São Paulo não pára - parte II

São Paulo não pára - parte II

Atualizado: Quarta-feira, 23 Janeiro de 2008 as 12

Tem as principais redes hoteleiras nacionais e internacionais

São Paulo tem 450 hotéis e 45 mil apartamentos disponíveis A taxa de ocupação média dos hotéis e flats de São Paulo em 2006 foi de 61,66% A diária média em 2006 foi de R$ 121,05 Os períodos de maior ocupação hoteleira são, respectivamente: Outubro 57,36%, Junho 56,51%, Agosto 56,27%, Novembro 56,23%, Julho 54,61%, Março 54,20%, Maio 53,39%, Setembro 52,14%, Abril 47,93%, Dezembro 47,44%, Janeiro 40,42% e Fevereiro 38,21%.

Cultura e lazer

A oferta turística da cidade totaliza 450 hotéis, 280 salas de cinema, 88 museus, 120 teatros, 27 eventos culturais, 184 casas noturnas, 75 bibliotecas, 41 áreas de patrimônio, 41 festas populares, 72 shopping centers, 53 parques e áreas verdes, 10 centrais de atendimento ao turista, 39 centros culturais, 9 cineclubes e salas especiais de cinema, 7 casas de espetáculos, 7 estádios de futebol, 69 clubes desportivos, 10 ciclovias, 2 iate clubes, 12 clubes de golfe, 1.000 academias de ginástica e 4 parques temáticos Um autódromo: onde se realiza o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 Com mais de 600 peças realizadas por ano, São Paulo é o maior pólo cultural do país (SPCVB 2005)  

Gastronomia

12,5 mil restaurantes, 52 tipos de cozinhas, 500 churrascarias, 250 restaurantes japoneses, 15 mil bares, 3.200 padarias, 10,4 milhões de pãezinhos por dia e 7.200 por minuto, 1.500 pizzarias, 1 milhão de pizzas por dia, 720 por minuto, 2.000 deliveries São Paulo é a segunda maior cidade em números de restaurantes  

Artes incomparáveis

A arte é a essência de São Paulo. Impossível dissociar uma coisa da outra. A capital paulista abriga mais de 88 museus, o que a credencia como um dos núcleos mundiais da arte. É dona de obras-primas únicas, produzidas por grandes mestres da pintura, escultura, fotografia e todas as artes plásticas e tendências que se pode imaginar e sonhar. Destaques para o Museu de Arte Moderna (MAM), com arquitetura assinada por Oscar Niemeyer, a Pinacoteca do Estado, instalada em edifício projetado por Ramos de Azevedo, o Museu do Ipiranga, o Museu de Arte Sacra, o Lasar Segall, a Fundação Maria Luiza e Oscar Americano, o Museu da Imagem e do Som - MIS e o cartão postal de São Paulo, o MASP. São Paulo também recebe inúmeros espetáculos de música, dança e teatro, sem falar na Bienal Internacional de Artes e das mostras de cinema.

Arquitetura - os contrastes de uma metrópole    

As curvas de São Paulo são a mistura de tendências arquitetônicas que marcaram períodos importantes da história do Brasil. Das casas em estilo colonial e igrejas erguidas até o século XIX à influência francesa no início do século XX, em estilo art decó e art nouveau. Dos arranha-céus dos anos 20 ao estilo modernista a partir da década de 30 e o pós-moderno. Hoje, predominam os edifícios espelhados e com característica futurista. Entre os símbolos destas tendências estão o Museu de Arte Sacra, de estilo colonial clássico, a Estação Júlio Prestes e o Viaduto do Chá, de declarada influência francesa, os modernistas MASP e Oca do Ibirapuera, além dos edifícios high-tech da região da Berrini e Vila Olímpia. Sem contar ícones como o Copam e o prédio do Banespa.

Faces - a mistura que deu certo

Qual é a cara do paulistano? Qual a sua identidade? A resposta está na história de cada indivíduo que ajudou a construir o dia-a-dia da cidade mais importante da América Latina. No início da imigração, homens e mulheres de mais de 70 países se estabeleceram aqui em busca de oportunidades e encontraram uma cidade de braços abertos. Hoje, São Paulo é a terceira maior cidade italiana do mundo, a mais japonesa fora do Japão, a terceira mais libanesa fora do Líbano, a maior portuguesa fora de Portugal e a maior espanhola longe da Espanha. A mistura de raças, etnias e culturas moldaram e transformaram sua vida cultural, social e econômica. A característica de recepcionar bem os visitantes é uma marca paulistana. Por isso, não é de se estranhar que quem visita está sempre voltando para matar a saudade.

Leia também:

São Paulo não pára - parte I São Paulo não pára - parte II São Paulo não pára - parte III   Postado por: Claudia Moraes

veja também