Vai fazer um cruzeiro? Veja dicas de segurança a bordo

Vai fazer um cruzeiro? Veja dicas de segurança a bordo

Atualizado: Sexta-feira, 20 Janeiro de 2012 as 9:40

O naufrágio do Costa Concordia no último sábado (14) causou preocupação em quem planejava passar alguns dias em alto-mar. Os procedimentos internos de segurança nos navios mudam conforme a empresa, mas normalmente há uma média de dez equipes de tripulantes responsáveis por situações diferentes de emergências – de um problema simples e imperceptível aos olhos dos passageiros, até abandono da embarcação.

Cada um desses times pode ser acionado por uma palavra-código transmitida pelo circuito interno de comunicação, ou pelo sistema geral de alarmes do navio, se necessário. “Há uma equipe responsável por buscar os coletes salva-vidas nos quartos e levá-los para a estação de emergência caso os passageiros estejam em áreas comuns”, exemplifica o capitão William Wright, vice-presidente de segurança marítima da Royal Caribbean.

As medidas de proteção em um navio grande e em um pequeno são as mesmas. A fim de informar e ‘tranquilizar’ os viajantes, a Abremar (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos), divulgou esta semana a lista de órgãos internacionais que determinam e apuram as normas, controles e imposições de segurança às quais todas as empresas armadoras e seus navios devem obedecer, além das regras locais de cada país em que ancoram.

Ainda que um acidente como esse seja exceção, e não regra no mundo dos cruzeiros marítimos, há sempre alguns cuidados que ajudam o passageiro a aproveitar melhor um passeio pelo mar. Conheça algumas dicas abaixo:

Dicas para aproveitar a sua viagem de navio

Alimentos e Higiene

- Apesar de haver o comprometimento das empresas no que se refere ao frescor e procedência dos alimentos preparados a bordo, ninguém garante que um prato não possa fazer mal a um passageiro. Use o bom-senso e evite comidas que você normalmente não experimentaria em restaurantes comuns. Seja prudente na utilização de molhos e no consumo de sobremesas com consistência líquida e ovos crus ou pouco cozidos. Se tiver dúvidas quanto a verduras, legumes e frutos do mar, dê preferência para aqueles que estiverem cozidos, assim como a bebidas engarrafadas. Se possível, evite também o consumo de gelo, porque você não sabe a origem da água. Além disso, lembre-se de que pelas áreas comuns dos navios passam muitas pessoas: é fundamental lavar as mãos com frequência;

- Todos os navios que passam pela costa do Brasil passam por inspeções surpresa da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Nessas ocasiões, a segurança sanitária de alimentos, água para consumo, águas recreacionais (as usadas nas piscinas e hidromassagens, por exemplo), limpeza de cabines e ambientes, salão de beleza, gerenciamento de lixo, sistema de tratamento de esgoto e controle de vetores e animais peçonhentos são inspecionados. O fiscal responsável dá ‘notas’ para cada item vistoriado e a somatória delas dá origem à pontuação de risco, que varia de 0 (navio com maior índice de segurança possível) a 5000 (navio com menor índice de segurança possível). A Anvisa informa o resultado dos relatórios de cada embarcação já inspecionada no endereço www.anvisa.gov.br/hotsite/cruzeiros/infonavios.html

Antes da Viagem

- Escolha um cruzeiro que atenda às suas expectativas no que se refere a quantidade de dias em alto-mar e, principalmente, ao público que dividirá com você a viagem. As atividades, apesar de diversificadas, costumam atender melhor a uma determinada faixa de público, que costuma ter em comum a idade ou os interesses, como em cruzeiros temáticos;

- Antes de assinar o contrato com sua operadora de turismo, certifique-se de ler todas as condições de serviços prestados. Há navios, por exemplo, que não aceitam crianças muito pequenas, assim como restringem o uso de determinadas áreas aos pequenos que ainda não sabem usar o banheiro sozinhos. Lembre-se de que uma vez dentro da embarcação, não vai haver espaço para ‘negociações’.

Crianças

- Apesar de as sacadas dos quartos normalmente contarem com proteção de vidro, vale ficar atento às crianças;

- Não é de responsabilidade dos monitores de atividades para crianças e jovens cuidarem do público. A função deles é a de entreter o grupo, e não de agirem como babás;

- Se uma criança se perder dos responsáveis na embarcação, a recepção também deve ser procurada para que a tripulação auxilie na busca.

Direitos e Deveres

- É de responsabilidade do passageiro estar com todos os documentos necessários em mãos no momento de embarque, incluindo a comprovação de eventuais vacinas necessárias tomadas. Estar em boas condições de saúde é bastante aconselhável;

- É direito da empresa de cruzeiro recusar o embarque ou desembarque de qualquer hóspede cuja conduta possa colocar em risco a segurança dos outros passageiros e tripulantes;
- A recepção do navio é o local que sempre deve ser procurado pelos hóspedes no caso de problemas como a perda ou desaparecimento de algum item das cabines ou áreas comuns. Assim como num hotel, as cabines possuem cofres que devem ser usados para o armazenamento de itens de maior valor. Objetos que por algum motivo não possam ser deixados nos cofres devem ser comunicados à tripulação a fim de que um outro lugar possa ser designado

Embarque

- Familiarize-se com as normas de segurança e os procedimentos em caso de emergência (atrás da porta de cada cabine normalmente está um mapa da embarcação, com a indicação de qual o caminho para a ‘estação de emergência’ mais próxima). O colete salva-vidas costuma ficar na própria cabine;

- A tripulação é treinada sobre como agir em situações de emergência, portanto, siga as orientações fornecidas por eles;

- Respeite os horários estipulados para os passeios em terra quando o navio atraca.

Saúde

- Os ambulatórios estão preparados para realizar socorros, e, normalmente, há uma série de medicações a bordo (cobradas, naturalmente). Ainda assim, o ideal é levar os remédios com os quais se está mais acostumado, assim como outros que precisam de receita médica para serem adquiridos;
- Para evitar quedas, procure ter cuidado nas áreas molhadas do navio, assim como nas escadarias;

- Parte das bebidas alcóolicas a bordo está inclusa na conta, por isso, é bom tomar cuidado com excessos, que podem ser ainda mais desagradáveis por conta do balanço do navio (além do custo no bolso);

- Olhos e ouvidos recebem muitos estímulos em viagens pelo mar e, é pelo fato de o cérebro não conseguir trabalhar com todas elas ao mesmo tempo que os enjoos são tão comuns. Olhar fixamente para um único ponto costuma ajudar, mas eventualmente, só o uso de uma medicação permite acabar com a sensação;

- Repita os cuidados que você já teria em uma viagem ao litoral, por exemplo: coma com moderação e não tome sol sem a proteção necessária, evitando os horários em que ele está mais forte;

- Se apresentar sintoma de alguma doença, comunique a equipe de bordo para que eles o orientem para a melhor forma de tratamento. A critério do comandante, os hóspedes poderão ser desembarcados para tratamento médico. Verifique as condições do seu contrato, pois a empresa não costuma ser responsável pelo atendimento em terra.

Fontes: Anvisa, Cruise Lines International (CLIA), European Cruise Council (ECC), Passenger Shipping Association (PSA), Abremar, Royal Caribbean, CVC, SBMV, MSC e ENIDH (Escola Superior Náutica Infante D. Henrique)

 

veja também