas são de Porto Alegre ou São Paulo.

Portillo

A duas horas e meia da capital chilena de Santiago, Portillo fica a 2.780 metros acima do mar, nos pés do Aconcágua. A estação mais antiga da América Latina é muito frequentada por famílias, esquiadores inexperientes e também profissionais. Tem neve fofa e de boa qualidade durante toda a temporada de inverno. Para os heli-esquiadores, não faltam opções de neve virgem para ser riscada nos cumes que rodeiam o centro de esqui.

Quem leva: No resort de Ski Portillo, o helicóptero AS350 B3, da empresa Eurocopter S.A., leva até quatro passageiros por vez, sempre acompanhados de guia. O preço de uma descida sai por US$295 e as demais custam US$165.

Argentina, Mendoza

Las Leñas

No nosso país hermano, a estação de esqui de Las Leñas, no estado de Mendoza, recebe milhares de turistas em busca de suas 28 pistas sinalizadas. Mas é fora delas que heli-esquiadores encontram emoção. Por causa do clima seco, os aventureiros encontram uma neve de qualidade reconhecida internacionalmente.

Quem leva: Com grupos exclusivos de quatro ou cinco passageiros, a Andes Cross leva esquiadores até áreas remotas de Las Leñas. O preço de duas corridas de heli-esqui sai por US$450 por pessoa.

A agência Ski Brasil tem pacotes de uma semana para o Valle Nevado, com preços a partir de Us$ 3.280.  Inclui passagem, sete noite de hospedagem com meia pensão e uso ilimitado dos meios de elevação.

Dinamarca, Groelândia

Uummannaq

A maior lha do mundo, com milhares de quilômetros quadrados de montanha, é um estado autônomo da Dinamarca. Com dias longos e noites curtas e grandes desertos naturais de gelo, a Groelândia é o cenário perfeito para quem pode se dar ao luxo de fazer uma viagem nada econômica. Nos alpes ao redor da cidade de Maniitsoq, esquiadores descem verticalmente de 600 a 1500 metros, vendo o mar (Estreito de Davis) na base.   

Quem leva: A Heliski Greenland tem pacote de sete dias, com direito a 18 horas de voo de helicóptero e hospedagem em quarto duplo. O custo da aventura não sai por menos de € 8.600.

Por Camila Sayuri, especial para o iG

veja também