Tarifa aérea deve subir com preço do petróleo, vê especialista

Tarifa aérea deve subir com preço do petróleo, vê especialista

Atualizado: Terça-feira, 7 Junho de 2011 as 8:28

Passageiros estão se deparando com tarifas mais altas, já que as companhias aéreas tentam repassar um incremento estimado em US$ 50 bilhões no preço dos combustíveis este ano, afirmou um órgão líder do setor na Ásia nesta sexta-feira.

Andrew Herdman, diretor-geral da Associação de Companhias Aéreas da Ásia-Pacífico, disse que as tarifas terão que aumentar 10% para compensar os altos preços do petróleo, mas analistas questionaram se as companhias conseguirão repassar os custos por completo.

Seus comentários antecipam o encontro anual da Iata (Associação Internacional de Transportes Aéreos), no qual companhias aéreas globais devem cortar suas previsões de lucro.

"No ano passado, quase nos acostumamos ao preço [do petróleo] a US$ 80 o barril e tivemos um ótimo ano. Mas com os preços a US$ 100 ou mais, o desafio agora é como repassar o alto custo", disse Herdman em uma entrevista.

"No momento, o setor está basicamente lidando com um aumento de custo anualizado de US$ 50 bilhões e isso deve elevar as tarifas. Quando as receitas estão [ao redor] de US$ 500 bilhões, as taxas têm que aumentar em 10%", acrescentou.

Em 2010, o setor se recuperou da recessão mais rápido que o esperado, reportando lucro recorde de US$ 16 bilhões graças ao crescimento da demanda e a estratégias para aumentar a capacidade de passageiros. Mas o Iata afirmou que sua recente previsão de lucro de US$ 8,6 bilhões em 2011 agora parece otimista e pode ser reduzida na segunda-feira.

O Iata usou um preço médio de US$ 96 o barril para o petróleo tipo Brent quando calculou sua previsão, mas o preço médio anual até o momento já passa de US$ 110 o barril.

Herdman disse que um preço médio de US$ 120 para o barril pode resultar em perdas anuais para o setor, porque opera em margens razoavelmente apertadas.

No pico da recessão global em 2009, o setor reportou uma perda anual de quase US$ 10 bilhões, forçando as companhias aéreas a reduzir sua capacidade ao tirar aeronaves de circulação e reduzir sua ocupação.    

veja também