Santos (SP) inaugura novo trecho da Linha Turística do Bonde

Santos (SP) inaugura novo trecho da Linha Turística do Bonde

Atualizado: Quarta-feira, 29 Abril de 2009 as 12

No dia 28 de abril de 1909, por volta das 11 horas, Santos assistia à viagem inaugural dos bondes eletrificados, que colocava o município em sintonia com o que havia de mais moderno em transporte coletivo no mundo. O percurso, partindo do atual Centro Histórico até São Vicente, via praia, foi concluído por seis veículos em 48 minutos, transportando autoridades políticas e convidados, alguns ilustres como o pintor Benedicto Calixto e o sanitarista Saturnino de Brito,

Exatamente cem anos após a inauguração do então moderno meio de trasnporte, com uma homenagem homenagem a ex-funcionários, com exposição fotográfica e apresentação de chorinho, quatro unidades e reboque partiram da Estação do Valongo rumo ao Outeiro de Santa Catarina e à Praça Mauá, no Centro Histórico. Trata-se da entrega do primeiro trecho da ampliação da Linha Turística de Bonde, que passou de 1,7 km para 2,9 Km. Além desse 1,2 Km inicial, a meta da prefeitura é atingir 5 km. O evento faz parte da programação para comemorar o centenário da implantação do bonde elétrico na cidade.

Desativados em 1971, esses veículos só voltaram a funcionar em 23 de setembro de 2000, quando foi implantada a linha turística do Centro Histórico, com 1,7 km, por onde circulou o exemplar escocês de prefixo 32. Em seguida, mais um escocês foi recuperado, assim como um reboque. Desde aí, o passeio de 15 minutos, que conta com acompanhamento de guia de turismo e contempla importantes pontos históricos, já foi realizado por 830 mil passageiros. ''A nova geração vem matar a curiosidade e os mais velhos vêm matar a saudade'', comenta o prefeito João paulo Papa.

Além de permitir um retorno ao passado, o bonde transformou-se em ícone da revitalização da região central do município, que ganhou impulso com o programa ''Alegra Centro''. Foi ele que inspirou a 'Marca Institucional de Turismo em Santos', definida em concurso nacional. Também faz sucesso no Carnaval com o ''Carnabonde'', é utilizado como cenário de gravações de cinema, novelas e programas de televisão e tem um dia específico no calendário oficial da cidade: 23 de setembro.

O passeio pode ser realizado de terça a domingo, feriados e pontos facultativos, das 11h às 17h. O bilhete custa R$ 1,00, sendo gratuito para menores de cinco anos e maiores de 65 anos.

Museu Vivo

A necessidade de sair em busca de mais bondes, devido ao sucesso da Linha Turística, levou a prefeitura a idealizar um museu vivo, em que devem circular representantes de várias partes do planeta. Após contatos com várias cidades do mundo, recebeu em doação três veículos portugueses, vindos do Porto, e dois italianos, de Turim. Um destes, articulado, funcionará como restaurante sobre trilhos. Desses quatro, foram restaurados dois portugueses, que já se movimentam no Centro Histórico, ao lado dos dois escoceses e do reboque. O transporte e desembaraço aduaneiro ficou a cargo de um grupo de empresas locais, sem ônus algum para a prefeitura.

O apoio à ideia também chegou de vários locais do Brasil, como do Sesc de Bertioga, que doou dois exemplares de fabricação americana, bem como do município paulista de Votorantim. Assim, em quatro anos, o acervo passou de três para nove unidades. Paralelamente, a ampliação da Linha Turística, que brevemente alcançará 5 km, vai contemplar 40 pontos de interesse histórico, artístico e cultural.

Reconstrução trabalhosa

A recuperação dos sistemas originais de funcionamento representou um desafio para os técnicos da prefeitura e da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). As informações elétricas e mecânicas foram fornecidas pela CTC (Companhia de Transportes Coletivos) do Rio de Janeiro, auxiliada pela Fams (Fundação Arquivo e Memória de Santos) na recuperação de documentos, fotos e plantas. "O início foi frustrante! Fazíamos testes de madrugada e muitas vezes não conseguíamos resultado. Quando o bonde funcionou pela primeira vez foi uma alegria geral", conta o engenheiro elétrico Marcos Rogério Nascimento.

Uma equipe altamente especializada, com experiências acumuladas do serviço de bondes e de ônibus da antiga CSTC (Companhia Santista de Transportes Coletivos), está a postos na CET: ''É gratificante ver o estado em que chegam os veículos aqui e, depois do nosso trabalho, vê-los funcionando como carros 0km'', ressalta o coordenador da equipe, Sérgio Pini.

Passado de pioneirismo

A história do bonde em Santos começou em 1871, um ano antes de um similar ser implantado na capital do Estado. A primeira linha, puxada por burros, fazia o trajeto do Centro até a praia do Boqueirão. A modernização veio a partir de 1904, quando o sistema foi absorvido pela 'The City of Santos Improvements Company', também responsável pelos serviços de luz, força e gás na cidade.

A escritora Edith Pires Gonçalves Dias, 89 anos, guarda boas lembranças da época em que o bonde era a principal opção de transporte público. ''Apesar de abertos, eles eram muito limpos. Os funcionários eram maravilhosos e o motorneiro sempre esperava aquelas pessoas que vinham correndo para embarcar''. Ela subiu pela primeira vez num deles aos três anos de idade, quando o sistema elétrico já predominava, mas conta que chegou a ver unidades puxadas por animais no final da década de 20, usadas para transporte de produtos.

As dificuldades para manutenção e as facilidades dos veículos a diesel resultaram na finalização do transporte de bonde na cidade, em 28 de fevereiro de 1971.

Postado por: João Neto

veja também