MENU

Vazio Perigoso

Vazio Perigoso

Atualizado: Quarta-feira, 17 Agosto de 2011 as 12:59

Sucessivos terremotos sacodem o mundo econômico e político. Malucos se estouram e explodem os demais por todos os lados. Há uma carência desesperada de segurança. As portas dos asilos parecem ter se escancarado. O mundo endoidou de vez.

Faltam heróis. O cenário parece pronto para o surgimento de algum messias. Um déjà vu maligno espreita a humanidade no perigo de guindar um doido varrido para algum posto de comando, como aconteceu na véspera da Segunda Guerra. Se chegar um fanfarrão que saiba oferecer sensação de controle, ganhará reconhecimento imediato.

Abriu-se a brecha para revolucionários de última hora encantarem multidões. Quem ousar, mesmo um populista sem vergonha, arrebata as massas. Um tirano que pareça desafiar o status quo será reverenciado sem grandes dificuldades. Enormes marchas aclamarão quem parecer com as rédeas nas mãos. O ego inflado de algum demagogo será massageado sem muito critério se ele apresentar soluções. Ficou fácil canonizar opiniões formatadas e surradas de qualquer caudilho corajoso de quinta categoria. Se parecer altivo, vícios, erros e estupidez, ficarão varridos sob os carpetes da eficiência. No prado da mediocridade, o especialista sempre se sobressai.

O perigo religioso também se tornou agudo. Na aridez do consumismo materialista, o porta-voz da divindade se agiganta. Basta um pouco de manipulação para que saiba fazer acreditar que resistir ao sacerdote significa resistir a Deus e que, obedecer os comandos do ungido, é obedecer aos comandos celestiais.

O campo anda fértil para farsantes competentes. O falso caridoso é bem sucedido em esconder seu egoísmo com choros. O santarrão comove com seu discurso meloso. O pseudo-casto, o prosaico beato de coração caiado, camufla sua torpeza com interjeições escandalosas contra a imoralidade. O avarento, o ganancioso, sabe discursar sobre a graça de contribuir e repartir.

Sim, os tempos estão sombrios. Resta acreditar no poder residual do bem. Se uma fagulha incendeia a floresta, esperemos que um tracinho de bondade resista a tudo isso. Esperemos que mansidão, antítese do abuso de poder, germine um novo amanhã, e que gentileza, irmã da graça, substitua a arrogância como marca da espiritualidade. Simplicidade pode, sim, estancar o avanço da prepotência, que transforma homens e mulheres em demônios.

O futuro depende de carisma não prevalecer acima de caráter, e de clichês não dissimularem empáfia. A humanidade aguarda a verdadeira espiritualidade se sobrepondo à competência; e que a próxima geração não se acomode na ingenuidade típica dos rebanhos. Mas que também não insista em repetir os erros que deixaram o mundo do jeito que está.

Ricardo Gondim   é pastor da Igreja Betesda de São Paulo e presidente da Convenção Nacional da denominação. Presidente do Instituto Cristão de Estudos Contemporâneos. Gondim é casado com Silvia Geruza Rodrigues, pai de três filhos - Carolina, 29; Cynthia, 27; e Pedro, 19 - e avô de Gabriela, Felipe e Felipe Naran. Nascido em 1954, em Fortaleza, Ceará, é formado em Administração de Empresas. Viveu nos Estados Unidos onde obteve formação teológica no Gênesis Training Center em Santa Rosa, Califórnia.

Ministra palestras e conferências. É colunista das revistas evangélicas ''Ultimato'' e ''Enfoque Gospel''. Como escritor, Gondim é autor de livros como ''O Evangelho da Nova Era'', ''Santos em Guerra'', ''Saduceus e Fariseus'', ''Creia na Possibilidade da Vitória'', ''É Proibido'' - obra indicada ao prêmio Jabuti, de literatura brasileira -, ''Artesão de uma Nova História'', ''Como vencer a Inconstância'', ''A presença imperceptível de Deus'', ''Do Púlpito 5'', ''O que os evangélicos (não) falam'', ''Creio, mas tenho dúvidas'', e ''Sem perder a Alma'', o mais recente.

veja também