Saiba mais sobre o Parque Nacional das Emas e Serranópolis (GO)

Saiba mais sobre o Parque Nacional das Emas e Serranópolis (GO)

Atualizado: Segunda-feira, 1 Junho de 2009 as 12

Por toda sua riqueza natural, o Parque Nacional das Emas é considerado um ecossistema singular em toda a América Latina. A área foi doada pelo fazendeiro Filogônio Garcia, para fins de preservação e constituída como Parque Nacional em 1972, com 131 mil hectares, ficando famosa por proteger a maior ave brasileira, a ema.

Podem ser observados, também, uma grande quantidade de cupinzeiros, morada dos cupins, feita de barro, que se eleva do solo a alturas que chegam a ultrapassar um metro. Entre dezembro e março, milhares de larvas irradiam uma luz fosforecente, de tom azul-esverdeado, resultando em um impressionante espetáculo de luzes.

O parque possui paisagens únicas, além da rica vegetação, corredeiras de águas límpidas, animais como Veados-Campeiros, Tamanduá-Bandeira, Lobo-Guará, Emas, Araras Canindé, Tucanos, Sucuris e diversas outras espécies.

A atividade ecoturística na região ainda é recente, apresentando uma baixa taxa de ocupação devido ao fato da região ser pouco conhecida. Oferece atividades como caminhadas por diversas trilhas, cachoeiras, corredeiras, balneários e piscinas naturais, pequenos cânions e sítios arqueológicos.

Nos arredores do Parque encontram-se diferentes atrações, como as inscrições rupestres na região de Jataí (GO), o grande complexo de sítios arqueológicos de Serranópolis (GO), considerado o maior patrimônio pré-histórico do Brasil, onde inclusive foi encontrado o esqueleto do ser humano mais antigo já visto nas Américas, com 11 mil anos, que se encontra no Museu Histórico de Jataí.

Além disso, com seus majestosos paredões e fascinantes grutas, o município de Chapadão do Céu (GO) é um dos portões principais para entrada do Parque, firmando-se no desenvolvimento do turismo ecológico. Foi considerada cidade exemplo do Estado de Goiás, com excelente qualidade de vida da população, índice zero de analfabetismo e combate à pobreza.

E finalmente, a cidade de Costa Rica (MS) que apresenta um conjunto de oito cânions, geisers em extinção, sítios arqueológicos e cachoeiras.

Principais atrações

Aquário Natural: nascente de água cristalina que forma uma piscina natural com rica fauna e flora aquática (peixes e plantas aquáticas). Acredita-se que as águas vêm de muito fundo, por manter sempre temperatura ambiente. Ali, é possível mergulhar inclusive com máscara e snorkel.

Gruta das Araras: lapidada em tempos ancestrais, esta preciosidade guarda registros dos povos primitivos que habitaram a região desde 11 mil anos atrás até o início do século. Um dos principais patrimônios arqueológicos da América do Sul, o paredão da gruta é coberto de pinturas rupestres estudadas por pesquisadores há mais de duas décadas. Os cálculos são de que cerca de 550 gerações compuseram este legado arqueológico. A região tem também um aquário natural, onde várias espécies de peixes e plantas podem ser vistos.

Pedra do Guardião: monumento de arenito com a forma da face de um índio. Hoje existe no local uma aldeia que recebe visitantes para trabalhar pela preservação do meio ambiente e buscar uma aproximação com as raízes indígenas. Normalmente é feita uma trilha para subida na pedra para contemplação do pôr do sol.

Pinturas Rupestres: escrituras e desenhos gravados nas paredes de arenito e quartzito das grutas da região, datados de até 11 mil anos atrás. No interior das grutas foram também encontrados materiais líticos como pontas de flecha, machadinha e cavadeira, entre outros.

Prainha e Salto do Rio Formoso: o rio Formoso nasce nas partes mais altas do Parque Nacional das Emas e entra calmo em Chapadão do Céu, formando uma prainha a 12 km do município com uma pequena cachoeira e um remanso de águas claras, ideal para o descanso e a diversão. Depois deste ponto, o rio ganha velocidade e passa por alguns cânions, formando corredeiras, remansos e saltos de até 12 metros de altura por entre as fazendas da região até juntar-se a outros rios e correr para a bacia do Prata.

Projeto Florescer: localizado numa reserva ao lado da cidade, que lembra o Parque Nacional das Emas, o projeto Florescer tem como um dos principais objetivos a educação ambiental. As crianças aprendem os hábitos de cada animal da região e aprendem a identificar as flores, frutas e plantas medicinais típicas do cerrado, além disso confeccionam diversos objetos em artesanato e fazem o replantio de diversas espécies nativas, numa tentativa de resgatar o amor pela natureza. Criado há 12 anos, o programa municipal atende cerca de 120 crianças carentes de 7 a 16 anos.

Rio Corrente: formado pela junção dos rios Formoso e Jacuba. Possui 2 saltos com grande volume de água e rara beleza, além de várias praias de areia branca. Neste rio é possível também fazer um rafting classe III e III+ em botes para até 6 pessoas.

Toca Arca de Noé: pedra em forma de casco de navio presa entre dois paredões. Ali, vive a rara suindara (coruja-branca). Para se chegar à toca, percorre-se uma trilha de 2km, onde há possibilidade de avistar espécies típicas da flora e fauna do cerrado.

Vale lembrar

Bioluminescência: fenômeno da natureza que pode ser observado à noite, principalmente nos meses de outubro e novembro, quando milhares de larvas de vagalumes emitem uma luz esverdeada para atrair suas presas. Esses insetos vivem nos diversos cupinzeiros de até 2 metros de altura existentes em todo o parque.

Celular: sinal de celular somente até Serranópolis. Em Chapadão do Céu ainda não há sinal.

Taxa de entrada no Parque: com o pagamento de uma taxa de entrada de R$ 3,00, é possível visitar uma área restrita do Parque sem acompanhamento de guia. Porém é aconselhável a contratação de um bom guia local que auxilia o turista na observação e interpretação da diversidade natural.

Roupas: prefira calças compridas e botas pois predomina no parque a vegetação arbustiva. O sol forte exige chapéu e protetor solar.

Voltagem: 200 Volts.

veja também