Como evitar o pecado da contenda

D-us odeia contendas, discórdias e divisões entre irmãos, chamando de abominação aquele que os semeia.

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: segunda-feira, 4 de julho de 2022 16:55
(Foto: FreeBible)
(Foto: FreeBible)

Números 16:1–18:32; 1 Samuel 11:14–12:22; Atos 5:1–11

“Korach, filho de Izar, filho de Coate, filho de Levi, e alguns rubenitas, Datã e Abirão, filhos de Eliabe, e On, filho de Pelete, ficaram insolentes e se levantaram contra Moshe”. (Nm 16:1–2)

As sementes da rebelião foram plantadas quando os israelitas ameaçaram substituir Moshe como seu líder. Tão grande era seu medo dos gigantes na Terra Prometida, e tão grande era sua incredulidade que eles seriam capazes de vencer aqueles gigantes, que eles queriam abandonar as promessas de D-us e retornar ao Egito.

No estudo de Torah desta semana, a rebelião continua com o motim contra a liderança de Moshe por um homem chamado Korach (קֹרַח), que significa “calvície, gelo, granizo ou geada”.

A abominação da luta e da divisão

D-us ama a paz e o Ruach HaKodesh (Espírito o Santo) habita em paz (shalom).

D-us odeia contendas, discórdias e divisões entre irmãos, chamando de abominação aquele que os semeia:

“Estas seis coisas o Senhor odeia, sim, sete são uma abominação para Ele: … aquele que semeia discórdia entre irmãos.” (Pv 6:16, 19)

Para destacar esse pecado, a porção das Escrituras desta semana também é chamada de Parasha de Machloket (Conflito), já que Korach criou divisão, conflito e desastre dentro da comunidade por meio de sua rebelião, descontentamento e política suja.

Na verdade, o nome Korach é derivado de Korcha, que significa “divisão”.

Com total falta de humildade, Korach, que era um levita, levantou-se contra Moshe, unindo forças com Datan e Aviram, que eram da tribo de Rúben, junto com On, filho de Pelet e 250 chefes respeitados da comunidade israelita.

Mas que acusação os rebeldes tinham contra Moshe?

Eles o acusaram de se exaltar sobre a comunidade:

“Ajuntaram-se contra Moshe e Arão, e disseram-lhes: ‘Tomem conta de vocês, porque toda a congregação é santa, cada um deles, e o IHVH está no meio deles. Por que, então, vocês se exaltam acima da assembleia do IHVH?‘” (Nm 16:3)

Na verdade, esse pecado de que acusaram Moshe era, na realidade, seu próprio pecado. Infelizmente, muitos são culpados de tal autoengano e projeção.

É vital perceber que as pessoas muitas vezes, sem saber, julgam os outros pelos próprios pecados que elas mesmas estão cometendo.

“Você, portanto, não tem desculpa, você que julga outra pessoa, pois em qualquer ponto que você julgue outra pessoa, você está condenando a si mesmo, porque você que julga faz as mesmas coisas.” (Rm 2:1)

Além disso, as pessoas más não necessariamente percebem que suas ações são más, tendo justificado internamente que seu caminho é o caminho certo. Isso de forma alguma nega a gravidade desse pecado, no entanto.

A gênese da discórdia e da contenda

A sabedoria exige discernir a motivação subjacente de um irmão que cria conflitos antes de fazer julgamentos e emitir condenações. E foi exatamente isso que Moshe fez.

Moshe sabia o motivo da discórdia de Korach – o desejo sombrio que espreitava em seu coração para exaltar a si mesmo e ao sacerdócio levítico à posição que D-us havia expressamente concedido ao sacerdócio Aarônico.

Visto que o próprio D-us havia feito o sacerdócio e delineado os deveres dos levitas, eles agiram em rebelião contra a autoridade de D-us.

Moshe identificou o problema quando disse:

“Ouvi agora, filhos de Levi: é pouco para vocês que o D-us de Israel os separou da congregação de Israel, para aproximar-se dele, para fazer a obra do tabernáculo do IHVH e para ficar diante da congregação para servi-los; e que te trouxe para perto de si, tu e todos os teus irmãos, os filhos de Levi, contigo?” (Nm 16:8–10)

Não muito antes de sua rebelião, D-us escolheu os levitas para serem zeladores do Santo Tabernáculo – a estrutura e seus vasos – como servos do sacerdócio Aarônico.

Enquanto todos os levitas servem a D-us, Arão e seus descendentes tiveram a designação especial de poder se aproximar do altar para realizar sacrifícios. O Kohen HaGadol (Sumo Sacerdote) poderia até entrar no Santo dos Santos onde ficava a Arca da Aliança, um status que certamente provocaria grande inveja em alguns corações.

Moshe perguntou incisivamente ao grupo: “Vocês também estão buscando o sacerdócio?”

A Palavra de D-us nos adverte contra esse tipo de ambição de autoengrandecimento, pois traz consigo um grande mal.

“Pois onde você tem inveja e ambição egoísta, aí você encontra desordem e toda prática do mal.” (Tg 3:16)

A inveja e a ambição egoísta causam todos os tipos de problemas em nossas vidas pessoais, não apenas em casa ou no trabalho, mas também em congregações e associações, pois aqueles que não são qualificados nem ungidos disputam posições que D-us nunca pretendeu que ocupassem.

Morte e Separação: A Consequência da Luta

“Moshe enviou uma convocação a Datã e Abirão, filhos de Eliabe; mas eles disseram: ‘Não subiremos.’” (Nm 16:12)

Korach pecou por cobiçar o papel mais prestigioso do sacerdócio Aarônico, em vez do serviço levítico. Ao contrário de Datan e Aviram, ele teve a coragem de enfrentar Moshe diretamente, cara a cara.

Durante esse confronto, Datan e Aviram pareciam permanecer em suas tendas. Eles pecaram ao se rebelarem contra a autoridade de Moshe sobre eles como o líder divinamente designado por D-us. Quando Moshe os chamou, eles responderam: “Loh na’aleh (não vamos subir)”.

Ironicamente, aqueles que se recusaram a “subir” para negociar a paz com Moshe acabaram “descendo” para a morte. A terra os engoliu (assim como suas famílias e a família de Korach) vivos.

“Então eles e todos os que estavam com eles desceram vivos à cova; a terra se fechou sobre eles, e eles pereceram do meio da assembleia”. (Nm 16:33)

Os outros 250 do grupo, que ofereciam incenso a D-us e, portanto, elevavam-se à posição do sacerdócio Aarônico, foram consumidos pelo fogo. (Nm 16:35)

Os incensários de fogo em que eles ofereciam incenso foram martelados em placas de cobre para o altar, um aviso visível para os levitas pararem de invadir o Tabernáculo e assumir as responsabilidades do sacerdócio Aarônico.

Também serviu como um lembrete para a comunidade dos israelitas de que semear conflitos, questionar a liderança de D-us e exaltar-se a posições de liderança, em última análise, leva à sua própria destruição.

“Uma pessoa sem valor, um homem perverso… ele semeia discórdia. Portanto, sua calamidade virá de repente; de repente, ele será quebrado sem remédio.” (Pv 6:12-15)

Sabedoria e Companhia Divina: Evitando os Korachs de Hoje

Os rabinos consideram essa rebelião de Korach o momento mais perigoso para Israel durante sua jornada pelo deserto, lembrando Korach como o “encrenqueiro profissional da Torah e o judeu mais famoso de todos os tempos”. (Torah com um toque de humor)

Apontando para o exemplo negativo de Korach como um “vendedor de ódio”, os rabinos advertem que não devemos fazer amizade com pessoas más (al titchaber im rashah). De fato, Provérbios 13:20 aconselha que “o companheiro dos tolos sofrerá dano”.

Esta é uma das principais lições que podemos aprender com esta porção da Torah.

O rei Salomão (Shlomo), cujo próprio nome vem da palavra hebraica para paz (shalom), nos aconselha a encontrar sabedoria, o que nos impede de seguir pessoas perversas e desonestas:

“A sabedoria os livrará dos caminhos dos ímpios, dos homens cujas palavras são perversas, que deixaram as veredas retas para andar por caminhos sombrios, que se comprazem em fazer o mal e se regozijam na perversidade do mal, cujos caminhos são tortuosos e que são tortuosos em seus caminhos.” (Pv 2:12-15)

De fato, nesta leitura da Torah, Moshe advertiu o povo de Israel a se afastar das tendas de Korach, Datan e Aviram para que não fossem destruídos pelo julgamento de D-us de seus pecados também:

“Afaste-se, por favor, das tendas desses homens ímpios e não toque em nada deles, para que você não seja varrido com todos os seus pecados”. (Nm 16:26)

O apóstolo Sha´ul confirma este sábio conselho do rei Salomão e dos rabinos: “Não se deixe enganar. A má companhia corrompe o bom caráter.” (I Co 15:33)

Isso não quer dizer que não devemos ministrar àqueles que são pegos em pecado.

Ieshua comeu e conversou com pecadores e marginalizados sociais – cobradores de impostos, prostitutas, adúlteros, mendigos e leprosos. Ele os amou o suficiente para compartilhar o Reino de D-us com eles e os chamou ao arrependimento e à santidade.

Ele, no entanto, não permitiu que seus desejos e comportamentos pecaminosos influenciassem ou impedissem Seu santo propósito. E Ele não permitiu que nenhuma influência externa manche a santidade de Seu chamado.

Da mesma forma, não devemos permitir que brigas, ciúmes, autoengrandecimento ou qualquer outro pecado manche nosso chamado como filhos reais do Rei Altíssimo.

E em vez de ter inveja do poder, prestígio, posição ou posses dos outros, vamos nos contentar com o que D-us nos deu.

“Piedade com contentamento é grande ganho.” (I Tm 6:6)

Além disso, Ieshua disse: “Mantenha suas vidas livres do amor ao dinheiro e se contente com o que você tem, porque D-us disse: ‘Nunca te deixarei; nunca te desampararei.” (Hb 13:5)

Com D-us como nosso Pai e Amigo, podemos confiar nEle para suprir nossas necessidades sociais, físicas, emocionais e espirituais.

Como veremos a seguir, ser humilde e gentil são duas maneiras divinas de evitar conflitos.

Escolha a humildade: uma solução para conflitos

A verdade é que Moshe não se exaltou sobre Korach e os outros; foi D-us quem o elevou à posição de liderar Israel para fora do Egito.

Não era seu próprio desejo ser o líder de Israel; antes, ele era um líder de Israel como um ato de obediência ao Senhor. Ele não estava nessa posição devido à ambição de autoengrandecimento ou ao desejo de governar os outros.

Mesmo nessa posição exaltada, Moshe foi chamado de o homem mais humilde da terra (Nm 12:3), e somos instruídos a nos humilharmos também.

Andar em humildade é estar disposto a andar em obediência ao nosso chamado – se D-us está exigindo que lavemos a louça ou sirvamos em uma posição de liderança ou lavemos a louça enquanto estivermos em uma posição de liderança.

Significa também permitir que D-us nos exalte à Sua maneira e tempo perfeitos – não para nos exaltarmos por inveja ou descontentamento, mas para estarmos contentes em nosso status hoje. (I Pe 5:6)

Escolha a mansidão: outra solução para o conflito

Além de contentamento e humildade, não devemos buscar um confronto ou criar uma luta pelo poder; devemos buscar harmonia e paz, permitindo que D-us julgue entre as pessoas.

A Bíblia nos diz que “a resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira”. (Pv 15:1).

Devemos lembrar também que todos vemos através do espelho os mistérios de D-us vagamente (I Co 13:12). Um dia, porém, quando toda a verdade for revelada na Segunda Vinda do Messias, pode ser fácil viver em um mundo sem conflitos ou divisões enquanto nosso Messias reina em Jerusalém.

Que todos aprendamos a andar em maior humildade, contentamento e mansidão para com todas as pessoas; e que D-us traga unidade e paz entre irmãos, como está escrito: “Hinei mah tov umah na’yim; shevet achim gam yachad – Veja como é bom e agradável quando os irmãos vivem juntos em unidade.” (Sl 133:1)

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O voto de nazireu

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições