Sydney - Tão perto, mas tão longe

Sydney - Tão perto, mas tão longe

Atualizado: Quinta-feira, 23 Dezembro de 2010 as 2:55

Cartógrafos dos séculos XV e XIII acreditavam na existência de uma área “fictícia” nos mares do sul. A descoberta da “Terra Australis Incognita”, como era chamada só aconteceu quando o capitão inglês James Cook chegou ao continente e circunavegou a Nova Zelândia quase cinco séculos depois à bordo do Endeavour (há indícios de portugueses terem passado antes por lá). O mito era verdadeiro e a área muito maior do que se imaginava na ficção. O continente foi chamado de Austrália, em latim, “australis” (do sul).

Na continuação da viagem, James Cook chocou o navio contra uma barreira de corais, perto de Port Douglas, e encalhou na hoje conhecida Grande Barreira de Corais. “Aqui começaram os meus problemas”: lutas com aborígines, fome e doenças foram descritas em em seu diário. A área foi chamada de Cabo das Tribulações. Apropriado.

Ali Cook hasteou a bandeira britânica e com o navio consertado, viajou para o sul até alcançar à Botany Bay. Nessa mesma baía, 17 anos mais tarde, dar-se-ia inicio a colonização da Austrália pelos europeus. Era o fim do mito do continente austral.

Os primeiros onze navios com presos e condenados chegaram em janeiro de 1788. Os degredados construíram ruas, pontes, cais e edifícios públicos, criando a estrutura de Sydney, hoje uma das mais multiculturais e vibrantes cidades do mundo.

Apesar de não ser a capital, (a capital é Canberra), Sydney é uma cidade multirracial e global, e ainda recebe grande fluxo imigratório. Nos anos 70, em busca de mão-de-obra qualificada, a Austrália abriu as portas para a imigração, o que resultou nuns pais dinâmico, rico e exuberante.

Conhecida pela sua beleza natural, Sydney foi construída em torno de Porto Jackson e por essa razão que a chamam de “cidade-porto”. Há muito o que se fazer na Austrália e apenas para conhecer Sydney são necessários de 7 à 10 dias. A viagem longa e cansativa inviabiliza estadas mais curtas. Para brasileiros é necessário visto, mas o processo é descomplicado. A rota mais curta seria São Paulo – Buenos Aires – Sydney (via Qantas Airlines) totalizando 20 horas.

Seguindo este roteiro é possível conferir os principais passeios turísticos que não devem faltar em qualquer viagem ao país do canguru e do crocodilo de água do mar.

• BridgeClimb:

This is a must. Marque já esse na sua agenda. Subir a ponte de Sydney e apreciar a paisagem de 360º do alto dos seus 134 metros é um passeio obrigatório e cheio de adrenalina. Segundo o guia uma senhora de 100 anos a subiu sem nenhum problema. A aventura de 3 horas e meia é super interessante. Para começar, você tem que colocar uma roupa especial e se fixar nuns cabos de aço de segurança. A caminhada vai até o topo da ponte e retorna pelo sentido contrário do arco. Celebridades do mundo inteiro já passaram por lá, incluindo a nativa Nicole Kidman com o marido Keith Urban, a princesa Victoria, herdeira do trono da Suécia, Justin Timberlake e Cate Blanchett, entre outros. Durante o passeio um guia aponta os lugares mais interessantes de Sydney, sem contar na aula de história australiana. Ha pessoas que repetem esse passeio todas as vezes que voltam a Sydney. www.bridgeclimb.com

• Sydney Opera House Tour:

Ao final deste passeio você está sabendo tudo sobre um dos ícones mais famosos da Austrália e curiosidades como a escolha por acaso do desenho do arquiteto dinarmarques Jørn Utzon. Você fica sabendo tudo sobre os problemas e as controvérsias durante os 14 anos de sua construção. A estrutura é apoiada sobre arcos e não sobre colunas e não tem alto-falantes.

www.sydneyoperahouse.com

• Eastsail:

Essa empresa organiza passeio de iates (de vários tamanhos) saindo de d’Albora Marina em Rushcutters Bay e passando por vários lugares interessantes e chiquérrimos como Darling Point, onde tem residência Nicole Kidman e Point Piper, a região do bilionários australianos, Kirribilli e por todo o porto de Sydney. www.eastsail.com.au

• Bondi to Bronte Cliff Walk:

Quer ver “top models” locais? Acorde de manha, tome seu café-da-manhã e vai fazer a caminhada de 4 quilômetros pela costa de Sydney. Todos os domingos pessoas lindissimas passeiam por lá e param na praia Bondi para ver surfistas, a praia Tamarama (apelidada de “glamourama”) e o time de chiques brasileiros que residem em Bondi jogando frescobol e futebol de areia. Se não quiser caminhar, pare para comer no restaurante Icebergs Dining Room & Bar e ver os nadadores olímpicos na piscina de água salgada. Varias celebridades passam por lá quando estão em Sydney.

• Aprender a surfar:

Não precisa levar prancha, não. É só levar o traje de banho e o protetor solar e pronto. Em Bondi ha uma escolhinha de surf com os melhores instrutores e super simpáticos. www.letsgosurfing.com.au

• Sydney Wildlife World & Sydney Aquarium:

Esse complexo situa-se em Darling Harbour, que é uma espécie de “shopping center” com vários restaurantes, lojas, boates. É um centro onde você pode ver canguru, cobra, coala e uma variedade de animais típicos australianos. No aquário existe uma espécie de túnel onde você vera mais de 12.000 espécies de animais aquáticos,inclusive o temível crocodilo de água salgada - existente só na Austrália. www.sydneywildlifeworld.com.au e www.sydneyaquarium.com.au

• Royal Botanic Gardens & Domain

Logo no meio do parque você vai dar de cara com morcegos voando. Não se assuste com a quantidade desses animais pendurados nas árvores. Eles só comem frutas. Passear pelo jardim botânico demora quase o dia inteiro, são mais de 17 mil plantas e árvores do mundo inteiro. Reserve uma tarde para esse oásis. Há vários restaurantes e, para os que não queiram fazer o passeio a pé ao ar livre, há um trenzinho que leva os visitantes para as partes mais importantes do parque. Não se esqueça de ver as plantas tropicais, carnívoras, e parar no Hyde Park, um belíssimo parque no meio da cidade. www.rbgsyd.nsw.gov.au

• Sydney Tower:

Quer obter outra vista de 360º da cidade? Suba ate essa torre no centro da cidade e faca o passeio Skywalk. www.sydneytoweroztrek.com.au

Compras Interessantes:

Este mercadinho, bem no centro da cidade, acontece no mesmo lugar onde chegaram os navios com os presos e os condenados. Acontece das 10h as 17h e vende artesanato e coisas típicas. Aos sábados, das 10h às 16h, no Paddington Markets, voce encontra roupas moderninhas. Muitos dos novos designers como Dinosaur Designs, Collette Dinnigan, Lisa Ho, Third Millenium e Von Troska começaram a vender as roupas nas barraquinhas dali. Aqui você pode comprar o “boomerang” australiano (em versões para destros e canhotos). Os cosméticos australianos naturais também são excelentes. Aproveite para comprar o óleo essencial da planta chá (tea tree) tipico australiano, que serve para passar também em machucados, feridas, mordidas de insetos e para outros problemas de pele. www.paddingtonmarket.com.au

Restaurantes, bares e boates:

Alguns endereços não devem faltar no seu roteiro para jantar. Aqui uma lista dos restaurantes mais famosos e interessantes.

• Tetsuya’s

Prepare-se, pois o jantar de doze pratos começa às 18h e termina às 24h, mas você estará comendo no quinto melhor restaurante do mundo. A comida e o serviço são sublimes e o ambiente é tipico de uma casa japonesa autêntica. Reserve uma mesa vários meses antes de viajar. Tel.: 02-9267-2900 www.tetsuyas.com

• Kable’s

Localizado dentro do hotel Four Seasons, esse restaurante é um dos locais mais famosos da cidade e serve comida típica australiana com acento francês acompanhada dos melhores vinhos australianos e internacionais. Tel.: 02-9250-3226 www.fourseasons.com/sydney

• Icebergs Dining Room & Bar on Bondi Beach

Quer ver gente bonita? Vai para lá de dia e veja o entra e sai de belíssimos homens e maravilhosas mulheres do clube náutico. No restaurante, come-se de tudo, mas o que recomendo são os deliciosos frutos-do-mar, obviamente, e as massas. Tel.: 02-9365-9000 www.icebergs.com.au e www.idrb.com

• The Argyle

Um bar super chic com design contemporâneo dentro de um prédio antigo. É o lugar preferido do pessoal moderno e hype (HIPE?). Tel.: 02-9247-5500 www.theargylerocks.com

• Ivy Complex

The Establishment é um hotel design com vários restaurantes, bares e uma boate. Este é um local super animado na cidade para comer bem, beber um drink ou para ouvir boa musica. Tel.: 02- 9240-3000 www.merivale.com

• Aria

Com vista dramática para Opera de Sydney, esse restaurante maravilhoso serve uma “nouvelle cuisine australienne”. Tel.: 02-9252-2555 www.aria.com.au

• Bodega

Situado no lindo e pitoresco bairro Surry Hills, esse restaurante espanhol tem um “tapas bar” com uma comida super autêntica e acessível. Tel.: 02-9212-7766 www.bodegastapas.com

• Cafe Sydney

Excelente restaurante com vista para o porto de Sydney e Circular Quay. A especialidade são os frutos-do-mar. Tel: 02-9251-8683 www.cafesydney.com

• Cargo Bar

Frequentado por pessoas bonitas, é um bar com boa musica e vista espetacular para Darling Harbour. Mas se você só quer tomar uma cerveja sem barulho, vá para o Beer Garden. Tel: 02-9262-1777 www.cargobar.com.au

• The Loft

Desenhado como se fosse uma tenda árabe, esse “lounge” está localizado em King Street Wharf. Os coquetéis são de tirar o fôlego e são inspirados em três regiões do mundo: o Mediterrâneo, o Oriente Médio e a Asia. Uma delicia é o Baghdah Ice Tea. É um lugar mais tranquilo e a comida é excelente. Tel.: 02-9299-4770 www.theloftsydney.com

Um dos eventos interessantes e o “Carnaval de Sydney”, que arrecada fundos para a comunidade GLS. E um evento onde todo mundo participa não importa a orientação sexual. Carros alegóricos e até uma ala de capoeiristas e sambistas brasileiros participam deste festival. Se tiver sorte poderá escutar ainda o excelente som do DJ Tony Moran numa das festas. www.mardigras.org.au e www.djtonymoran.com

Onde ficar:

Four Seasons Hotel Sydney: Cinematográfico, é um dos poucos hotéis na cidade a ter vista para a Sydney Opera House e a Sydney Harbour Bridge. Foram investidos cerca de 20 milhões de dólares australianos nas renovações dos ambientes públicos e das acomodações. Uma torre de 34 andares com 410 quartos e 121 suítes em estilo contemporâneo. Não deixe de fazer uma massagem no spa com os produtos australianos como o Sodashi Crystalus Massage, utilizando pedras e cristais australianos. Uma boa ideia é reservar o Executive Floor para ter acesso a emails e computadores, sem falar na comida, espetacular. www.fourseasons.com Tel.: 02-9250-3100

Citigate Central Sydney: Localizado bem perto de Chinatown e Darling Harbour, o hotel é super moderno e mais acessível. São 251 quartos incluindo quatro suítes com todas as amenidades para os que querem conforto e segurança. Bem próximo estão vários restaurantes orientais super econômicos. www.mirvachotels.com Tel: 02-9281-6888

William Christie Gosse, um explorador inglês descobriu a formação rochosa em 1873. Em homenagem ao Premier australiano Sir Henry Ayers, Gosse batiza a formacao de Ayers Rock. Essa região é muito importante, pois Uluru – Kata Tjuta é um dos parques nacionais mais visitados do mundo e Patrimônio Mundial da Humanidade. Além disso, é uma verdadeira experiencia com o “Australian Outback”. Lembra do filme Austrália, com Nicole Kidman?

Se você quiser aprender tudo sobre a cultura aborígene australiana, esse lugar sagrado e mágico é a melhor opção. O povo local é chamado de Anangu e é super interessante. Aqui você vai aprender que não se deve subir na pedra, pois se você cair e se machucar o povo Anangu vai ficar muito triste. Essa pedra foi famosa no filme “A Cry in the Dark”, um dos primeiros filmes de Merryl Streep onde ele interpreta uma família cuja filha tinha sido comida por um dingo, uma espécie de cachorro selvagem. Na vida real foi um dos casos judiciários mais famosos da Austrália.

Sem dúvida, uma das melhores razões para ir até Ayers Rock é poder hospedar-se em Longitude 131º. A empresa Voyages tem outros hotéis na região, mas esse é, de longe, o melhor. Vale a pena economizar e ficar hospedado nessas tendas. Localizado exatamente no meio do deserto australiano, próximo da posição 131º02’07.25”, a leste do Meridiano de Greenwich (dai o nome), esse complexo de 15 exclusivíssimas tendas é impressionante. Cada uma delas rende homenagem a um explorador ou pioneiro australiano e, apesar de ser “eco-friendly”, posssui todo o conforto moderno com exceção de televisão (e não faz falta). Uma tenda, por exemplo, rende homenagem ao Reverendo John Flynn. Graças a esse pioneiro australiano é que hoje temos o serviço de transporte de aeromédicos. Em 1911, John Flynn prestava serviço missionário no interior da Austrália e verificou que as pessoas não tinham acesso a hospitais. Ele decidiu fazer dessa situação o seu projeto de vida. Apesar de ter lutado para demonstrar as necessidades de médicos no interior, foi só em 1928 que seu sonho foi finalmente realizado. Em 15 de maio de 1928 nasce o Royal Flying Doctor Service, uma empresa sem fins lucrativos que serve a prestar não só serviço de urgência, mas assistência medica as pessoas que não tem acesso a unidade medicas devido a se encontrarem a grandes distancias.

Todas as refeições, vários passeios e bebidas estão inclusos nas diárias obrigatórias de 3 noites. Cada dia é um passeio diferente, que pode ser a visita a Uluru: ao centro cultural aborígine/anangu para aprender a língua, a lançar o “boomerang” e tocar o “didgiredoo”; um cocktail e jantar romântico “gourmet” à luz de velas no deserto; ver o nascer e o por do sol nas “Olgas”/Kata-Tjuta; ou ainda a massagem “Total Well Being Experience” no Red Ochre Spa, perto do complexo. Se tiver sorte, verá algo raríssimo acontecer que é chover em Uluru. Impressionante é que você vai notar que Uluru, apesar de parecer ser um “monolítico”, tem cavernas, poços de água doce e fontes e que as “Olgas”, mesmo se distante somente 6 quilômetros, tem uma composição geológica completamente diferente de Uluru. Qualquer que for a sua decisao: “Wanyu Ulurunya tatintja wiyangku wantima”, Por favor, nao suba em Uluru. Maiores informacoes [email protected] ou no tel: 08-89577131

Boa Viagem à Australia e “pukulpa pitjama Ananguku ngurakutu” (bem-vindo à terra aborígene).

veja também