A quem Deus procura?

Não adianta sabermos tudo, sermos conhecedores de tudo, se não há uma intimidade.

Fonte: Guiame, Adriane Ferretti Salvitti e Rodrigo SalvittiAtualizado: terça-feira, 3 de março de 2020 15:15
(Foto: Getty)
(Foto: Getty)

O maior inimigo da intimidade com Deus é familiaridade com Ele. Somos de uma geração que temos todas as informações e instruções sobre a Bíblia, temos igrejas e cristãos crescendo no mundo todo, somos conhecedores dos versículos e da palavra de Deus como nunca houve uma geração. Mas isso não nos coloca íntimos Dele e cheios da Sua presença. É aí onde as pessoas estão se enganando, pelo fato de a Bíblia ou seu conhecimento estar maior, acreditam que ficaram familiares demais ao ponto de banalizar o verdadeiro adorador em espírito e em verdade, o qual Ele está à procura na terra.

A familiaridade gera incredulidade, pois quando se torna familiar demais não se valoriza como deveria, perde o valor real, na verdade se torna comum. E se referindo à Bíblia, a Palavra de Deus, não podemos trata-la como algo comum, normal,  mas sim deveríamos estar sempre intensificados nesse valor, dando a importância devida a ela, entendo-a e, por conseguinte, vivendo cada palavra relacionada ao manual da vida que temos de presente para nós. Se isso não acontecer, ela passará a ser somente um livro de conhecimento de letras, mas não da razão da nossa vida e valores, conceitos e propósitos para o qual fomos criados.

Um exemplo disso é a familiaridade de Jesus em Sua cidade, como vemos no livro de Marcos 6:1-6, onde Jesus não pôde realizar milagres na própria cidade onde cresceu, mas vemos um povo admirado com a sabedoria Dele. A resposta para isso é esta: Ele se tornou normal e familiar demais e pela falta de fé de quem Ele realmente era e significa, Jesus não pode realizar muitos milagres no meio do povo daquela cidade.

O que Deus procura e sempre procurou em cada um de nós é a intimidade pois a intimidade gera aproximação, valor, importância e realização do Seu propósito.

Um exemplo na prática da nossa vida é o que acontece em muitos casamentos, eles até começam bem, até se conhecem mais e mais com o passar do tempo, mas em vez desse amor crescer, florescer, muitos casamentos se tornam familiares e, ao invés de serem íntimos, e essa intimidade trazer bênçãos e alegrias por serem um só, inúmeros casamentos acabam, pois se tornaram comuns e os casais não valorizaram como deveriam o relacionamento que tinham.

Não adianta sabermos tudo, sermos conhecedores de tudo, se não há uma intimidade. Um exemplo disso é uma fã do jogador Neymar. Por ela saber tudo, tudo, tudo sobre ele, ler e obter as maiores curiosidades sobre o jogador, não significa que essa fã é íntima do Neymar. Ela pode conhecer muitas coisas e talvez mais que a maioria das pessoas na terra, mas uma pessoa íntima do Neymar sabe os seus segredos, desejos, frustrações, medos, coisas íntimas do coração, sonhos... pois intimidade gera vivência, familiaridade gera conhecimento.

No livro de Mateus 7:22, vemos: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas?” E no versículo 23 diz: “E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.” Ou seja, as pessoas podem conhecer Jesus, falar de Jesus, fazer para Jesus, mas não significa que tem parte com Ele, não significa que é íntimo Dele, não significa que tem a presença Dele.

O livro de 2 Coríntios 3:6 nos mostra que a letra mata e o espírito vivifica, ou seja, não podemos achar que conhecer as escrituras é estarmos fazendo o que é devido, o que é certo, pois se ficar só em letras nós morremos, temos sim que ser transformados e vivificamos com a vida que traz essas palavras para nós e fazer com que nosso espírito se torne um com o Pai.

Muitos são chamados, muitos escolhidos, mas os íntimos são os que o buscam em Espírito e em verdade, pois esses são quem Ele procura.

O Reino de Deus é de Deus, e só entrará Nele aqueles que forem íntimos Dele.

Você afinal é familiar ou íntimo? Pense nisso! Deus abençoe!

Shalom.

Por Adriane Ferretti Salvitti, pastora da Igreja Apostólica Restaurando Nações - IARN Japão, palestrante nas áreas de saúde e espiritualidade fisioterapeuta e Health Coach

Rodrigo Salvitti, pastor da Igreja Apostólica Restaurando Nações - IARN Japão, palestrante na área de espiritualidade e fisioterapeuta.

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O que fazer em tempos de angústia, quando parece que Deus está em silêncio?

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições