Vulcão emoldura percurso no deserto

Vulcão emoldura percurso no deserto

Atualizado: Quinta-feira, 10 Junho de 2010 as 8:49

A reportagem esteve em San Pedro de Atacama, no norte do Chile, para experimentar a modalidade de viagem que inclui no roteiro passeios de bicicleta.

Eram 15h30 quando o grupo de cinco pessoas saiu, levado por uma guia e seguido por uma van com um rack múltiplo. Antes de subir na magrela, a guia distribuiu os capacetes, dizendo que são obrigatórios, e as luvas --boas para evitar calos nas mãos--,opcionais.

Foram 17 km pedalando por paisagens emolduradas por uma linha de montanhas e o vulcão inativo Licancabur. Como o clima é bastante seco, já que se trata do deserto do Atacama, o mais árido do mundo, a guia ficava sempre insistindo para que o grupo se hidratasse.

A regra é: se for pedalar mais de cinco quilômetros, ou mais de 20 minutos, hidrate-se constantemente.

Lá pelo quilômetro dez, a guia fala para o grupo fazer uma parada "naquela árvore, ali na frente".

A árvore parece estar bem próxima mesmo. Ledo engano. Após pedalar muito, a árvore continua sendo uma mancha escura no horizonte bege. Só depois de pedalar cerca de três quilômetros --que no piso árido parecem o dobro--, o grupo chega.

Uma parada para tomar água e dar uma descansada e o grupo volta ao pedal.

Mas, logo em seguida, uma das participantes derrapa no chão arenoso, cai e machuca o tornozelo. A guia, que está mais à frente, vê que algo errado aconteceu e volta. E a van que seguia logo atrás vai socorrer a participante e o marido, que também para e vai ajudá-la.

Recompensa

Os outros três integrantes do grupo seguem viagem. Cansados, depois dos 17 km --em São Paulo, a distância seria o equivalente a uma caminhada de ida de volta entre o Conjunto Nacional, na avenida Paulista, e a entrada principal da Cidade Universitária --o grupo se depara com a laguna Sejas.

A água da lagoa tem concentração de sal três vezes maior que a do oceano, assemelhando-se à água do mar Morto, no Oriente Médio.

É hora de pular na água gelada, antes que o corpo esfrie. Então, a diversão: o corpo flutua na água nesse que é um dos passeios mais concorridos do Atacama.Mas está frio e, poucos minutos depois ninguém aguenta mais.

A guia oferece frutas secas, água e cerveja --os piqueniques são comuns nos passeios de bike em viagens. Como o esforço do dia já foi feito, todos comem e entram na van para voltar.

No dia seguinte, sinto uma leve dor no corpo, de quem ficou pedalando em um terreno irregular, cheio de momentos de trepidação. Mas nada que em algumas horas em território novo não passe.

Com mapa

Dá para fazer passeios sem guia. Em San Pedro de Atacama é possível alugar magrelas --cerca de 7.000 pesos chilenos (US$ 13) por 12 horas-- em algumas agências de turismo na rua Caracoles e transversais. Mas não se esqueça de levar uma garrafinha d'água e, tão imprescindível quanto, um mapa da região.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também