Saiba mais sobre Rio das Ostras - RJ

Saiba mais sobre Rio das Ostras - RJ

Atualizado: Quinta-feira, 16 Abril de 2009 as 12

Rio das Ostras é conhecida internacionalmente pelo seu potencial turístico, seus atrativos e cultura, características de um município dinâmico.

As 14 praias que desenham sua costa são os atrativos mais procurados pelos turistas que chegam diariamente à cidade. As áreas de preservação do município provam que é possível crescer, preservando o meio ambiente. Ilhas, lagoas, o rio das Ostras e o manguezal são verdadeiras maravilhas para os amantes da natureza.

Nas áreas preservadas da cidade, o visitante tem a possibilidade de entrar em contato direto com espécies da fauna e da flora nativas, incluindo as áreas da Mata Atlântica.

A memória de Rio das Ostras está na essência da cultura dos antigos povos que habitavam a região há milhares de anos. Não por acaso, a exuberância da natureza do município convive em plena harmonia com as melhorias que a cidade vem recebendo nos últimos anos, com os investimentos gerados pelos royalties do petróleo extraído da Bacia de Campos.

Considerado um dos melhores destinos da Costa do Sol, Rio das Ostras tem no turismo sua principal atividade econômica. De fácil acesso e localizada a 170 quilômetros da capital do Estado do Rio de Janeiro, Rio das Ostras, com seus 28 km de litoral, possui mais de 90 mil habitantes e tem como municípios vizinhos Macaé e Casimiro de Abreu.

Infra-estrutura

Para atender a grande demanda turística a cidade conta com aproximadamente 70 hotéis e pousadas, oferecem 3.300 leitos, além de cerca de 30 restaurantes e vários quiosques localizados na orla.

O mar calmo de quase todas as praias e o povo hospitaleiro que recebe de braços abertos todos os visitantes são um convite para visitar este município, que vem se destacando na região pelos seus investimentos na infra-estrutura turística.

Atrações turísticas

Praça da Baleia

Esta área de lazer e contemplação abriga a escultura de uma Baleia Jubarte com 20 metros de comprimento de estrutura metálica, recoberta com chapas de bronze e liga de latão. É de autoria do artista plástico, Roberto Sá, conhecido internacionalmente pelas por suas esculturas hiper-realistas. Esta é a maior homenagem a um cetáceo no mundo.

Pier de Costazul

O pier avança 200 metros para dentro da praia e além de permitir a observação de uma linda paisagem, é o novo ponto para pesca de caniço. De lá o visitante pode ver a paisagem de Costazul por um outro ângulo – de dentro do mar.  

Orla de Costazul

A orla de Costazul conta com área de lazer e preservação, com ciclovia, academia de ginástica ao ar livre, quiosques, playgrounds e 15 mil m² de área de restinga preservada.    

Ponte Estaiada

A ponte sobre o rio das Ostras, com sua arquitetura futurista com vigas estaiadas, é um dos cartões-postais da cidade. Inaugurada no dia 12 de abril de 2007, a ponte ganhou uma iluminação diferenciada, assinada por Peter Gasper, um dos maiores especialistas do país.    

Praias

Praia do Abricó

Primeira praia de Rio das Ostras a partir do município do Rio de Janeiro. Paisagem fascinante e muita tranqüilidade.

Praia das Tartarugas

Localizada em uma pequena enseada, situada entre as praias do Abricó e Praia do Bosque, recebe este nome pela grande incidência de tartarugas no local. Está recebendo um grande projeto de revitalização urbano-ambiental e é o mais novo cartão-postal de Rio das Ostras.  

Praia do Bosque

Situada entre as praias das Tartarugas e do Centro, destacam-se frondosas árvores que lembram um bosque, razão do nome. Tem profundidade ideal para banho e grande faixa de areia que propicia a prática de esportes, como vôlei de praia. 

Praia do Centro

Ideal para quem quer aproveitar uma praia tranqüila, mas não abre mão da infra-estrutura e do conforto dos bares, restaurantes e quiosques.   

Praia do Cemitério

Praia de enseada perfeita para banho, pertinho do Centro da cidade. Local onde os pequenos barcos de pesca e redes compõem a paisagem. É de lá se você pode ter a melhor vista do pôr-do-sol de Rio das Ostras.  

Praia da Boca da Barra

Praia da foz do rio das Ostras, onde as águas se encontram num espetáculo diferente. Própria para crianças. Conta com infra-estrutura de quiosques e restaurantes e também está passando por um processo de revitalização.

Praia da Joana

Pequena praia que compõe o Monumento Natural dos Costões Rochosos, área de preservação ambiental de rara beleza.

Praia Virgem

Um lugar perfeito para curtir a natureza em toda sua plenitude, longe do agito do Centro da cidade. Propícia para prática de pesca, tanto de linha, como de mergulho.  

Praia das Areias Negras

Praia em forma de ferradura. O nome é devido à coloração mais escura da areia, com grande quantidade de monazita. Conta com pequenas piscinas naturais, próprias para o banho.

Praia do Remanso

Próxima à Praça da Baleia, é uma praia de enseada formada por rochedos. Conta com infra-estrutura e é freqüentada por famílias com crianças.

Praia da Costazul

Com 2,3 Km, é uma praia oceânica, point de surfistas, bodyboarders e amantes da pesca de caniço. Boa parte de sua orla foi contemplada com o projeto urbanístico mais moderno da região.

Praia da Enseada das Gaivotas

Uma das praias mais tranqüilas de Rio das Ostras. Sua larga extensão de areia é própria a caminhadas à beira-mar.

Praia do Mar do Norte

Praia mais próxima a Macaé, conhecida por seus rochedos e pela vegetação de restinga preservada.

História & Cultura

Inicialmente ocupado por índios Tamoios e Goytacazes, o território que hoje compreende o município de Rio das Ostras era constituído pela sesmaria concedida pelo capitão-mor e governador do Rio de Janeiro, Martin Corrêa de Sá, em 1º de agosto de 1630, aos padres da companhia de Jesus. A sesmaria tinha como limites o rio Iriri - atual rio das Ostras - ao sul, e o rio dos Bagres, ao norte. Os índios e os jesuítas deixaram suas marcas em obras como a da antiga igreja de Nossa Senhora da Conceição, o poço de pedras e o cemitério. Após a expulsão dos jesuítas no ano de 1759, a igreja foi terminada no final do século XVIII, provavelmente pelos Beneditinos e Carmelitas.

As primeiras notícias sobre a área onde hoje se situam os municípios de Casimiro de Abreu e Rio das Ostras datam do princípio do século XVIII, quando, de uma antiga aldeia de índios, originou-se a freguesia denominada Sacra Família de Ipuca, em 1761. A ocorrência de freqüentes epidemias naquela localidade fez com que a sede da freguesia fosse transferida para a foz do Rio São João, que já possuía núcleos de pescadores. O desenvolvimento aí verificado determinou a criação do município de Barra de São João em 1846, cujo território foi desmembrado do município de Macaé, tendo sido o arraial de

Barra de São João elevado à categoria de vila, que desempenhava

Durante todo esse período, a estrutura econômica do futuro município de Casimiro de Abreu esteve baseada na agricultura. O isolamento físico associado à ausência de atividades agrícolas dinâmicas foi responsável pela pequena expansão do núcleo, que iniciou acentuado declínio a partir de 1888, com a libertação dos escravos.

O desajustamento da economia do município ocasionado pela Lei Áurea deu motivo a repetidos deslocamentos de sua sede entre Barra de São João, assolada por surtos de malária, e Indaiaçu (antiga denominação da sede de Casimiro de Abreu), sendo a mesma definitivamente fixada, em 1925, na última localidade, que passaria a se chamar em seguida Casimiro de Abreu, nome atribuído a todo o município em 1938.

Campos e Macaé, teve um progressivo desenvolvimento com a atividade da pesca, que foi o sustentáculo econômico da cidade até meados do século XX. Rio das Ostras constitui-se em núcleo recente, da década de 50.

A construção da Rodovia Amaral

Peixoto, a expansão turística da Região dos Lagos e a instalação da Petrobras foram de extrema importância para o crescimento e desenvolvimento de Rio das Ostras, que viu sua população crescer, até chegar ao momento de sua emancipação políticoadministrativa do município de Casimiro de Abreu, em 1992, dada pela Lei n.º 1.894, de 10 de abril daquele ano e instalação, em 1º de janeiro de 1993.

veja também