Purim: Muito mais para a História

“No terceiro ano de seu reinado, ele deu uma festa para todos os seus oficiais …” Et (1:3)

Fonte: Guiame, Mário MorenoAtualizado: quinta-feira, 17 de março de 2022 17:12
(Foto: Pixabay)
(Foto: Pixabay)

De acordo com o cálculo de Achashveirosh (o rei Assuero), o septuagésimo ano do exílio judeu havia passado sem consequências, encerrando assim as reivindicações proféticas de uma libertação judaica.

Achashveirosh celebrou essa ocasião com um banquete pródigo, exibindo os vasos sagrados saqueados do Templo Sagrado pelos exércitos de Nevucodonosor (o rei Nabucodonosor). O versículo que descreve os enfeites reais apresentados na festa contém uma letra acentuada, “chet”, que tem o valor numérico de oito. Isso, explica o Manos Halevi, alude à declaração talmúdica de que Achashveirosh celebrou vestindo as oito vestes sacerdotais do “Kohein Gadol” – “Sumo Sacerdote” (Manot Halevi 1:6).

Quase uma década antes, Belsazar, o Casdeano, também celebrou o que havia calculado erroneamente ser a passagem do septuagésimo ano do exílio. Embora ele exibisse os vasos sagrados, não há menção de ele vestir as vestes sacerdotais (Megilla 11b). Qual foi a motivação de Achashveirosh em vestir as vestes sacerdotais? Imediatamente após a trama fracassada de Bigson e Seresh, Achashveirosh elevou a posição de Haman à segunda pessoa mais poderosa em seu reino (Et 3:1). Por que foi essa reação de Achashveirosh à tentativa fracassada de assassinato? Haman, em sua nova posição, desfilou pela cidade exigindo que cada pessoa se prostrasse diante dele (Et 3.2). Essa ação poderia ser vista como uma tentativa de usurpar o poder do rei. Por que Achashveirosh permitiu que Haman se divinizasse?

O ponto de virada da narrativa da Meguilá ocorre no início do sexto capítulo. Quando Achashveirosh, sofrendo de insônia, solicitou que os anais do rei fossem recitados diante dele, ele descobriu que Mordechai nunca foi recompensado por seu envolvimento em frustrar a tentativa de assassinato contra o rei. Achashveirosh perguntou a Haman o que deveria ser feito ao homem a quem o rei deseja especialmente homenagear, e Haman, pensando que ele era o súdito da beneficência do rei, sugeriu que essa pessoa fosse autorizada a vestir a coroa e o manto do rei, cavalgar no orientar e ser liderado por um dos oficiais mais nobres do rei. Achashveirosh conferiu esta honra a Mordechai e exigiu que Haman desfilasse pela cidade (Et 6.1-11).

De acordo com o Talmud, Haman também era obrigado a preparar e dar banho em Mordechai. Por que Achashveirosh sujeitou Haman à completa e absoluta humilhação nas mãos de Mordechai, seu nêmesis jurado? O Talmud afirma que um pai não deve favorecer um filho em detrimento de outro; como resultado de duas moedas de prata, o custo da túnica dada a Iosef (José) por Ia´aqov (Jacó), Bnei Israel foi forçado a descer ao Egito (Megillah 16a). Como Ia´aqov, que foi capaz de enganar Esav e Lavan, não percebeu que dar isso a seu filho a vestimenta adicional alimentaria o fogo de ciúme e ressentimento entre Iosef e seus irmãos? A Torah se refere a Iosef como o “ben zekunim” de Ia´aqov (Bereishit 37:3).

O Targum traduz isso como “bar chakim” (Ibid). Rashi explica que “zaken” no versículo se refere à sabedoria; Ia´aqov ensinou a Iosef toda a Torah que aprendeu durante os quatorze anos que estudou na academia de Shem e Ever (Rashi ibid). Por que isso não incitou os irmãos contra Iosef? Depois que Binyamin se reuniu com Iosef, Iosef presenteou seus irmãos com presentes, oferecendo cada um com uma nova vestimenta. A Torah registra que ele deu mais generosamente a Binyamin, presenteando-o com cinco roupas e trezentas peças de prata (Bereshit 45:22). O Talmud questiona como Iosef, que ele próprio foi vítima do ciúme causado pelo favoritismo, pode ser vítima do mesmo erro de cálculo.

O Talmud responde que as ações de Iosef aludiram a um evento futuro na história judaica, quando Mordechai, um descendente de Binyamin, estaria suntuosamente vestido com trajes reais (Megillah 16a). Como essa resposta aborda a dificuldade apresentada pelo Talmud? Na maioria das sociedades, há uma posição que representa o poder político do estado e outro que representa sua religião. No caso de Bnei Israel, essas seriam as posições de rei e Kohein Gadol. O fato de Ahashveirosh vestir as vestes do Sumo Sacerdote reflete sua tentativa de consolidar as posições políticas e religiosas. Depois de um atentado contra sua vida, Achashveirosh procurou um aliado que lhe oferecesse segurança.

Ele conseguiu isso dando a Haman a posição de líder religioso. Portanto, Achashveirosh não foi ameaçado por Haman deificar-se e forçar outros a se curvarem diante dele. Quando Haman pensou que Achashveirosh queria conceder-lhe uma honra adicional, ele pediu para ser rei por um dia, pois isso lhe permitiria prestígio político além de os religiosos Quando Ia´aqov transmitiu a Iosef a Torah que recebeu na academia de Shem e Ever, os irmãos não foram ameaçados porque isso apenas representava o favoritismo de Iosef em questões religiosas, mas não usurpava a soberania de Iehuda, que os irmãos entenderam que seria o rei. poder que ele já possuía. O investimento de uma posição política é geralmente realizado por um oficial religioso; por exemplo, o profeta unge o rei e a invocação do presidente é realizada pelo clero. Achashveirosh solicitou que Haman investisse Mordechai em seus dias como soberano porque o líder religioso deve cumprir esse dever. Aos olhos de Achashveirosh, isso não era uma difamação de Haman, mas sim uma demonstração de respeito por sua posição. Assim como Aharon dava banho e barbeava os levitas quando eles entravam no serviço, esperava-se que Haman fizesse o mesmo por Mordechai.

No entanto, Ia´aqov dando a Iosef a vestimenta adicional que, como o Seforno explica, simbolizava aspirações de liderança, (Bereshit 37:3) foi visto como uma ameaça à soberania política de Bnei Israel e, portanto, encontrou resistência.

Quando Iosef deu a Binyamin roupas adicionais, ele explicou aos irmãos que isso pressagiava a roupa que Mordechai usaria. Mordechai recebeu a riqueza e a posição de Haman por Achashveirosh e Ester (Megillat Esther 11:1-2).

Isso significava que era uma nomeação religiosa, não política e, portanto, não representava nenhuma ameaça para Bnei Israel.

Por isso vamos continuar a lutar sabendo que nossa vitória e recompensa vem dos céus!

Baruch ha Shem!

Tradução: Mário Moreno

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: A questão da roupa

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições