Ester: O privilégio de servir ao Rei

Servir o reino não é um trabalho do qual Deus precisa, mas uma atividade da qual eu e você precisamos.

Fonte: Guiame, Mariana MendesAtualizado: terça-feira, 8 de março de 2022 11:36
Tiffany Dupont como Hadassah em “One Night With the King”, 2006. (Foto: Gener8Xion Entertainment)
Tiffany Dupont como Hadassah em “One Night With the King”, 2006. (Foto: Gener8Xion Entertainment)

Sempre fui fascinada pela história da Rainha Ester. Quando criança, amava histórias de princesa, e saber de uma história assim na Bíblia sempre me encantava profundamente. Crescendo, lendo e relendo, estudando e aprendendo, percebi muito mais grandeza no livro de Ester, e acabei descobrindo que ele era muito mais do que os simples contos de fadas. Primeiro, claro, por ser mesmo um registro real, algo que aconteceu enquanto o povo judeu estava em um de seus cativeiros. Segundo, porque este livro em questão está na Bíblia, e os livros que fazem parte desse compilado de histórias são vivos e edificantes.

Há muito que se aprender com Ester, mas quero focar em algo que me tocou durante uma de minhas leituras, uma resposta de Ester que está no capítulo 4, versículo 11, onde ela diz: “... existe somente uma lei para qualquer homem ou mulher que se aproxime do rei no pátio interno sem por ele ser chamado: será morto, a não ser que o rei estenda o cetro de ouro para a pessoa e lhe poupe a vida...”. Essa reação surge quando Ester fica sabendo do decreto para a morte dos judeus; Mardoqueu, seu primo, lhe pede que fale com o rei em prol dos judeus, em uma tentativa de poupar a vida de seu povo. Nessa resposta de Ester vemos o medo de ir à presença do rei, a ansiedade pelo resultado que tal ação pode causar e também um pouco de egoísmo. Oras, egoísmo? Sim. Pense comigo, Ester estava em uma posição segura, sendo rainha, protegida dentro do palácio, sua vida estava garantida e talvez ela tenha pensado que seria melhor não arriscar.

Mardoqueu responde Ester de forma dura, dizendo que se ela não ajudar, socorro virá de outro lugar, mas a rainha não será poupada. É então que os olhos da garota são abertos. Ester se veste de coragem, pede que o povo se consagre juntamente com ela e se prepara para enfrentar sua missão, haja o que houver.

Não vamos entrar em detalhes da história, mas quero dizer o que aprendi aqui: Trabalhar no Reino de Deus é privilégio nosso. Se Ester não se levantasse para salvar o povo, Deus mandaria livramento de outra parte, Deus mandaria alguém para fazer o trabalho que Ester se recusava a fazer. Deus é o Dono de todas as coisas, e está no controle de tudo, Deus sabe o que faz, Ele pode mandar socorro de outro lugar, se nós não fizemos a nossa parte, Deus coloca alguém para fazê-la, mas nós perderemos a oportunidade de sermos trabalhados por Ele, perderemos a oportunidade de criarmos intimidade, de melhorar, de aprender.

Servir o reino não é um trabalho do qual Deus precisa, mas uma atividade da qual eu e você precisamos, e o Pai nos ama a ponto de entregar grandes responsabilidades nas mãos de seres falhos e fracos, para que sejamos aperfeiçoados no seu amor e graça. Não perca as oportunidades que Deus te dá, afinal, é enquanto trabalhamos para Ele que ele trabalha na gente!

Por Mariana Mendes, escritora e estudante de Letras. Trabalha com mídias sociais e fundou o canal EntreLinhas. Filha do Pai e filha de pastor. É apaixonada por ver a rotina com novos olhares.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O Milagre do Encanto

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições