Turista de negócio não aproveita roteiros de lazer no Brasil

Turista de negócio não aproveita roteiros de lazer no Brasil

Atualizado: Terça-feira, 15 Abril de 2008 as 12

Resultados preliminares de uma pesquisa encomendada pelo Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) apontam que quatro em cada cinco estrangeiros que vêm ao Brasil atraídos por eventos ou congressos acabam não utilizando os produtos e serviços turísticos no país. De acordo com o estudo, que está sendo realizado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), dois de cada três visitantes também não prolongam sua estada após o término de seu compromisso.

Os dados foram apresentados na segunda-feira, 14 de abril, pela ministra do Turismo, Marta Suplicy, e a presidente da Embratur, Jeanine Pires, em um evento na Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio). Na primeira etapa do levantamento, 1.459 estrangeiros que estiveram no Brasil entre setembro de 2007 e janeiro deste ano para participar de seis eventos internacionais sediados no país foram ouvidos.

Até o final do ano, participantes de outros 42 congressos ou encontros de associações agendados ainda serão consultados. A Embratur e Ministério do Turismo pretendem traçar o perfil desses visitantes e planejar ações para fazer com que eles permaneçam mais tempo no país.

"O profissional liberal não tem mais 30 dias de férias por ano", disse Jeanine Pires, durante sua apresentação para cerca de 100 empresários. "Se ele vir para um evento, encontrar com pessoas de sua área e descansar por dois dias no país, ganharíamos um mercado importante no mundo atual", disse.

Segundo a Marta Suplicy, o turista de negócio deve ser tratado como prioridade, já que gasta mais do que o convencional - média de cerca de R$ 530 por dia, segundo o estudo - e também é considerado "formador de opinião", pois quase metade deles tem título de mestre ou doutor.

"Existem cerca de 6.000 eventos ou congressos internacionais sendo realizados pelo mundo todo ano", lembrou Marta, acrescentando, "temos que estar preparados para captar esses eventos".

Ainda segundo ela, trabalhos realizados pela Embratur e o ministério fizeram com que o Brasil saísse da 19ª colocação em um ranking internacional de países que mais recebem eventos e chegasse à sétima colocação, de 2003 para 2007.

Postado por: Claudia Moraes

veja também