Turistas pagam R$ 80 mil para acampar no gelo da Antártida

Turistas pagam R$ 80 mil para acampar no gelo da Antártida

Atualizado: Terça-feira, 9 Fevereiro de 2010 as 12

No title Luxo e aventura, combinados numa versão pouco comum de turismo extremo. White Desert é uma proposta ousada para os que não têm medo em enfrentar uma das áreas mais inóspitas do planeta. E para os que estão dispostos a gastar R$ 80 mil numas férias de menos de duas semanas. Um acampamento de luxo no continente Antártico e um pacote turístico diferenciado fazem o sonho dos aventureiros do século 21.

A viagem começa na Cidade do Cabo, África do Sul, onde se pega um avião fretado, e normalmente acontece em novembro. Muitas vezes, as condições climáticas forçam alterações nas datas. Mas vale a pena: antes mesmo de pousar, já dá para sentir um gostinho do que esperar nos próximos dez dias. Pela janela da aeronave, o panorama mostra icebergs, e o ¿Sol da meia-noite¿ mostra o astro-rei descendo quase até a altura do horizonte, para subir novamente sem nunca se ocultar. Pousado e com os pés no continente branco, o passageiro já faz parte do clube exclusivo dos que alguma vez estiveram na Antártida.

A primeira vista do White Desert pode assustar os mais exigentes. Os cômodos são barracas que lembram acampamentos de exploradores e aventureiros. Mas, por dentro, todas são devidamente aquecidas e bem espaçosas. Existem cinco quartos com capacidade cada um para duas pessoas, uma barraca com sala de jantar, biblioteca, cozinha e área de comunicação. O banho (com água quente, claro) é garantido por um banheiro coletivo.

Longe de ser igual à dos pinguins, a comida merece um destaque. Uma chef trazida especialmente de Cape Town prepara diariamente três refeições e um lanche da mais alta qualidade. No cardápio, frutos do mar frescos, carnes grelhadas e o típico café da manhã inglês, com bacon, salsicha, ovo, tomate quente, cogumelos fritos e torradas.

São poucos passageiros, e os guias indicam programas pensados para agradar a todos. Os que buscam apenas relaxar podem fazer um piquenique com vistas para os lagos, com uma boa taça de champanhe, ou visitar bases de pesquisa científicas. Para os mais aventureiros, há caminhadas por trilhas para lugares como cavernas de gelo, escaladas nas montanhas das redondezas e cursos de técnicas de exploração polar. Também é possível dormir num iglu, casa construída com blocos de neve compactada, à maneira dos inuits, os habitantes do Ártico. E basta deixar a imaginação solta, que a organização resolve. Alguns já fizeram atividades como andar de balão e até mesmo nadar nas geladas águas do continente de gelo.

Ponto alto da viagem é a visita à colônia dos pinguins imperadores. Os filhotes nascem em novembro e, por isso, é o período mais cheio. Com a chegada da primavera, as mães voltam do mar e chocam os ovos substituindo os pais que, no duro inverno, passaram por grandes adversidades climáticas para mantê-los vivos. Milhares de pinguins oferecem uma paisagem única.

A viagem é para poucos. O preço de tanta mordomia em meio inóspito é de 32 mil euros, aproximadamente R$ 80 mil. Quem quiser, antes de embarcar, pode aproveitar o fato de estar na África e fazer um safari, com direito a leões e outros bichos, no luxuoso hotel Mantis, próximo à Cidade do Cabo. É de graça para os clientes do White Desert. Mais informações e reservas no 44 (0) 7740 423571 ou por e-mail: [email protected]

Agência Andrés Bruzzone Comunicação

Especial para Terra

veja também