MENU

Não há força sem fraqueza

Será a ideia de uma vida totalmente controlada, um mito que as pessoas criaram para sentirem-se fortes?

fonte: Guiame, Saulo Porto

Atualizado: Sexta-feira, 10 Julho de 2020 as 12:53

(Foto: Crosswalk)
(Foto: Crosswalk)

Todo mundo tem seus momentos de fraquezas. Mas a pessoa que mostra apenas seu lado forte, está expondo uma fraqueza de querer impressionar. Até Deus mostrou seu lado “mais fraco”: o amor que sofre, a tristeza de ser rejeitado, a própria frustração de lidar com a rebeldia humana, seus arrependimentos. Mas Deus não é fraco. Pelo contrário, é justamente um Deus muito forte e seguro de si, soberano, que é capaz de expor a própria vulnerabilidade.

A vulnerabilidade é a habilidade de se colocar na mão do outro, para ser aceito ou rejeitado, é condição fundamental para o respeito. O amor é vulnerável porque é livre, não busca o próprio interesse.

Tudo que Deus fez foi em amor. Logo, a vida é vulnerável. Será a ideia de uma vida totalmente controlada, um mito que as pessoas criaram para sentirem-se fortes? A soberania de Deus não é um poder devastador, mas sim o amor que governa e convida pessoas a se colocarem debaixo da sua influência.

Não precisamos retirar a vulnerabilidade da nossa vida, como se fosse uma praga. Ao invés disso, abraçá-la, porque é uma qualidade encarar a realidade como é. É a vulnerabilidade que me faz correr para Deus, mas também não deixa me afastar quando Ele me dá um “não”. Entendo que Ele é livre, e por isso, sou vulnerável às suas escolhas também.

Quanto mais cedo eu descubro, que nem eu, nem Deus, tem a obrigação de controlar tudo, melhor eu vou passar pelas adversidades da vida, fazendo do amor e da presença de Deus a minha força, e não me escorando no seu poder ou posição. Minha vida de oração passa a ter a dimensão da sua presença, e não dos meus interesses.

“Senhor, ainda que eu não sinta, ou que não faça o que eu te peço, mesmo assim você é digno da minha vida, não precisa “forçar” nada para que eu perceba sua grandeza e amor. Foi justamente em me fazer livre, que o Senhor me prendeu a ti. Minha vulnerabilidade apenas serve para entender como é real o teu amor, não de plástico. O amor tudo sofre. Você é muito sério nos seus propósitos e nunca brincou de ser Deus. Obrigado, Senhor, porque posso confiar no teu poder, mas mais ainda, no teu amor. Você é incrível.”

Por Saulo Porto, teólogo e pastor, missionário da Missão Mãos Estendidas em Portugal e África, professor de Cosmovisão Bíblica na Jocum e estudante de Psicologia na Universidade do Algarve. Casado com a Juliana, com quem tem duas filhas, Alice e Nadine.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Eu não sou a minha roupa

veja também