MENU

Viver não é suficiente

Viver não é suficiente

Atualizado: Quinta-feira, 18 Março de 2010 as 12

Quem deseja viver de verdade precisa, sem medo de errar, de gravidade; daquela gravidade que enraiza, cria limo e esmerilha pontas afiadas. Não basta destacar folhinhas do calendário, copular, batizar netos e reclamar do temporal. Há de descer dos devaneios para botar os pés no chão escarpado do dia-a-dia. Ilusões sabotam a vitalidade de existir.

Quem deseja viver de verdade precisa rodear-se de várias opiniões - "Na multidão dos conselheiros se encontra a sabedoria". Cofres guardam diamantes, mas não servem para gente - além de afixiar, não deixam entrar réstias da vida. O contrapé gerado pelos duvidosos ajuda a distender os limites das convicções. A discordância dos inquiridores faz repensar velhas ideias.

Quem deseja viver de verdade precisa portar-se com elegância, e diligentemente. A polidez tem que ser nutrida - ela não nasce por acaso. Uma vez a candura hospedada no espírito, torna-se mister vigiá-la. Toda a conversa deve ser mansa, todo o encontro, prudente, e toda a despedida, lastimosa.

Quem deseja viver de verdade precisa arrepender-se com frequência; ousar tanto, que os cadarços, moídos e frouxos, careçam sempre de novos laços. Que ninguém, ao prescrutar minunciosamente a alma, se assombre. Luzes e trevas pedem para que não se evitem auditagens honestas. Não é preciso temer rejeição. A Divindade não se chateia com inadequações. Criados incompletos, carecemos do espaço pedagógico de errar.

Quem deseja viver de verdade precisa aliar virtude à coragem. Os maus são atrevidos. Os sem-caráter também ousam. Denodo só vale quando vem ladeado com siso. Encarar de peito aberto o perigo, só quando se considerar o próximo como um delicado cristal; e os instantes, como eternidade.

Quem deseja viver de verdade precisa saber chorar os mortos, e nunca envergonhar-se de suas dores viscerais. Não há como escapar do sorvedouro que devora as pessoas queridas. Mas na angústia da morte, aprende-se, como disse Kierkegaard, “o que há de mais elevado”. Viver é calar os eufemismos para essa solidão devastadora que entristece orfãos, viúvas, pais desfilhados e amigos amputados de amigos.

Quem deseja viver de verdade precisa aprender a inspirar os crepúsculos, a enamorar-se das noites, a morgar em feriados chuvosos, a dourar farofa para uma comidinha dominical, a recitar poesia e rumorejar os sentimentos do poeta.

Quem deseja viver de verdade precisa contentar-se em nunca resolver os enigmas do porvir, a rota dos labirintos, o caminho da serpente sobre a pedra, e o curso das andorinhas que anuciam o verão. Viver é dar de ombros para as respostas imprecisas e para as explicações semiplenas. Quem vive navega em rotas inéditas e portos inalcançaveis; sabe que o destino é insólito.

Soli Deo Gloria

Ricardo Gondim é pastor da Igreja Betesda de São Paulo e presidente da Convenção Nacional da denominação. Presidente do Instituto Cristão de Estudos Contemporâneos. Gondim é casado com Silvia Geruza Rodrigues, pai de três filhos - Carolina, 29; Cynthia, 27; e Pedro, 19 - e avô de Gabriela, Felipe e Felipe Naran. Nascido em 1954, em Fortaleza, Ceará, é formado em Administração de Empresas. Viveu nos Estados Unidos onde obteve formação teológica no Gênesis Training Center em Santa Rosa, Califórnia. Ministra palestras e conferências. É colunista das revistas evangélicas "Ultimato" e "Enfoque Gospel". Como escritor, Gondim é autor de livros como "O Evangelho da Nova Era", "Santos em Guerra", "Saduceus e Fariseus", "Creia na Possibilidade da Vitória", "É Proibido" - obra indicada ao prêmio Jabuti, de literatura brasileira -, "Artesão de uma Nova História", "Como vencer a Inconstância", "A presença imperceptível de Deus", "Do Púlpito 5", "O que os evangélicos (não) falam", "Creio, mais tenho dúvidas", e "Sem perder a Alma", o mais recente.  

veja também