O voto de nazireu

Veja os três pontos: Ele não deve beber vinho, não deve cortar o cabelo, não deve entrar em contato com cadáveres.

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: terça-feira, 21 de junho de 2022 17:52
(Foto: KFUO Radio)
(Foto: KFUO Radio)

HASHEM falou a Moshe dizendo: Fale aos filhos de Israel, e você lhes dirá: Um homem ou mulher que se separa fazendo um voto de nazireu de se abster por causa de HASHEM, ele deve se abster de vinho novo e vinho velho (…) Durante todos os dias do seu voto de abstinência, navalha não passará sobre a sua cabeça; até o término do prazo que ele se abstém por causa de HASHEM… Todos os dias que ele se abstém por HASHEM, ele não deve entrar em contato com os mortos. (Bamidbar 6:1-6)

A dieta espiritual do Nazir tem três componentes principais. 1) Ele não deve beber vinho. 2) Ele não deve cortar o cabelo. 3) Ele não deve entrar em contato com cadáveres. Por que esses três? Qual é a razão? Qual é o benefício?

Vamos pegar cada parte da equação separadamente e depois colocá-las juntas.

1. Ele não deve beber vinho. “O vinho alegra o coração do homem”, diz-nos o Rei Davi. Nós bebemos no Kidush toda sexta à noite e dia de Shabat. Convidamos o vinho para fazer parte de um casamento e muitas outras ocasiões alegres. Então, qual é o problema com o vinho!? A resposta ainda é: “NADA!” Então, por que o Nazir está se abstendo de vinho? A resposta é: “O próprio Nazir precisa de um ajuste sério”. É por isso que ele se submete a esse processo de desintoxicação.

A pergunta é: “Quantos psicólogos são necessários para trocar uma lâmpada?” A resposta: “Um! Mas a lâmpada tem que querer trocar!” Então, é com as pessoas. Ninguém pode mudar ninguém. A pessoa tem que querer mudar. Um Nazir reconhece que precisa recalibrar sua relação com o vinho. Algumas pessoas abusam de bebidas intoxicantes e perdem o controle. Elas podem se tornar viciadas! Mesmo que não seja tão extremo, muita alegria e tolice não são bons. Feliz é bom, mas ser tonto e desleixado é arriscado. Palavras e ações tornam-se arrastadas e atos lamentáveis ​​podem ser cometidos que em tempos de sobriedade nunca seriam considerados ou permitidos. O vinho pode se tornar um ingrediente perigoso para alguns. Estes são novos problemas ou velhos problemas. São problemas do espírito humano que devem ser tratados.

Rabi Yosef Yozzel Horowitz, o Alter de Navardok, deu um exemplo poderoso para explicar tal situação. Às vezes, uma pessoa está se entregando um pouco demais a “qualquer coisa” e se convencendo de que só cheira ou bebe em raras ocasiões. Como sabemos se esta é uma autoavaliação honesta ou não? Imagine que você vê seu amigo Chaim sendo puxado por dois policiais gigantes na rua. Você grita para ele: “Chaim, o que aconteceu? Por que a polícia está levando você embora?”. Ele responde casualmente: “Não, não é o que parece. Estou levando esses policiais para a delegacia.” Você olha perplexo e responde: “Chaim, se o que você diz é verdade, vamos ver se você consegue dar alguns passos (12 passos) na direção oposta sem que eles te levem!” Se uma pessoa pode parar e inverter a direção por 30 dias, então ela está bebendo o vinho, mas se não puder, talvez esteja realmente se afogando no vinho. Muita alegria e tolice não são bons e confiar no vinho para alcançar esse sentimento de alegria pode ser muito debilitante para dizer o mínimo.

2. O Nazir não deve cortar o cabelo. Ou seja, o Nazir não deve permitir que sua aparência e como outras pessoas o percebem de fora dominem seu pensamento. Às vezes, uma pessoa pode encobrir cosmeticamente os problemas cuidando dessa aparência elegante. Não há nada de errado em ter uma boa aparência, mas para a pessoa que está espiritualmente desalinhada, muita atenção na aparência e nas posses pode ser uma distração do trabalho de “ser”. O Nazir deve voltar os olhos para dentro. Lá e somente lá ele pode encontrar a solução para seus problemas. Estar fixado no exterior é alimentar o hábito da distração, mas permitir que o cabelo cresça descontroladamente volta o foco do Nazir para dentro.

3. O Nazir não deve entrar em contato com cadáveres. Ele deve evitar tornar-se mal-humorado, o que pode levar à depressão. Nada é pior do que isso. Só falhamos de verdade quando paramos de tentar e alguém que está excessivamente envolvido com a morte pode ser dissuadido de tentar. A resiliência é uma qualidade mais necessária para sobreviver e prosperar na vida. Muita tristeza pode tirar o salto do passo de um homem e fazê-lo parar. O Talmud diz que um homem só morre por não fazer nada. Então, esse é um lugar perigoso para se estar.

Em resumo, a dieta espiritual de 30 dias do Nazir é assim: seja feliz, mas não tolo; seja sóbrio, mas não triste; mantenha o foco dentro de si!

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Parasha Shabat Pessach: O primeiro dia da Páscoa

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições